Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Feminismos é Igualdade

13
Out21

Só com Mudança de mentalidades é possível conciliar a vida profissional, familiar e pessoal!


umarmadeira

ARTIGO DE ASSUNÇÃO BACANHIM

ações-diárias-para-manter-equilíbrio-entre-vida-profissional-pessoal-automacao-comercial-blumenau

A já longa situação Pandémica de COVID19, que se abateu no mundo e que nos afectou a todas/os, mas que hoje, felizmente, já está a caminhar para a sua quase normalidade, mas temos de continuar com alguns cuidados, mesmo assim, por mais algum tempo, e passados que são quase dois anos, tem trazido ao de cima algumas reivindicações que se encontravam adormecidos tais como: os horários de trabalho e a conciliação da vida familiar e pessoal. Embora sejam uma questão crucial das sociedades actuais com reflexos a vários níveis e em múltiplas dimensões da vida das/os trabalhadores, desde a questão da demografia e os problemas decorrentes da baixa natalidade para a sustentabilidade da economia e do sistema de protecção social, aos problemas da igualdade entre mulheres e homens no trabalho, na família e na sociedade e os estereótipos de género que continuam a atribuir o papel de principal cuidadora, limitando ou menorizando o seu papel social e profissional enquanto mulher.

A taxa de empregabilidade da mulher é grande, mas apesar de haver sinais positivos sobre a participação dos homens ao nível da partilha de responsabilidades na vida familiar, existe uma grande distância entre a partilha equilibrada de responsabilidades e as realidades quotidianas. São as Mulheres que mais dificuldades sentem na conciliação do trabalho com a vida familiar e pessoal. Algumas veem-se forçadas a suspender as suas carreiras profissionais para cuidar dos/as filhos/as e não é por acaso que a maioria das/os cuidadoras/es informais são mulheres, abdicam a título temporário ou definitivo do trabalho remunerado para prestar assistência a cônjuge, pais, filhos ou outros familiares em condição de fragilidade ou de dependência. E são as Mulheres que mais recorrem ao apoio extraordinário à família, o que torna mais claro as assimetrias que continua a marcar a prestação de cuidados no seio familiar.

 

Neste contexto, os efeitos causados pela pandemia e o teletrabalho para um grande número de mulheres, aprofundaram ainda mais as dificuldades já existentes com a conciliação entre trabalho e vida familiar e profissional.

Na prática, o prolongamento generalizado e a constante irregularidade dos horários e tempos de trabalho são claramente incompatíveis com a necessidade de conciliar diariamente a vida profissional com a vida familiar e pessoal, não favorecem a efectivação do direito ao lazer e à cultura e, muitas vezes, têm repercussões negativas na saúde dos/as trabalhadoras/es.

Gostava de dizer que, apesar dos significativos progressos registados, a verdade é que a sociedade parte ainda do pressuposto que cabe à mulher assumir a quota principal das responsabilidades da família, que sejam as mulheres a gozar maioritariamente todas as licenças, faltas e dispensas relacionadas com o apoio à família, enquanto relativamente aos homens, tais práticas continuam a ser mal vistas e mal aceites.

Por outro lado, assiste-se a uma contínua degradação dos serviços públicos, sendo uma fonte de preocupação para as famílias que acaba por afectar as questões da conciliação. Porque a conciliação da vida profissional e familiar é um direito fundamental de quem trabalha e que as entidades empregadoras têm o dever de respeitar e facilitar, porque é necessário identificar as necessidades das mulheres e homens e das suas famílias e dar-lhes uma resposta urgente e cabal e não é isso o que se passa, infelizmente.

A dificuldade em conciliar as diferentes esferas da vida é uma realidade quotidiana que afecta e condiciona diariamente a vida de quem trabalha e das suas famílias, complicando o dia-a-dia, e provocando a destabilização  das relações entre as pessoas, perturbando a educação e o desenvolvimento harmonioso das crianças e jovens, distorcendo as vivencias familiares e sociais , fazendo crescer fenómenos como o stress, depressão, ansiedade, burnout e a falta de motivação. Estes são cada vez mais relatados por um significativo número de trabalhadoras/os face à enorme pressão para responder às exigências do ambiente de trabalho moderno e à actual situação pandémica. Tal ocasionou repercussões, não só na vida profissional como também na vida pessoal, familiar e social.

Por isso, sem discutir-se o tempo de trabalho e a organização do tempo de trabalho e sem se procurar um justo equilíbrio entre tempos de trabalho e tempos de não trabalho, não se pode discutir a conciliação entre as várias esferas da vida das/os trabalhadoras/es.

