Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Feminismos é Igualdade

18
Mai20

O Significado da Solidão


umarmadeira

ARTIGO DE CARINA JASMINS

entendendo-a-solidao-1024x768

Resolvi escolher este tema e fazer uma reflexão. Embora a maioria das pessoas do Mundo tenha crescido com a companhia de família e amigos, a relação connosco próprios é construída especialmente nos momentos de solidão e reflexão, aprendendo a nos conhecer melhor através do silêncio. Aqui, a solidão não é examinada sob uma perspetiva negativa, mas sob uma visão positiva de que, em certas fases da vida, esses momentos servem para o nosso crescimento e aprofundamento, se realmente estivermos dispostos a aprender. E aqui mostro uma perspetiva particular, fruto das minhas próprias vivências que agora compartilho com vocês.

Antes, o tempo corria rápido, as horas disponíveis de um dia não chegavam para tudo o que havia para fazer, trabalhar, cuidar do filho, tratar das tarefas de casa, ir ao supermercado, ainda havia muitas mais, e os dias iam passando alucinantes, fazendo as tarefas a correr, muitas vezes sem colocar consciência naquilo que fazia. Às vezes, o tempo que sobrava para parar era gasto a pensar naquilo que ainda tinha para fazer, depois era dormir para que chegasse mais um dia e voltar à mesma velocidade.

Tive muitos momentos destes na minha vida, mas também tive muitos que mesmo sem querer, fui obrigada a parar, tanto por questões de saúde como situações de desemprego que se prolongaram, sempre tinha muita dificuldade em parar, em ficar comigo, fugia, não me sentia bem a sós comigo. Mas nesses momentos, especialmente em alguns em que me vi impossibilitada de poder andar, devido a um problema nas ancas com que nasci, sentia-me como uma âncora presa ao fundo do mar. Nesses momentos duros, fui mesmo obrigada a estar comigo e a lidar com todas as emoções e dores que tentava a todo o custo evitar. As dores físicas, durante muito tempo, eram tantas que mal conseguia pensar, apenas o que podia fazer era sentir.

Agora, ao olhar para esta experiência, vejo que o que precisava era de olhar para as minhas emoções e simplesmente sentir, tirando o foco dos pensamentos e da parte mental que ao longo dos anos tinha-se sobreposto. Quando não queremos que algo nos continue a magoar, muitas vezes, o caminho é virarmo-nos para a Mente e desligarmos o coração. Isso acontece para podermos, simplesmente, sobreviver porque as emoções são avassaladoras, mas esse não é o caminho que nos faz feliz, temos que voltar a religar.

E por quê falo nisto? Porque nessas alturas parei e o mundo continuou na sua corrida contínua e louca, e eu de facto sentia-me parada, como se estivesse a perder tempo e, muitas vezes, sentia-me inútil, mas no fundo estava a fazer uma grande aprendizagem sem perceber, só agora entendo o significado de tantos momentos forçados de paragem.

Quando surgiu esta situação, primeiro de epidemia e depois de pandemia, no início, sou sincera, pensei que seria mais uma situação como a gripe A e não lhe dei a devida importância. Com o tempo, percebi que não se tratava de mais um aviso, mas desta vez seria mesmo a sério.

Quando fomos chamadas/os a ficar em casa, em confinamento, pensei que se me sentisse aflita, simplesmente pegava no carro e ia dar uma volta para desanuviar. No entanto, para meu espanto, essa vontade não surgiu. Eu, desta vez, tinha parado, mas o Mundo tinha parado comigo, era como se tudo abrandasse, até o dia parecia ter mais horas, até o respirar com o tempo tornou-se mais lento e consciente, a serenidade era surreal, os carros já não passavam a correr na estrada, ouvia-se nitidamente o som dos pássaros. Nem na minha imaginação mais exacerbada poderia pensar viver um momento assim.

No momento inicial foi esta a sensação, mas com o passar do tempo começaram a aflorar emoções e sentimentos, lembrando que ainda havia limpezas interiores a fazer, tinha que voltar para dentro, abrir velhos baús, onde surgiam emoções guardadas, padrões que se repetiam e tudo o que podia fazer era olhá-los com coragem para que os pudesse resolver dentro de mim.

Neste momento de confinamento, estranhamente surgiu a vontade de cuidar das plantas que eram da minha querida avó, e digo estranhamente porque, embora ame a Natureza, nunca fui muito dada a cuidar de plantas, nunca achei que tivesse muito jeito. Minha avó dizia com alguma tristeza “Quando me for embora, as minhas plantas vão morrer todas” e eu dizia-lhe “A avó ainda vai viver muitos anos para cuidar das suas flores”. A minha vontade era que a minha avó estivesse sempre ao meu lado, mas sabia que um dia iria perdê-la.

Arranjei os vasos e a terra e, aos poucos, fui mudando vasos que estavam partidos, o meu filho ia ajudando, brincando com a terra, mas passado algum tempo cansava-se e ia buscar outra coisa para fazer. Nos meus pensamentos, enquanto arranjava os vasos, pensava na minha avó e dizia-lhe em pensamento “Avó, estou a cuidar das tuas plantas, como tanto querias, espero que gostes”. E, nesses momentos, sentia-me ligada à minha querida avó, que tanto amor me deu. Nesse momento a sós, podia senti-la e sentir também o seu amor. A maior herança que deixamos no Mundo é o Amor que partilhamos, tudo o resto se desfaz com o tempo.

Foi neste momento de confinamento que pude ter esta experiência e outras mais, muitas vezes nesta solidão, a relação connosco próprios cresce e fortalece-se. Esta paragem faz com que nos possamos ligar ao que realmente interessa. Aprendemos a dar valor às coisas simples, um abraço, um pequeno gesto, o saborear de um café e de um pão quente, coisas que eram garantidas e nos passavam despercebidas antes do confinamento.

Infelizmente, foram após grandes catástrofes que caíram sobre a Humanidade, que foram realizadas as mais profundas reflexões e mudanças. Um exemplo é a criação da ONU após a 2ª Guerra Mundial. Nestes momentos são necessárias reflexões para a mudança, queda de velhos paradigmas com os quais o mundo ainda é governado, maneiras de viver e de pensar que já não funcionam, sem consciência. Acredito que tudo isto sucumbirá perante os novos tempos que se avizinham.

Talvez seja uma sonhadora, mas acredito com todo o meu coração, que o Mundo se tornará um lugar melhor, mais consciente, um lugar de diversidade, onde se respeita e se honra a individualidade de cada um/a. Poderá levar muito tempo, mas acredito que esse mundo já esteve mais longe de chegar.

Esta foi parte da minha experiência que partilho agora convosco. Outros terão outras experiências e outras maneiras de ver e pensar sobre este momento que atravessamos. E está tudo bem e tudo certo, cada um tem a sua experiência, somos aproximadamente 7,5 mil milhões de habitantes neste planeta, cada um/a com a sua própria visão única deste mundo, somos todos/as diferentes, mas, ao mesmo tempo, iguais na nossa matriz.

É por isso que o mundo é maravilhoso e rico na sua diversidade porque cada ser humano é único e tem algo também único para trazer ao mundo. Trazemos essa unicidade para o exterior cada vez que nos aprofundamos e nos conhecemos melhor.  Na viagem maravilhosa ao nosso interior, percorremos caminhos de solidão onde toda a experiência que vivemos no exterior é refletida e incorporada.

bannerCarinaJ

 

Sobre nós

foto do autor

Pesquisar

Siga-nos

Iniciativas diversas

Debate "A Nutrição e as Mulheres" 05/11/2018

Todas as fotografias aqui

Tertúlia "O impacto do 25 de Abril de 1974" 28/04/2019

Todas as fotografias aqui

Passeio de Verão UMAR Madeira 14/07/2019

Todas as fotografias aqui

Semana das Artes EcoFeministas, de 15 a 19/07/2019

Todas as fotografias aqui

43º Aniversário da UMAR 13/09/2019

Todas as fotografias aqui

Tertúlias Literárias

I Passeio dos Livros nos Jardins do Lido 03/08/2018

Todas as fotografias aqui

II Passeio dos Livros no Jardim de Santa Luzia 28/09/2018

Todas as fotografias aqui

III Passeio dos Livros na sede da UMAR Madeira 10/03/2019

Todas as fotografias aqui

Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub