Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Feminismos é Igualdade

08
Mar19

As Operárias foram as primeiras!


umarmadeira

ARTIGO DE GUIDA VIEIRA

operárias

Elas foram as primeiras a fazer greve. Elas foram as primeiras a se manifestar nas ruas. Elas morreram ao reivindicar melhores condições de vida e de trabalho. Elas saíram das empresas e vieram para as ruas gritar liberdade. Elas saíram das suas casas e quebraram tradições, tirando os lenços e os véus da cabeça, assumindo que também eram trabalhadoras. Elas deram a vida a novos sectores e foram um exemplo que nós recordamos neste 8 de Março.

As mulheres operárias, de quem hoje quase ninguém fala, – e quando falam é como se estivessem a lembrar um passado “atrasado” – foram pioneiras na luta pelos direitos das mulheres, que beneficiou muitas outras profissões. Raramente é feita uma homenagem a estas mulheres. Dizem que ser operária passou de moda. Eu tenho muito orgulho de ter sido uma delas que, no século XX, juntamente com outras camaradas de profissão e de luta, prosseguiu o desígnio da conquista de direitos muito importantes, que ainda beneficiam as novas gerações. É por isso que me indigna que, quando é apresentado um curriculum de uma pessoa (então, se for mulher, ainda puxam mais pelos galões), não se dá importância se é uma interventora social. Isso também passou de moda. Só se realçam os títulos de isto e daquilo que ganhou, como se os títulos mostrassem o caráter de uma pessoa.

Uma mulher ou um homem, quando é apresentado, nunca o é como operária/o porque, na visão de muita gente, ser operária/o não dignifica ninguém. Ninguém deve envergonhar-se da sua profissão. Na minha juventude, ser operária/o, era saber produzir algo de útil para a sociedade. Era conhecer um ofício. Os tempos evoluíram. As máquinas foram introduzidas e substituíram muito trabalho manual. No entanto, ainda são aa pessoas dos ofícios que chamamos para nos acudir quando uma das máquinas avaria, ou quando precisamos de um produto exclusivo, mostrando a importância do ser humano com conhecimento especializado. Estamos a viver noutra época. Hoje, quase toda a gente tem mais estudos e formação do que as operárias/os de outros tempos. Mas se existe este dia 8 de Março, foi porque operárias uniram-se e lutaram, mesmo sem currículos ricos e sem estudos, e ajudaram a que hoje o mundo do trabalho seja melhor, e contribuíram para o avanço da sociedade.

Existem novos problemas. Claro que sim. É preciso continuar a luta. Claro que sim. Vamos honrar a memória das que já partiram, lembrando a sua existência para que sirva de exemplo, e que o dia 8 de Março nunca morra nas memórias. Vale a pena nunca desistir e lutar por aquilo em que acreditamos. Eu continuo a acreditar que só lutando se conseguirá um mundo melhor e mais justo.

bannerGuida

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Sobre nós

foto do autor

Pesquisar

Siga-nos

Iniciativas diversas

Debate "A Nutrição e as Mulheres" 05/11/2018

Todas as fotografias aqui

Tertúlia "O impacto do 25 de Abril de 1974" 28/04/2019

Todas as fotografias aqui

Passeio de Verão UMAR Madeira 14/07/2019

Todas as fotografias aqui

Semana das Artes EcoFeministas, de 15 a 19/07/2019

Todas as fotografias aqui

43º Aniversário da UMAR 13/09/2019

Todas as fotografias aqui

Tertúlias Literárias

I Passeio dos Livros nos Jardins do Lido 03/08/2018

Todas as fotografias aqui

II Passeio dos Livros no Jardim de Santa Luzia 28/09/2018

Todas as fotografias aqui

III Passeio dos Livros na sede da UMAR Madeira 10/03/2019

Todas as fotografias aqui

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D