Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Feminismos é Igualdade

29
Jun21

Enquanto esfregas um olho, a liberdade vai-se!


umarmadeira

ARTIGO DE CLÁUDIO TELO PESTANA

liberdade

Não é segredo nenhum que a política faz já parte do meu percurso e dos meus interesses diários. A política, essa nobre causa, deveria ser praticada por via de uma dose generosa de bom senso e, igualmente, levada a cabo por homens e mulheres de bem, honrosos e capazes ao nível técnico e humano. Que reconheçam as limitações daquilo que governam e com o foco no único objetivo de fazer mais e melhor do que aquilo que outrora era o estado das coisas. Conheço algumas pessoas que congregam em si estas capacidades únicas e elas estão espalhadas, e divididas, da esquerda à direita. Lamento profundamente que assim os ideais nos dividam a todos quando juntos poderíamos fazer do mundo um lugar melhor e não, não falo de utopias, falo de possibilidades imensas de mudar o que nunca se conseguiu mudar, sem cores, sem divisões, sem partidos. Talvez seja por isso que reconheço cada vez menos legitimidade partidária num país cada vez mais dividido pelos partidos. Nem os consigo contar. São já uma panóplia considerável de coisa nenhuma com um propósito comum e transversal, preencher o sentimento de pertença!

Ah, muito mais aliviado agora que escrevi o que queria dizer. No entanto, com este acordo prévio introduzo o tema central deste meu artigo, e mísero contributo para a causa feminista, a Turquia retirou-se do tratado internacional de direitos humanos, em particular das mulheres e raparigas, mais conhecido por, pasmem-se, Convenção de Istambul. Dito de outra forma, a Turquia retirou-se de um tratado internacional que tinha o nome de uma das suas mais emblemáticas cidades. Erdogan, pessoa por quem não nutro nenhum tipo de simpatia fez questão de se retirar do tratado sem qualquer explicação o que causou ao novo Presidente americano, Joe Biden, alguma estranheza e tristeza. A retirada representa um tremendo golpe nos direitos universais das mulheres e as causas continuam, misteriosamente, inexplicáveis. Canso-me de dizer aos meus filhos, em especial à minha filha de apenas 14 anos, que nunca devemos dar por garantidas as nossas liberdades, sejam elas quais forem. Não se trata de um comportamento comunista mas de uma aceção de que vivemos uma realidade com algumas garantias muito frágeis onde a qualquer momento o mundo está ao contrário. De Erdogan não se pode esperar um contributo valoroso para a manutenção de direitos universais, mas pelo contrário, como esta retirada demonstrou. A qualquer momento um homem ou mulher de princípios pode ser corrompido, a qualquer hora um homem ou uma mulher com poder se reúne dos mais pérfidos assessores e pode encaminhar a sua governabilidade para o desastre, a qualquer minuto, uma ideia pode ser implantada maquiavélica é implantada na mente de quem governa. Resta-nos a obrigatoriedade da vigilância permanente.

Devemos todos, em plena consciência, ter o dever de não adormecer em liberdade!

bannerclaudionovo

 

16
Jun21

Mural da História


umarmadeira

ARTIGO DE MADALENA SACRAMENTO NUNES

 

Hoje venho falar-vos de um livro maravilhoso que se chama “Mural da História”. Foi escrito pela Carolina Caldeira e ilustrado pela Raquel Marques. Faz parte de um projeto que vai envolver pelo menos um muro (daí o nome “mural”), que será intervencionado artisticamente com uma das histórias que fazem parte do livro. Podem pensar que o livro é para crianças. E é. Mas também pode ser lido por pessoas adultas, pois tudo o que ele contém nos ajuda a refletir sobre a importância que as mensagens das “inocentes” histórias infantis passam, bem como sobre o papel que esses contos tiveram e têm nos comportamentos das meninas, das raparigas e das mulheres ao longo de muitas gerações, levando-as a acreditar que para terem sucesso devem esperar passivamente por um príncipe encantado, vivendo para ele e por ele, esquecendo-se delas próprias.

No “Mural da História” podem então ler e pintar novas e divertidas versões de contos infantis bem conhecidos. Já ouviram falar da Rapunzel? Aquela rapariga com longos cabelos arranjados numa looooongaaaa trança, que vivia numa torre à espera de um príncipe que a salvasse? E a Gata Borralheira, conhecem? A Carochinha, aquela que ficava à janela à procura de alguém com quem casar? Lembra-vos alguma história? E que tal a Princesa da ervilha, aquela que era mesmo tão, mas tãããããooooo PRINCESA que sentia uma ervilha na cama, mesmo que por baixo de um monte de colchões?

Pois agora têm a oportunidade de conhecer todas estas personagens femininas, em versão século XXI!!! São meninas que sabem quem são e do que gostam, que lutam contra os seus medos e partem rumo à aventura, para concretizarem os seus sonhos. E de que maneira o fazem! E que atraente é esta leitura, com desenhos lindos prontos a serem coloridos, com textos divertidos, com morais da história empoderadores e com espaço no fim de cada conto para que cada leitora ou leitor escreva ou desenhe o que lhe vai na alma, quando lê estas aventuras e sonhos concretizados.

Os contos de fadas com princesas e príncipes reproduzem a ideia de que as mulheres devem ser submissas, passivas, doces, obedientes, resignadas e humildes. Se forem bonitas têm mais hipóteses de casar com um príncipe encantado que as cuidará e alimentará, garantindo a sua subsistência. Daí terem de viver para a aparência física, usando a máxima “sofrer para ser bela”.

Neste “Mural da História”, Carolina Caldeira e Raquel Marques ajudam-nos a desconstruir estes estereótipos, redefinindo os papéis das mulheres e permitindo uma visão crítica da sociedade e das suas regras, adaptando histórias mágicas e tradicionais à realidade atual, sem eliminar a magia e o sonho. Estamos perante personagens femininas que lidam com o seu contexto, com os seus medos e que lutam pelos seus sonhos, avançando com o que têm à sua volta e tirando o melhor partido da análise que fazem ao seu contexto. Elas têm voz e usam-na para se afirmarem.

Parece-me que se têm crianças podem ler com elas estas histórias, divertirem-se e ajudarem a quebrar o feitiço que, ao longo de séculos, transformou as mulheres em seres pouco inteligentes e pouco poderosos que só conseguiriam encontrar a felicidade através do casamento.

O livro foi editado pela CADMUS, com o apoio da Câmara Municipal do Funchal. Custa 10€. O projeto pode ser consultado aqui: https://www.projetomuraldahistoria.com. No fim do mês, podem ir ver o mural que a Carolina Caldeira e as crianças estão a desenhar na escola do Livramento, no Funchal.

bannerMadalenanovo

 

02
Jun21

Pandemia e desigualdade de género


umarmadeira

ARTIGO DE ASSUNÇÃO BACANHIM

6044a3c99735c

Nos últimos meses, algumas Instituições têm abordado em órgãos de comunicação social, vários problemas muito sensíveis que afetam dum modo particular as Mulheres, tais como serem as mais afetadas com o desemprego, na qualidade do emprego, no teletrabalho, na desigualdade salarial, nos baixos salários, com reflexos na baixa natalidade, na conciliação dos direitos da maternidade, na exclusão social.

O drama da escravidão das/os trabalhadoras/es imigrantes, no aumento da pobreza, pessoas que mesmo trabalhando vivem abaixo do limiar da pobreza, no aumento da violência doméstica e, ainda, de várias Mulheres de profissões diversas a assumirem publicamente terem sido assediadas; artistas, advogadas, jornalistas, psicólogas, estudantes, enfermeiras, economistas etc., a contarem o que sofreram e sofrem com o assédio sexual no trabalho, na rua, na noite, na praia, nos transportes, etc.

A Presidente da Comissão Europeia também se sentiu discriminada, aquando da sua deslocação à Turquia, por ser a primeira Presidenta a não ter cadeira para que se pudesse sentar, pois as cadeiras eram só para os homens, tendo ficado chocada.

Não menos verdade, e também visível, é que, com a pandemia, a maioria das famílias perdeu grande parte dos seus rendimentos e mais de metade dos madeirenses admitem dificuldades financeiras, tornando-se claro que os salários em Portugal e na Região são reconhecidamente muito baixos. Estávamos todas e todos com alguma expectativa que da cimeira social a realizar-se em Portugal, face a todo este quadro, saíssem respostas para alguns destes problemas, mas a conclusão que tirei é que foi uma cimeira de meias tintas, num momento Histórico, todos bem-intencionados mas com resultados nulos. Porque a resposta é nada, não há nenhuma medida concreta. O que saiu foi um conjunto de princípios gerais sem poder vinculativo, ficando ao critério de cada país a sua aplicação ou não. Por outro lado, a União Europeia tem vindo a abordar estes problemas, mas sobre a igualdade salarial de género, para que torne obrigatório a adoção de medidas de transparência sobre esta matéria, até aqui as diretivas europeias resultam apenas em recomendações. Nos últimos dados estatísticos tornados públicos, as mulheres ganham menos 14,4% em relação aos homens, mas é nas grandes empresas que mais se sente, ficando a diferença em 26%.

Não menos verdade é que é do conhecimento público que o Comité de Direitos Humanos do Conselho da Europa já concluiu que Portugal tem violado a carta dos direitos sociais da organização por falta de progresso em alcançar a igualdade salarial entre Mulheres e Homens.

Face a tudo isto, é claro que as Mulheres estão mais frágeis perante a pobreza, ocupam ainda uma pequena percentagem de cargos de maior poder, apesar de representarem mais de metade da população, ocupam ainda um número pequeno de assentos nos parlamentos, sofrem mais violência doméstica e ocupam a maior parcela de empregos precários.

É caso para dizer que esta pandemia é como uma guerra oculta contra as mulheres. Se não forem tomadas medidas, a COVID 19 pode apagar uma geração de frágeis avanços em direção à Igualdade de Género, isto porque torna-se visível a desigualdade neste contexto de pandemia.

Como se tudo isto já não bastasse, o aumento da violência doméstica reflete uma realidade alarmante, que com a pandemia se agravou no período do confinamento. É urgente por um fim a este horrível flagelo contra Mulheres e crianças. É fundamental uma mudança, mas só será possível se todas e todos unirmos esforços e atuarmos com determinação para atingirmos a Igualdade e justiça. As ações que forem tomadas determinarão as expectativas, não apenas da atual geração de Mulheres, mas também das gerações futuras.

bannerassuncaonovo

 

17
Mai21

Produtividade: salve-se quem puder.


umarmadeira

ARTIGO DE VALENTINA SILVA FERREIRA

produtividade

Naquela manhã, uma mulher deixou a filha dentro do carro. Quando se lembrou, já era demasiado tarde. O espaço público encheu-se de moralismos e, em bicos de pés, apontaram-se dedos à mãe, à malvada, quem é que esquece uma filha dentro do carro um dia inteiro?

Somos seres humanos, corpos que carregam outras pessoas dentro, ansiedades e medos, milhares de informações, necessidades e desafios. Somos pessoas do século XXI, com o que isso tem de bom e de mau, absorvidas pela tecnologia cada vez mais superior àquilo que achamos conseguir acompanhar, absorvidas pelo trabalho e pelo capital. Somos os seres que parecem competir sobre quem dorme menos, quem trabalha mais horas, quem está permanentemente ligado, quem produz mais, quem tem a melhor ideia, quem dá mais às causas, quem tem mais problemas de saúde. Somos os bichos mais estranhos do planeta porque, enquanto os outros animais parecem levitar sobre o tempo – mesmo os que têm uma curta esperança de vida – nós queremos ser mais rápidos que o tempo, queremos que as 24 horas se traduzam em 48 e, no fundo, não vivemos na pressa de viver tudo.

