Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Feminismos é Igualdade

26
Jan21

Segurar quem nos ampara


umarmadeira

ARTIGO DE PAULO SOARES D'ALMEIDA

monalisamascara

Todos nós já tivemos um daqueles dias no qual pensamos que não deveríamos ter saído da cama, onde tudo corre surrealmente mal. Acredito que tenha sido isso que os/as trabalhadores/as do sector cultural tenham sentido em 2020. Só que, em vez de um dia aqui e ali, tirando algumas excepções – obviamente -, foram 366 dias. Ainda por cima, foi um ano bissexto, para que houvesse um dia extra de desencantamento com este ofício de existir.

É sabido que uma esmagadora parte dos espectáculos teve que ser cancelada, o que levou a, por exemplo, milhões de despedimentos, ao encerramento de teatros, cinemas ou livrarias. Infelizmente, esta situação acabou por resultar a que muitos desses profissionais ficassem sem condições para se alimentar, ou seja, uma afronta colossal à dignidade humana.

Nos momentos mais complicados da minha vida, além das pessoas que me amparam, a arte teve sempre um papel essencial na manutenção da minha (parca) sanidade mental. É nos filmes, nos discos ou nos livros que encontro um pouco de luz quando o breu teima em me rodear.

No primeiro confinamento, fui mais uma vez salvo pela arte. Agora, que voltamos a ser encarcerados, voltarei, certamente, a socorrer-me nela. Aproveitando a habitual reflecção e as inevitáveis listas com o melhor do ano que nos invadem por esta altura, deixo aqui algumas recomendações daquilo, que para mim, foi o melhor de 2020, com o intuito de tornar estes longos dias mais airosos – alerta pretensiosismo.

Começando pela música, foi praticamente consensual que Fetch the Bolt Cutters, da singular Fiona Apple, foi o disco do ano. Lançado no pico da pandemia, a crueza aliada à beleza da composição, tornou a quarentena de milhões de pessoas por esse mundo fora mais fácil.

Moses Sumney, um dos novos diamantes da música mundial, depois de um maravilhoso Aromanticism, em 2017, conseguiu elevar ainda mais a fasquia com um poético e hipnotizante græ.

Num ano também marcado pelo movimento #BlackLivesMatter, o misterioso grupo britânico SAULT, lançou um poderoso e reivindicativo Untitled (Black Is). O poder do funk, da soul ou do R&B junta-se ao protesto e resulta num álbum denominado mundialmente como a “banda sonora da revolução de 2020”.

Em Março, sem aviso, o lendário Bob Dylan, disponibilizou no seu canal de Youtube, o tema Murder Most Foul, o seu primeiro original desde 2012, onde deambula sobre o assassinato de John F. Kennedy. O tema de 17 minutos seria o single de avanço de Rough and Rowdy Ways, mais uma obra de arte do Nobel.

Run The Jewels, a dupla americana composta por El-P e Killer Mike, voltou com um criativo e assertivo RTJ4, onde mantêm a sua sonoridade característica, conjugada com uma mensagem forte da actualidade, directa e sem soar condescendente.

De uma forma mais sintética, também há que mencionar discos como Set My Heart on Fire Immediately, de Perfume Genius; A Hero's Death dos Fontaines D.C.; It Is What It Is, do Thundercat; What Kinda Music, do Tom Misch & Yussef Dayes; Source, da Nubya Garcia ou Alfredo, de Freddie Gibbs & The Alchemist.

Em Portugal, também tivemos excelentes projectos como o delicioso Kriola, de Dino D'Santiago, que é um hino à diversidade e orgulho negro; o encantador Madrepérola, da Capicua, onde a rapper portuense dá um necessário nocaute ao patriarcado, com o seu jeito aguerrido e poético; Rapazes e Raposas, do singular B Fachada, após o seu hiato; Canções do Pós-Guerra, do Samuel Úria; Eva, pela voz quente e bela de Cristina Branco; o homónimo Lina_Raül Refree, que junta a fadista com o produtor espanhol; Revezo, de Filipe Sambado; Liwoningo da talentosa Selma Uamusse; Uma Palavra Começada por N, do Noiserv; o fresco Meia Riba Kalxa, do Tristany; a doce simbiose de Fado Jazz Ensemble, do pianista Júlio Resende; ou o intemporal Caixa de Ritmos, álbum de instrumentais do poeta urbano Sam The Kid.

No cinema, apesar de uma grande parte dos filmes mais aguardados do ano ter visto as suas estreias adiadas, também tivemos um 2020 com qualidade e variedade, para todos os gostos.

Destaco Nomadland, da cineasta chinesa Chloé Zhao, que nos mostra a vida de uma mulher nómada, interpretado de uma forma brilhante por Frances McDormand – o que é uma redundância -, as dificuldades e prós que este estilo de vida acarreta, sempre presenteados com uma fotografia sublime.

Minari, de Lee Isaac Chung, onde acompanhamos uma família coreana que vai viver para o Arkansas, numa pequena fazenda em busca do sonho americano.

Listen, da portuguesa Ana Rocha De Sousa, é também um dos filmes do ano. Vemos por dentro o drama de uma família de emigrantes portugueses nos subúrbios de Londres, que vê a segurança social querer separar os filhos dos pais. Um valente murro no estômago, que nos deixa com a coração em estilhaços.

Da Dinamarca chega-nos Druk, mais um filme soberbo de Thomas Vinterberg, acompanhado de Mads Mikkelsen, com quem já tinha feito o memorável Jagten. Quatro professores testam a teoria que diz que manter constantemente um certo nível de álcool no sangue traz imensos benefícios à vida das pessoas.

Never Rarely Sometimes Always, da realizadora Eliza Hittman, vivemos de perto o drama de uma adolescente natural de um meio pequeno, que descobre estar grávida e tem que ir para Nova Iorque com a sua prima – também menor – para conseguir abortar. É um retrato dos perigos que uma jovem mulher pode passar.

Destaque, ainda, para I'm Thinking of Ending Thing, do genial Charlie Kaufman; The Trial of the Chicago 7 do reputado Aaron Sorkin, criador de The West Wing; Promising Young Woman da talentosa Emerald Fennell; o tocante Dick Johnson Is Dead, de Kirsten Johnson; o importante Soul, de Pete Docter; ou os documentários Beastie Boys Story, de inovador Spike Jonze e Crip Camp: A Disability Revolution, escrito e co-produzido por Nicole Newnham e James LeBrecht.

Queria deixar mais recomendações de outras áreas culturais, mas creio que já me tenha alongado, portanto ficar-me-ei por aqui. Espero que encontrem algo que possa tornar o vosso confinamento mais agradável.

Enquanto fazia estas listas, ia constatando no quão democrática é a arte, com homens e mulheres, dos quatro cantos do mundo, das mais variadas raças e etnias, expressões de género e orientações sexuais, estão aqui representados/as.

Se a arte tem todo este poder de nos ajudar nestas fases, acho que o mínimo é valorizar os/as seus/suas profissionais com a compra do seu trabalho. Nunca vos pedi nada, portanto, quem puder, não deixe de apoiar quem tem um papel tão importante na nossa sociedade.

P.S. – Juro que não tenho direito a qualquer tipo de comissão.

bannerPaulo1

 

19
Jan21

Vermelho em Belém: As eleições mais importantes da história da democracia portuguesa?


umarmadeira

ARTIGO DE MARGARIDA PACHECO

destaque_vermelho_em_belem_destaque_central_esquerda

Falta menos de uma semana para as eleições presidenciais e estamos todos/as, novamente, em confinamento obrigatório.

No dia 24 de janeiro, iremos ter respostas a vários questionamentos que, enquanto sociedade, tivemos ao longo do último ano. Será que a pandemia nos ajudou enquanto sociedade a compreender que há grupos sociais privilegiados? Será que nos tornamos uma sociedade mais empática e mais sensibilizada para compreender que a pandemia não está a afetar todos/as da mesma forma? Será que estamos mais consciencializados/as para os vários problemas sociais do nosso país? No próximo domingo teremos estas respostas! Num período eleitoral, em que o mundo está a passar por uma crise sanitária de que não há memória no mundo moderno, em que todos/as nos sentimos cansados/as, preocupados/as, estamos a assistir ao crescimento da extrema direita em Portugal.

Termos um candidato à presidência que é machista, misógino, racista e homofóbico, que defende que há “portugueses do bem” e “os outros portugueses”, que acha que o corpo das mulheres é um espaço público em que os homens podem tomar decisões e tecer comentários depreciativos sobre o aspeto físico. Uma pessoa que defende ideias conservadoras e fascistas é antidemocrático. Será possível que este partido tenha tantos/as apoiantes? Na realidade existem, e são todos/as aqueles/as que aceitam e concordam com as ideias machistas, racistas e homofóbicas deste partido. Pessoas que defendem que o feminismo não é necessário, porque as mulheres querem é ser superiores aos homens, que ser homossexual é moda e que o sistema não é racista, só existem algumas pessoas racistas. 

Votar é essencial em democracia, mas este ano, que a nossa democracia, liberdade e igualdade é posta em causa, é necessário votarmos por todos/as nós, porque todos/as nós somos portugueses/as, mas o mais importante todos/as nós somos seres humanos iguais em Direitos!

A necessidade da recente campanha nas redes sociais #vermelhoembelém relembra que os direitos das mulheres nunca estão garantidos. Temos de estar todos/as na luta, não só na luta pelos direitos das mulheres, mas na luta por todos os grupos sociais que ainda sofram da opressão, discriminação e do preconceito em Portugal.

Estaremos aqui para enfrentar o futuro, sempre com a esperança de um mundo melhor, numa sociedade mais igualitária para todas as pessoas. E sempre na luta, no ativismo para que todas as pessoas tenham os seus direitos garantidos para uma vida digna, sustentável e saudável.

Votem com consciência! Votem com a importância de #vermelhoembelém. Não deixemos os//as outros/as decidirem por nós.

bannerMargarida

11
Jan21

O Voto: cartão dourado da democracia


umarmadeira

ARTIGO DE LUÍSA PAIXÃO

urna-votos-MC2019

Pela segunda vez desde o início da pandemia os portugueses e as portuguesas são chamados a exercer o seu dever de votar. Depois das Eleições Regionais dos Açores, agora, teremos uma eleição a nível nacional, com a maior parte da população em confinamento geral ou parcial.

Esta situação é, sem dúvida, mais um teste à democracia no nosso país, que, nos últimos tempos, tem sido como nunca, desde a Revolução de Abril, desafiada nos seus princípios e valores fundamentais, sendo, por isso, tão importante preservá-los, sobretudo aquele que está na base de qualquer regime democrático, o direito ao voto.

Vemos que, há uma demissão cada vez maior de participação cívica e democrática, por parte da população, nas decisões que a todos dizem respeito, entregando-as cegamente nas mãos das instituições governativas e ignorando  totalmente as suas responsabilidades de intervir de forma comprometida, enquanto cidadãs e cidadãos de um mundo onde, urgentemente, temos todos de assumir as nossas responsabilidades cívicas, sob pena de, se não o fizermos, deixarmos escapar a réstia de humanidade que ainda existe e sem a qual não conseguiremos ultrapassar este momento tão difícil que estamos a enfrentar.

Façamos um exercício mental a tentar imaginar como seria sobreviver a esta pandemia no tempo do Estado Novo, regime que, atualmente, exerce um enorme fascínio em algumas pessoas, as quais, obviamente, não o experimentaram ou viveram-no do lado dos opressores. Se fizermos esse exercício, com base em fontes fidedignas, chegaremos rapidamente à conclusão do desespero sem limites que estaria a sofrer a maioria da população portuguesa, pois, para além das condições de enorme pobreza geral em que viviam, não poderiam efetuar qualquer queixa ou denúncia, visto que as mesmas seriam vistas como um ataque ao regime e punidas “exemplarmente”.

Não podemos negar o quão desesperante está a ser a vida para os setores mais frágeis da sociedade, nomeadamente com o alastrar do desemprego. Esta pandemia agravou as diferenças sociais, alastrou a pobreza, aumentou a discriminação e todos os tipos de violência. Mas, como vivemos em democracia, todos essas injustiças podem ser denunciadas. Podemos obrigar o poder instalado a confrontar-se com as suas atitudes e, ainda que, na maior parte dos casos, a nossa denúncia não resolva os problemas graves que existem, está nas nossas mãos continuar a lutar e manter a liberdade para continuar a travá-la. Todas as denúncias que hoje fazemos, toda a visibilidade que damos às injustiças que grassam na sociedade, só conseguimos fazê-las porque vivemos num sistema democrático.  No entanto, para que essa democracia seja verdadeira é preciso que usemos a arma que nos dá o verdadeiro poder: o voto.

Não podemos desprezar a herança deixada por todas e todos aqueles que lutaram, com sangue, suor e lágrimas, sacrificando o seu futuro, pelos ideais democráticos. Cabe-nos a nós, não defraudar a esperança desses homens e dessas mulheres, honrando as suas conquistas.

Fazer com que toda a população, sem qualquer distinção possa exercer o direito ao voto é algo que temos de exigir ao Governo, a nós cabe-nos exercer esse direito. 

A história recente já nos tem mostrado as consequências da abstenção e o que pode acontecer quando achamos que o nosso voto é algo sem importância. O preço a pagar pelo comodismo geral das nossas sociedades tem sido um vergonhoso recuo na história dos direitos humanos.

Temos de usar a nossa arma mais poderosa, já no dia 24 de janeiro, votando para a Presidência da República.

bannerLuisanovo

 

04
Jan21

Recomeços


umarmadeira

ARTIGO DE CARINA JASMINS

recomeçar-compressed

No início de cada ano é normal quase todas/os traçarmos objetivos e planos para a nossa vida, parece que esse período favorece e nos dá força para planearmos o futuro.

Muitas vezes, reparamos que chegando a meio do ano, metade dos nossos planos ficaram pelo caminho, na gaveta ou foram substituídos por outros. Às vezes, falta-nos a motivação, outras vezes as circunstâncias da vida alteram-se, como se costuma dizer, a vida dá muitas voltas. Às vezes, também os nossos planos estão em sintonia com a vida e concretizam-se na altura que desejamos.

É-nos difícil deixar fluir com a vida, principalmente nas sociedades ocidentais, temos de ter tudo muito controlado para não sair dos eixos que definimos, porque assim não sofremos, nem ficamos à deriva sem sabermos por onde ir, parece que se deixarmos fluir a vida não avança, ou podemos sofrer. É-nos colocada, muitas vezes, uma pressão da sociedade, que a vida é uma luta constante para realizarmos algo concreto, palpável, exterior porque assim são visíveis para o mundo as nossas concretizações e fluir com ela é errado.

Não há, muitas vezes, uma busca interior, de refletirmos que pessoa desejamos ser, uma construção que seja feita de dentro para fora: primeiro eu sou algo dentro de mim e depois tento manifestar fora de acordo com o que sou dentro. Esse parece-me um bom caminho e, no meu caso, é por onde a vida me tem levado. Procurar ser a melhor versão de nós mesmas/os deveria ser um objetivo primordial, precedendo os restantes objetivos porque assim quando conseguíssemos materializá-los seriam mais genuínos, de acordo com quem na realidade somos.

Mas cada vez mais as circunstâncias externas levam-nos a acreditar que a vida muitas vezes foge do nosso controlo, foi o que deixou bem claro esta pandemia, muitos projetos e planos tiveram que ficar em espera, ou alterados de acordo com as circunstâncias, testando a nossa capacidade de adaptação e de resiliência.

Não tem nada de mal fazer planos, mas há uma frase que li há muitos anos e nunca mais me esqueci: “Não tenhas planos para a vida para não estragar os planos que a vida tem para ti”. Podemos ter planos e sonhos, fazemos a nossa parte, mas ter consciência que muitas vezes a vida tem mais força e ela direciona-nos por outros caminhos que não prevíamos, testando a nossa resistência.

Às vezes, muitos dos nossos sonhos não se concretizam, sentimo-nos tristes, mas se soubermos reduzir as expectativas da sua realização, o sofrimento e a frustração serão menores no final. Fazer o possível por concretizá-los, mas saber que não temos as rédeas totais da situação e entregar à vida aquilo que não controlamos, porque no fundo a vida carrega a verdadeira sabedoria e ensinamentos que precisamos. O sonho pode permanecer sempre um sonho ou pode transformar-se numa frustração, cabe-nos a nós usar o tal livre arbítrio que muitas vezes se resume à aceitação da realidade ou a revolta que é natural, mas que não deve permanecer na nossa vida, porque nos faz mal.

Aceitar fluir é arriscado, é um salto de fé no desconhecido, mas também é ganhar asas para voos inesperados e muitas vezes incertos, mas que nos trazem aquele calor e certeza de estarmos no caminho que deixa a nossa Alma feliz mesmo que fora até pareça que a nossa vida está parada, mas dentro de nós é mágico, e mais tarde ou mais cedo as concretizações surgirão com o nosso empenho e entrega.

Há muitos anos deixei de fazer planos, porque desde muito cedo percebi que, pelo menos, no meu percurso, a vida teve uma força tremenda e coube-me muitas vezes apenas a escolha de aceitar ou revoltar-me. Escolhi muitas vezes a revolta, mas de tanto aprender com essas situações, percebi que o melhor era aceitar o que a vida me proponha, deixar doer e chorar o que tinha a chorar e depois seguir em frente, mais leve e com o coração livre daquela dor.

O meu desejo é de ser feliz e peço apenas, no início do ano, que o próximo ano seja melhor, às vezes é, outra vezes não e cabe-me aceitar. Quando é bom aproveito até ao fim porque sei que terá um fim; quando é mau, vou aguentando a tempestade até passar porque sei que também terá fim e assim vou vivendo e aprendendo o que posso e amadurecendo com as experiências da vida.

Desejo a todas/os um ano feliz, que aquilo que vos preenche realmente a Alma possa manifestar-se e concretizar-se nas vossas vidas.

FELIZ ANO NOVO!

bannerCarinaJ

 

Sobre nós

foto do autor

Pesquisar

Siga-nos

Iniciativas diversas

Debate "A Nutrição e as Mulheres" 05/11/2018

Todas as fotografias aqui

Tertúlia "O impacto do 25 de Abril de 1974" 28/04/2019

Todas as fotografias aqui

Passeio de Verão UMAR Madeira 14/07/2019

Todas as fotografias aqui

Semana das Artes EcoFeministas, de 15 a 19/07/2019

Todas as fotografias aqui

43º Aniversário da UMAR 13/09/2019

Todas as fotografias aqui

Tertúlias Literárias

I Passeio dos Livros nos Jardins do Lido 03/08/2018

Todas as fotografias aqui

II Passeio dos Livros no Jardim de Santa Luzia 28/09/2018

Todas as fotografias aqui

III Passeio dos Livros na sede da UMAR Madeira 10/03/2019

Todas as fotografias aqui

Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub