Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Feminismos é Igualdade

03
Set18

O livro feminista de 1715


umarmadeira

ARTIGO DE CONCEIÇÃO PEREIRA

370037_0001_1_t24-C-R0150

Fina d´Armada, uma companheira da UMAR entretanto falecida, viveu grande parte da sua vida a procurar livros e notícias de mulheres que protagonizaram grandes feitos, mas que os historiadores esqueceram, esconderam, desvalorizaram.

Assim, nas suas buscas pelos arquivos, encontrou um livro publicado pela 1ª vez em 1715 e que foi reeditado em 1741,1743 e 1793, sendo que este último se encontra na Biblioteca Pública Municipal do Porto. Esta obra foi publicada com o título: Bondade das Mulheres Vendicada e Malícia dos Homens Manifesta. Está assinada por “Paula da Graça, natural da Vila de Cabanas e assistente nesta Corte”.

Trata-se de um pequeno livro, escrito em verso, composto por 72 quintilhas (estrofes de cinco versos), tantas quantas os livros da Bíblia. A autora responde a uma jovem que lhe pede conselho sobre o seu casamento e ela vai abordando os problemas que as mulheres enfrentam:

- o casamento era um tirano estado;

- a não existência de equivalentes empregos, a riqueza e o gosto é dado aos varões;

- havia mulheres muito oprimidas;

- a interpretação desvirtuada da bíblia, valorizando a culpa feminina e ocultando a   masculina;

- só se falava dos heróis e não das heroínas;

- para entreter as mulheres destinaram-lhe os enfeites, retirando-lhe todo o resto;

- os direitos das mulheres foram-lhes retirados pelos homens;

- assassínio de esposas;

- violência doméstica (“depois partem-lhes as costas”).

Segundo Fina d’Armada, a autora estaria a responder ao autor do livro Malícia das Mulheres, em que este as acusa de manhosas, comedeiras, respondonas, astuciosas, falsas, vaidosas, inconstantes, interesseiras, velhacas. Por esta época e já no século anterior, foram escritos livros acusando e humilhando as mulheres de serem símbolo de astúcia e falsidade. E ainda davam conselhos, entre outros, aos homens para casarem com meninas muito novinhas, antes de adquirirem autonomia, para melhor as dominarem. Até havia o seguinte provérbio: Em dia de São Tomé, quem porco não tiver, mate sua mulher.

Fina d’Armada tece o seguinte comentário: “O que não deve ter passado pela cabeça de moralistas e seguidores é que algum dia algumas se erguessem e cumprissem a promessa de Paula da Graça, feita há 300 anos: “a todos hei-de tomar / conta igual das suas vidas”.

No entanto, muitos dos problemas enumerados por Paula da Graça ainda persistem, apesar dos avanços civilizacionais e das lutas que algumas mulheres têm vindo a implementar, de forma organizada. Porém, ainda falta quebrar muitas barreiras impostas às mulheres, que são mais de metade da humanidade.

António Salvado considera, assim, que talvez estejamos perante o 1º grito revolucionário feminista da nossa literatura.

bannerConceição

 

03
Ago18

O Assédio e a FIFA


umarmadeira

ARTIGO DE CLÁUDIO PESTANA

20180703-0402-01-580x400

A poucos dias da final do campeonato do mundo de futebol masculino sénior a FIFA recomendou aos produtores das principais estações televisivas que evitassem transmitir imagens de mulheres atraentes nas bancadas dos estádios. Assim que se começou a falar do assunto, confesso que não compreendi a diretiva pois não posso negar que uma mulher bonita num estádio de futebol chama a atenção dos olhares, quer sejam mais discretos ou não. Ainda assim fiz o que me competia e esmiucei as verdadeiras intenções daquele organismo e acontece que as razões prendem-se com um aumento substancial de casos de assédio sexual às mulheres durante o torneio e em especial às jornalistas que simplesmente estavam a cobrir o evento. Ora sobre esta díade (assédio/mulheres nos jogos de futebol) gostaria de tecer as seguintes considerações:

O futebol tem assistências de ambos os géneros e o aumento dos casos de assédio sexual durante o mundial de futebol pode estar relacionado com a tendência de televisionar as espectadoras mais bonitas nos estádios mas para se auferir esta possibilidade seria necessário efectuar-se um estudo e até ao momento desconheço a existência de um. Mais, a mulher, gorda, magra, alta ou baixa tem o direito de se sentir bem da forma que melhor entender e tem, naturalmente, o direito a se sentir bonita perante a sociedade. O problema do assédio é do homem que não sabe discernir um jogo de futebol e a sua sexualidade. O problema, em meu entender, nem sequer é da generalidade dos homens mas sim de uns quantos homo sapiens a quem ainda não se desenvolveu um neocórtex que lhes permita pensar e actuar como uma pessoa civilizada. Convenhamos, a evolução humana está ainda longe de ter chegado à maioria dos homens e infelizmente assiste-se a esta dominância da testosterona nas sociedades que se querem civilizadas. Ainda no decorrer deste mês, uma libanesa foi assediada no Egipto por dois arrumadores de carros e ao que parece até os condutores da Uber não foram muito diferentes, como se isto não bastasse a mulher criticou o país nas redes sociais e acabou por ser condenada a oito anos de prisão efectiva. Estes casos são preocupantes e merecem toda a atenção mas e aquelas mulheres que são vítimas de assédio longe das televisões!? A responsabilidade também cai sobre as mulheres que vão aos estádios? E as mulheres vítimas de assédio nas empresas onde trabalham? O problema do assédio não se prende, ou pelo menos não deveria se prender, com o facto de alguém estar a ver as pernas de onze homens a correr atrás de uma bola e assim que a imagem passa para a bancada a testosterona sobrepõe-se ao neocórtex ou às emoções do futebol.

Em suma, não creio que se resolva o assédio minimizando as aparições de mulheres bonitas nos estádios, como já referi anteriormente, o problema não é da mulher que gosta de se sentir bonita mas sim de alguns homens e da actuação da justiça que deixa a desejar e faz vista grossa quando o problema é o assédio!

bannerclaudio