Naquela manhã, uma mulher era uma destas pessoas, uma destas tantas pessoas. Não a conhecendo, imagino que estivesse absorvida pelas suas tarefas, que alguma coisa na rotina se tenha alterado, que problemas a afligissem. Imagino que tivesse contas para pagar, dilemas para resolver, planos para cumprir. Imagino que tenha dormido pouco, que tenha trabalhado horas a mais, que estivesse permanentemente ligada, que quisesse produzir mais, que quisesse ter a melhor ideia, que quisesse dar mais às suas causas. Imagino, também, que ame profundamente a filha que perdeu e, no meio do fazer-se valer enquanto pessoa do século XXI – trabalha!, pensa!, dorme pouco!, faz mais! – esqueceu-se do mais importante: o cuidar-se e, com isso, alargar o cuidado aos seus. Imagino, quase na certeza, que o calvário que enfrenta agora é pior que qualquer outra coisa. Haverá espaço para uma mulher feliz na mãe que morreu ali?

Eu não tenho crianças sob a minha responsabilidade. No cenário da minha vida, não consigo conceber espaço, tempo e segurança emocional para cuidar de uma. Admiro as mulheres que enfrentam a maternidade enquanto se digladiam com outras responsabilidades – e também os homens que enfrentam a paternidade, embora saibamos que é ainda sobre a mulher que recaem as maiores dificuldades. Não tenho filhos ou filhas, mas sei que, se os/as tivesse, eu poderia muito bem ser, naquela manhã, a mulher que deixou a filha dentro do carro. E quando me lembrasse, já seria demasiado tarde, e o espaço público encher-se-ia de moralismos para, em bicos de pés, apontar-me os dedos, a mim, a malvada, quem é que esquece uma filha dentro de um carro um dia inteiro?

Precisamos de mudar isto. Precisamos de deixar de competir e passar a cooperar. Sermos uma equipa. Um conjunto de seres que caminham para um mesmo objetivo, o da felicidade e da justiça. Precisamos de parar de exigir de nós e dos outros o que prejudica o coletivo enquanto humanidade. Humanidade: haverá produtividade exacerbada que a salve? Pelo que vou compreendendo, a continuar assim, acabaremos todas/os doentes, desgastadas/os, divididas/os e confusas/os. Que não seja o salve-se quem puder.

E, hoje, já viveram?

bannervalentina1

 

22
Mar21

Mulheres na política e na vida pública


umarmadeira

ARTIGO DE MADALENA SACRAMENTO NUNES

thumbs.php

Em política, quando se fala de igualdade entre homens e mulheres, tendemos a olhar para a presença delas nos parlamentos, nas assembleias, nos executivos, etc. Contam-se quantas lá estão (não interessa o lugar ou a função) e apregoa-se que se implementou a paridade. Na minha opinião, nada mais falso e enganador. É importante que as mulheres entrem na política, claro. Mas para que a sua ação seja influente e decisória é necessário que os papéis que lhes são atribuídos sejam importantes e não meros adornos. É fácil de verificar que muitas delas entram nesses lugares simplesmente para preencher espaço sem relevância e calar vozes que defendem essa mesma participação igualitária na vida dos territórios regionais, nacionais, europeus. Façam um exercício e olhem com lentes mais críticas para algumas realidades que nos cercam:

  • Quantas vezes são elas escolhidas para serem porta-vozes (parlamentares ou outros)?
  • As pastas que lhes são atribuídas mantêm os estereótipos femininos, apresentando-as como as melhores pessoas para as funções sociais de cuidadoras ou educadoras?
  • Que orçamentos são adstritos às suas áreas?
  • Quantas estão em comissões consideradas verdadeiramente importantes e com visibilidade mediática?
  • Quando se constituem comissões consideradas decisivas para o país ou região, que equilíbrio de género lá existe?
  • Quando se dá visibilidade ao trabalho desenvolvido por elas, quem aparece na comunicação social a apresentá-lo?

Falar em igualdade de género fica sempre bem e dá imenso jeito. Ser consequente já custa mais, pois implica ser verdadeiramente defensor ou defensora desses princípios, abdicando da ânsia de protagonismo e poder. E isso não é fácil. Os partidos políticos são importantes como fatores de participação das mulheres na vida pública. Contudo, também devem constituir-se como instrumentos que promovem as mulheres a cargos de decisão. Penso que nos lembramos de Rui Rio afirmar que em mais de cem câmaras o PSD só escolheu 3 mulheres para presidentes de câmara (!!!) porque elas não aparecem!!! Se olharmos para a composição atual da Câmara Municipal do Funchal, chegamos à conclusão de que em reunião de câmara existem mais mulheres (6) do que homens (5). Contudo, também aqui convém olhar com atenção e perceber por que razão isso aconteceu. Elas estavam em lugares dificilmente elegíveis e só subiram porque os homens que estavam à sua frente desistiram.

Observem os programas das televisões e verifiquem quantas mulheres são convidadas para falarem como especialistas ou como pensadoras da política regional, nacional ou internacional. Muito poucas. São sempre eles os escolhidos. Quer sejam especialistas ou não. Ninguém questiona.

Para que estas coisas mudem é necessário que quem acredita na democracia representativa faça ouvir a sua voz, seja homem ou mulher, partido político ou órgão de comunicação social. Criticar. Escrever. Falar. “Fazer barulho”. Tudo isto é importante. Só assim as mulheres poderão vir a estar representadas na vida pública e política em termos paritários e correspondentes à sua proporcional presença na população portuguesa (52,8%).

Não esqueçam que hoje em dia há um movimento cada vez mais intencional que defende o regresso das mulheres ao “lar”. Tal como escrevi no meu primeiro artigo para a UMAR Madeira, “A única coisa que cai do céu é chuva. O resto é luta!”

bannerMadalenanovo

 

02
Mar21

Consequências da pandemia!


umarmadeira

ARTIGO DE ASSUNÇÃO BACANHIM

covid-violencia

Neste já longo período da pandemia covid-19, as mulheres têm vivido momentos de grande stress e ansiedade, sendo confrontadas com muitas informações sobre a pandemia. Algumas verdadeiras, outras nem tanto, aparentemente com o intuito de confundir e baralhar as pessoas menos esclarecidas, e menosprezar a gravidade da pandemia que se abateu sobre a Humanidade. Ao longo deste período, muitas/os perderam as suas vidas, outras/os ficaram sem meios para viver com alguma dignidade: perderam o emprego, a sua habitação e os seus rendimentos, com graves consequências para as suas famílias.

Com o evoluir da pandemia e as suas medidas de confinamento, muitas famílias viram-se sem meios para sobreviver, sendo obrigadas a recorrer a Associações, IPSS e Juntas de Freguesias, etc.. Precisam de auxílio para poderem ter comida na mesa. Outras, nas suas casas, mesmo com grandes dificuldades, mas envergonhadas, porque nunca pensaram que algum dia seriam confrontadas com a pobreza e miséria, pois essa situação só acontecia a outras pessoas. Chegar ao fim do mês e não ter meios para pagar as suas despesas era impensável.

Por outro lado, algumas Mulheres sentem alguma revolta por haver pessoas sem escrúpulos a se aproveitar da pandemia. Enquanto aumenta o desemprego e a pobreza, cresce o número de milionários, que esvaziam os direitos de quem trabalha e aumentam o trabalho precário, baixam salários e ameaçam com despedimentos das e dos que mais sofrem com esta pandemia. Incentiva-se o drama do teletrabalho para milhares de mães e pais com crianças a cargo, com o novo confinamento, onde o governo insiste em manter um regime que deixa as pessoas entre a espada e a parede. Muitas mulheres são forçadas a acumular o teletrabalho com assistência às crianças, situação que provoca stress laboral, instabilidade emocional e intranquilidade familiar. Toda esta crise tem escancarado cada vez mais desigualdades na partilha de tarefas. As mulheres são as mais sacrificadas com esta pandemia. As consequências do teletrabalho têm uma dimensão na igualdade de género.

A crise social vai deixando as pessoas desesperadas, porque não são momentos propícios à socialização, à convivência que nos aproxime enquanto seres humanos. No que toca à violência doméstica, contra mulheres e crianças, o próprio confinamento e com as crianças fora da escola é propício a essas situações de agressão, dificultando a queixa.

Embora tenha havido ao longo dos últimos anos algum trabalho de consciencialização sobre a criminalidade dentro de casa, ainda morrem muitas mulheres, muitas crianças são vítimas de violência e, como se ainda não bastasse, somos um dos países que pior tratam as pessoas idosas.