Enquanto as leis que se aprovam não tiverem aplicação à vida concreta das famílias e a conciliação for vista pelo prisma do interesse das empresas e não for reconduzida ao plano das necessidades e interesses das pessoas e das famílias, também não é possível discutir e, muito menos, concretizar qualquer tipo de conciliação entre a vida profissional, familiar e pessoal, do meu ponto de vista. É preciso combater a instabilidade e a precariedade dos vínculos laborais, dando vínculo de trabalho efectivo que garanta estabilidade a quem trabalha. É preciso adequar ao exercício das responsabilidades familiares o cumprimento das normas laborais de protecção das mães e dos pais trabalhadores. Há que investir e melhorar os serviços públicos nas áreas sociais, da saúde, dos transportes e da habitação, a fim de proporcionar a quem vive do seu salário e às suas famílias maiores facilidades de conciliação e das suas responsabilidades familiares com a sua vida profissional.

bannerassuncaonovo

 

06
Out21

A chama digital


umarmadeira

ARTIGO DE FÁBIO DINIZ

Redes-sociais-4

No nosso quotidiano somos invadidos a cada minuto por uma enchente de informação, conteúdos, alertas e notificações, nos vários dispositivos presentes em nossas vidas.

As redes sociais passaram a ser um hábito vicioso, de tal forma que, tornamo-nos dependentes desses meios para divulgar e demonstrar o que em nossa rotina acontece.

Os “likes” sinalizam a aprovação dos conteúdos manifestados em nossas cronologias e perfis, mas sem os mesmos tudo fica invalidado e inexistente. Sim, vejamos bem que, as selfies tornaram-se algo tão banal que, estranho é daquelxs que não as utilizam.

Tudo isto, se bem utilizado, de forma saudável e equilibrada não nos traria qualquer problema. Em contrapartida, o sistema digital produz o efeito contrário, tornando-nos adictos e reféns.

É uma era e um tempo que vamos almoçar ou conviver com família e/ou amigxs e o bombardeamento de notificações e sons é constante. Isso causa um distanciamento entre nós, humanos e, consequentemente com toda a Natureza.

As crianças e os jovens têm já um contacto tão íntimo com os aparelhos e dispositivos eletrónicos que, assusta e impressiona toda a ancestralidade.

Lamentavelmente sofremos solidão, carência, ainda que tenhamos humanos e pessoas próximas, mesmo aquelas que estão ao nosso lado fisicamente, naquele momento.

Os telemóveis nos distanciaram, deixaram a frieza mais evidente em vários e inúmeros ambientes.

Será que necessitamos utilizar tantas horas por dia as redes sociais? E os aparelhos eletrónicos e dispositivos móveis?

Os nossos afetos, as nossas relações, sejam connosco ou com o próximo, até que ponto estão comprometidos?

Aqueles momentos de meditação reflexiva, do olhar atento e carinhoso com o companheiro, o abraço na mãe, a atenção e o cuidado com o gato… quando iremos resgatar?

A chama digital nos tem afastado de nós mesmxs, dxs nossxs entes queridxs, daquelxs que mais gostamos, sejam animais humanos ou não humanos, da Natureza e da nossa Terra. Lutamos e corremos por um “like”, por um comentário e/ou por uma aprovação meramente idealizada e irreal.

Talvez tenha chegado o momento de revermos a utilização e a importância que atribuímos aos dispositivos móveis, aos ecrãs digitais e às redes sociais.

“Nunca as pessoas tiveram tão próximas nas redes sociais e, ao mesmo tempo, tão distantes de si mesmas. Eis a era da solidão.” – Augusto Cury.

bannerfabio

 

Sobre nós

foto do autor

Pesquisar

Siga-nos

Iniciativas diversas

Debate "A Nutrição e as Mulheres" 05/11/2018

Todas as fotografias aqui

Tertúlia "O impacto do 25 de Abril de 1974" 28/04/2019

Todas as fotografias aqui

Passeio de Verão UMAR Madeira 14/07/2019

Todas as fotografias aqui

Semana das Artes EcoFeministas, de 15 a 19/07/2019

Todas as fotografias aqui

43º Aniversário da UMAR 13/09/2019

Todas as fotografias aqui

Tertúlias Literárias

I Passeio dos Livros nos Jardins do Lido 03/08/2018

Todas as fotografias aqui

II Passeio dos Livros no Jardim de Santa Luzia 28/09/2018

Todas as fotografias aqui

III Passeio dos Livros na sede da UMAR Madeira 10/03/2019

Todas as fotografias aqui

Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub