Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Feminismos é Igualdade

29
Jun20

Como está o Mundo?


umarmadeira

ARTIGO DE CÁSSIA GOUVEIA

merdtv-autoconhecimento2-600x418

Nas últimas semanas, tenho observado e pensado bastante. O mundo continua a lutar contra a pandemia COVID-19 e se adaptando aos novos dias que virão.

Não consigo deixar de observar as muitas pessoas que tentam ajudar outras. Muito rapidamente vem-me à cabeça os profissionais de saúde que, mesmo exercendo a sua profissão, não deixaram de doar o seu tempo livre para estar na linha da frente e estender a mão a quem mais precisava. Vi pessoas a ajudarem-se umas às outras e tive pessoas que me ajudaram quando temi pela privação da minha liberdade. Vi outras tantas contribuírem com dinheiro para ajudar as mais afetadas pela pandemia e outras mudaram as suas vidas para limitar que o vírus se alastrasse, mesmo que essas mudanças tenham sido inconvenientes para elas mesmas. Por alguns momentos, os Direitos Humanos vieram ao de cima e a pandemia, para muitas pessoas, trouxe o melhor.

Por outro lado, observo e sinto o egoísmo crescer, a pouca empatia que existe desvanecer…. Vejo vários exemplos de pessoas que não parecem estar a contribuir para o bem comum, recusando-se a usar máscaras e até tornando-se violentas quando lhes é pedido para a colocarem. Pessoas que agem como se estivesse tudo bem e nem fazem um esforço para manter o distanciamento, e outras que insistem em não perceber que o mundo, quer queiramos ou não, mudou! E nós temos que mudar também.

É confuso, não conseguir entender o porquê das pessoas se recusarem a fazer, cada uma, a sua parte. Acho que o ser humano, quando nasce, vem com chip e é programado para satisfazer primeiro as suas necessidades e desejos. Mas não podemos continuar a viver numa sociedade egoísta. As pessoas não podem fazer o que quiserem sem ter consideração pelas outras. Uma vida civilizada exige que todas as pessoas considerem os seus interesses e o bem estar uns dos outros.

Não é fácil chamar à razão alguém, dizendo que o correto é o ser humano se preocupar mais com os outros. Obviamente que, para isso acontecer, esse alguém teria que estar ciente e sensível para se colocar no lugar do outro. O problema é que, se já havia falta de empatia, agora noto, ainda mais, pessoas com falta de capacidade de reconhecer, entender, compartilhar os pensamentos e os sentimentos. Existem, cada vez mais, pessoas indiferentes aos problemas dos outros, com pouca compaixão, não dando uma palavra amiga, sendo cada vez mais egoístas com o seu o ego lá em cima e para quem só importa o seu próprio umbigo.

O mundo mais parece uma luta de Wrestling - solidariedade vs egoísmo. Por um lado, a disposição para ajudar os mais próximos, por outro, o Eu em primeiro lugar. Dá que pensar… são duas caraterísticas bem opostas do ser humano.

Assusta-me pensar num mundo povoado por pessoas assim… Se a maioria não aprendeu nada com o que se passou nos últimos meses, como será o futuro? Será que não conseguem realmente entender que estamos todas e todos juntas/aos nisto?

Afinal como está o Mundo?

bannerCassianovo

 

23
Jun20

Uma onda opressora…


umarmadeira

ARTIGO DE FÁBIO DINIZ

1024

Estaremos a regredir, a retroceder? Por vezes, tenho me questionado...

A situação epidemiológica atual nos confinou e, fatalmente, nos colocou diante daquilo que estava esquecido.

Naturalmente, algumas máscaras caíram, ou simplesmente ficamos perante um olhar mais próximo e real daquilo que, antes, já lá estava.

Isso gerou desagrados, trouxe desconfortos vários e uma lista interminável de dúvidas, cifras e tantas outras perguntas sem resposta, a cada dia levantadas.

Observamos alguns governantes, representantes políticos com um discurso torto, autoritário e com o objetivo de castrar as suas populações.

Assistimos de camarote alguns dirigentes de estado a brincar, de forma desastrosa, com um microrganismo que já havia anunciado a sua fatalidade.

Começámos a lidar e a aprender a gerir tanta dor e sofrimento ao redor do mundo.

Enquanto isso, tantos profissionais de saúde e inúmeros colaboradores trabalhavam arduamente para que os nossos produtos, bens e serviços essenciais fossem mantidos.

No entanto, alguns seres que deveriam governar e coordenar as suas comunidades, demonstravam seriamente o seu poder absurdo e fascista.

Sim, aquilo que há alguns meses já haviam deixado claro, estava agora perante o olhar atento do mundo.

Contornar esse fluxo tão insuportável, assustador e opressor passou a ser algo a que, inevitavelmente, tivemos que aprender a sobreviver.

Os recursos, as ferramentas e tudo aquilo que nos é útil passou a ser sagrado, de forma a manter a sanidade equilibrada.

Estamos perante um momento em que lutamos por direitos, por respeito, pela vida…

Assim o é para todas as minorias, as quais ferozmente os ditadores e toda a suprema ignorância surgem com a força primária e primitiva, derrubando e matando o que à frente estiver.

Até quando iremos violar e matar pela identidade de género, pela etnia, pela orientação, por toda e qualquer diferença manifestada? Pela normativa que não é respeitada… Qual é mesmo essa norma, esse dito “normal”? Algum ser humano é igual a outro? Não me parece, basta olharmos ao redor e uns para os outros.

Então, é hora de refletir, e saber o lugar e o papel que cada um de nós tem. Um posicionamento é, e vai continuar a ser, um manifesto, uma atitude que espelha a ideologia individual.

Lembremos também que o coletivo é o grupo, a comunidade, ainda assim, o indivíduo é um e único. Uma minoria não é apenas um… O respeito deve ser igual para ti, para mim, para todos.

bannerfabio

 

15
Jun20

Lutar contra a invisibilidade do Bem, vencer o mal


umarmadeira

ARTIGO DE LUÍSA PAIXÃO

103901949_3007410516021536_2057928899490050971_o

«Sonhei um dia perseguir a utopia

Trilhar caminhos nunca dantes percorridos

Atingir e semear a alegria»

Conceição Pereira, in A Vida em Movimento

 

Este é o primeiro texto publicado no Blog da UMAR Feminismos é Igualdade que não será lido pela nossa companheira Conceição Pereira, mas é pensando nela que o escrevo, no que ela disse e no que diria destes tempos conturbados em que todas as desigualdades se agudizam. Tempos que ela presenciou e em cuja resolução estava, de certeza, pronta para participar, como sempre esteve ao longo da sua vida, com coragem e determinação.

No dia 24 de abril, num poema publicado no Diário de Notícias, falava da alegria e emoção trazidas pela conquista da liberdade, que só não tocou “os duros de coração”. Também na página do SPM, como homenagem ao 25 de Abril, ficará para sempre o seu maravilhoso contributo para o PROF#fica em casa, no qual, com a magia da sua escrita, homenageia as palavras de Zeca Afonso, Martins Júnior, Adriano Correia de Oliveira e Luís Cília.  Deste texto, escolho o registo da tomada de consciência, pelo povo, dos seus direitos, que foi uma das conquistas da liberdade. Com a emoção que lhe era habitual, recorda que nem as bombas da FLAMA e os ataques dos saudosistas da ditadura fizeram desaparecer essa consciência.

Fala-se na Conceição e pensamos logo na voz dos Invisíveis, na Liberdade, na Justiça, na luta pela Dignidade Humana, em todas as suas vertentes. Uma voz que se erguia pelo povo e para o povo.

O que nos diria a Conceição das últimas manifestações racistas, prova evidente de que, nem mesmo com a ameaça da sua destruição os tais “duros de coração” conseguem encontrar uma forma de viver em igualdade, no respeito pelo outro. Triste prova de que os direitos humanos continuam a ser uma utopia! Até quando?

Mal começou o período de desconfinamento e, ainda com a ameaça de novo{s) confinamento(s), os sentimentos xenófobos e racistas voltam a lançar as suas sementes e abrem caminho a outras violências.

Pelo caminho, outras injustiças se cometem, sem dúvida, e são todas condenáveis. Mas não podemos usar esses efeitos colaterais para o apagamento do sofrimento que dura há séculos. Fingir que partimos todos do mesmo patamar, independentemente da cor da pele, da origem, da religião, da orientação sexual ou da sua aparência física, entre outras diferenças, será perpetuar e validar esses comportamentos discriminatórios a que, eventualmente, nenhum de nós escapará, desde que a sua vida deixe de se enquadrar dentro das «normas» aceites numa determinada organização social, imposta pelos grupos que detêm o poder.

Os mais otimistas viram no isolamento social uma oportunidade para a humanidade repensar a sua atuação no planeta. Os realistas consideraram que a Pandemia não era democrática.

Neste momento, o que se conclui é que o confinamento foi, sem dívida uma necessidade, mas o reverso da medalha é demasiado doloroso para ser ignorado. Não tenhamos dúvidas de que foi e é um terreno fértil para o exacerbamento das desigualdades, das injustiças, da violência e da solidão. São estas feridas, agora mais profundas, que começam a sangrar e que, com urgência, é necessário curar.

A história mostra-nos que as crises são momentos propícios para regimes totalitários, para ondas de pânico que levam a que a domine a lei do mais forte, daqueles que se apresentam como “salvadores”, escolhendo culpar um grupo «incómodo» que será o alvo da perseguição. É isto que começa a acontecer pelo mundo, mesmo na tão aclamada cultura ocidental, e as vítimas estão aí à vista de todos. Se não houver um verdadeiro movimento de todas as forças humanistas, podemos ficar nas mãos destes movimentos populistas, que farão retroceder todas as vitórias pela dignidade humana que foram alcançadas, a conta gotas, nas últimas décadas.

Não podemos esquecer que, ao longo dos tempos, o mal, sempre, contou com a timidez do Bem para vencer.

Não deixaremos que, desta vez, isso aconteça, com a certeza de que a nossa companheira Conceição Pereira continuará presente em todas as nossas lutas.

bannerLuisanovo

 

08
Jun20

E agora, como vais fazer?


umarmadeira

ARTIGO DE MARGARIDA PACHECO

violencia-domestica-1555342031177_v2_900x506

Estamos a passar uma fase de mudança em todo o mundo. Com a pandemia, o medo, a angústia e a incerteza face ao futuro levaram a mudanças na escola, na família, no trabalho, nas relações interpessoais e na forma como entendemos a nossa realidade.              

Durante a quarentena confrontamo-nos com a história da Valentina, uma criança que morreu vítima de maus tratos por parte do seu pai. Devido a este caso, a preocupação com a negligência e com a violência contra as crianças (que sempre esteve presente), ecoou novamente na sociedade portuguesa. Já em fase de desconfinamento, enquanto que em Portugal nos deparávamos com o femicídio da Beatriz, nos Estados Unidos da América as pessoas revoltavam-se com o assassinato de George Floyd. Após dias de protestos, muitas iniciativas e milhares de pessoas nas ruas em vários países do mundo contra o racismo, recebemos a notícia do Brasil, da morte do Miguel, uma criança de 5 anos que morreu vítima de negligência por parte da proprietária da casa onde a sua mãe trabalhava.

Será que podemos ligar o homicídio da Valentina, o femicídio da Beatriz, o assassinato do George Floyd nos Estados Unidos da América e a morte do Miguel no Brasil? Uma coisa é certa, não se pode pensar nestes casos como isolados. Agora, mais do que nunca, o feminismo é chamado a refletir sobre todas as formas de violência de uma forma interseccional. Cada uma destas pessoas morreu porque foi vítima de um sistema patriarcal, sexista, misógino, racista, heteronormativo e classista, que assenta numa matriz de dominação de diversos grupos sociais e, como tal, constitui-se como um fenómeno transversal aos vários contextos de vida de crianças, adolescentes e adultos/as.

As diferentes formas de violência presentes nestes casos mais mediáticos são exemplos que constituem dimensões específicas da violência estrutural, cultural e simbólica. Estas mortes decorreram da estrutura social que posiciona diferentes grupos em termos de poder e privilégios. Esta divisão é exercida através de várias formas de dominação, discriminação, opressão, exclusão, preconceito e desvantagem. O privilégio que uma parte da sociedade tem em relação a outra é indiscutível. Mas como podemos usar esse privilégio para promover a igualdade, liberdade e prevenir a violência, a opressão, o preconceito e a discriminação? Cada pessoa luta à sua maneira, com as suas possibilidades e as suas escolhas, seja pelas redes sociais, nas ruas, na hora de votar, na conversa com amigos/as e familiares ou no seu local de trabalho. Não há uma forma mais correta de ativismo do que outra. O mais importante é que não fiquemos calados/as, que não sejamos indiferentes, que não continuemos a fingir que à nossa volta está tudo bem e que não nos pronunciemos só quando acontece connosco ou com pessoas que nos são próximas. Todas as desigualdades têm um impacto na vida de todos/as nós e na sociedade em geral. 

Na fase de maior incerteza pela qual o mundo já passou, em que milhares de pessoas continuam a morrer todos os dias e outras estão nas ruas a lutar pelas suas e pelas nossas vidas, é tempo de nos educarmos, exigirmos de nós e dos outros/as mais e melhor, exigirmos os direitos de todas as pessoas e pensarmos criticamente sobre os problemas sociais. 

Enquanto mulher, feminista, ativista e educadora estou na luta por um mundo mais igualitário e menos violento. E agora, como vais fazer?

bannerMargarida

 

Sobre nós

foto do autor

Pesquisar

Siga-nos

Iniciativas diversas

Debate "A Nutrição e as Mulheres" 05/11/2018

Todas as fotografias aqui

Tertúlia "O impacto do 25 de Abril de 1974" 28/04/2019

Todas as fotografias aqui

Passeio de Verão UMAR Madeira 14/07/2019

Todas as fotografias aqui

Semana das Artes EcoFeministas, de 15 a 19/07/2019

Todas as fotografias aqui

43º Aniversário da UMAR 13/09/2019

Todas as fotografias aqui

Tertúlias Literárias

I Passeio dos Livros nos Jardins do Lido 03/08/2018

Todas as fotografias aqui

II Passeio dos Livros no Jardim de Santa Luzia 28/09/2018

Todas as fotografias aqui

III Passeio dos Livros na sede da UMAR Madeira 10/03/2019

Todas as fotografias aqui

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D