Há ainda um longo caminho a percorrer na prevenção, sendo muito importante a disciplina de ensino para a cidadania. Há que continuar a luta por uma justa distribuição dos rendimentos que garantam a solidariedade, protejam os direitos das crianças e promovam a justiça social.

bannerassuncaonovo

19
Jan21

Vermelho em Belém: As eleições mais importantes da história da democracia portuguesa?


umarmadeira

ARTIGO DE MARGARIDA PACHECO

destaque_vermelho_em_belem_destaque_central_esquerda

Falta menos de uma semana para as eleições presidenciais e estamos todos/as, novamente, em confinamento obrigatório.

No dia 24 de janeiro, iremos ter respostas a vários questionamentos que, enquanto sociedade, tivemos ao longo do último ano. Será que a pandemia nos ajudou enquanto sociedade a compreender que há grupos sociais privilegiados? Será que nos tornamos uma sociedade mais empática e mais sensibilizada para compreender que a pandemia não está a afetar todos/as da mesma forma? Será que estamos mais consciencializados/as para os vários problemas sociais do nosso país? No próximo domingo teremos estas respostas! Num período eleitoral, em que o mundo está a passar por uma crise sanitária de que não há memória no mundo moderno, em que todos/as nos sentimos cansados/as, preocupados/as, estamos a assistir ao crescimento da extrema direita em Portugal.

Termos um candidato à presidência que é machista, misógino, racista e homofóbico, que defende que há “portugueses do bem” e “os outros portugueses”, que acha que o corpo das mulheres é um espaço público em que os homens podem tomar decisões e tecer comentários depreciativos sobre o aspeto físico. Uma pessoa que defende ideias conservadoras e fascistas é antidemocrático. Será possível que este partido tenha tantos/as apoiantes? Na realidade existem, e são todos/as aqueles/as que aceitam e concordam com as ideias machistas, racistas e homofóbicas deste partido. Pessoas que defendem que o feminismo não é necessário, porque as mulheres querem é ser superiores aos homens, que ser homossexual é moda e que o sistema não é racista, só existem algumas pessoas racistas. 

Votar é essencial em democracia, mas este ano, que a nossa democracia, liberdade e igualdade é posta em causa, é necessário votarmos por todos/as nós, porque todos/as nós somos portugueses/as, mas o mais importante todos/as nós somos seres humanos iguais em Direitos!

A necessidade da recente campanha nas redes sociais #vermelhoembelém relembra que os direitos das mulheres nunca estão garantidos. Temos de estar todos/as na luta, não só na luta pelos direitos das mulheres, mas na luta por todos os grupos sociais que ainda sofram da opressão, discriminação e do preconceito em Portugal.

Estaremos aqui para enfrentar o futuro, sempre com a esperança de um mundo melhor, numa sociedade mais igualitária para todas as pessoas. E sempre na luta, no ativismo para que todas as pessoas tenham os seus direitos garantidos para uma vida digna, sustentável e saudável.

Votem com consciência! Votem com a importância de #vermelhoembelém. Não deixemos os//as outros/as decidirem por nós.

bannerMargarida

28
Dez20

Precisamos de todas!


umarmadeira

ARTIGO DE MADALENA NUNES

artigo maddalena

Aqui há dias vi um cartoon, cujo autor desconheço, que mostrava um pai a perguntar à filha pequenita: “Neste Natal queres uma boneca que chora?” ao que a miúda responde: “Não, quero uma que lute pelos seus direitos!”.

No passado dia 21 de dezembro, após a apresentação para discussão e votação do Plano Municipal da Igualdade do Funchal, tivemos oportunidade de ouvir alguns lugares comuns e politicamente corretos sobre “igualdade”. Ao fim de duas intervenções, um deputado pede para usar da palavra e vocifera que estas questões são baboseiradas. Que se ele quiser fazer um partido só de homens, que o deve poder fazer. Idem para um partido só de mulheres. Linguagem inclusiva é baboseirada e ridicularia, acrescenta ele. Perante tamanha veemência e irritação, vários deputados e deputadas do PSD e do CDS riem a bandeiras despregadas. Alguns vereadores e vereadoras também. Um deputado do Grupo Municipal Confiança, ao ouvir este discurso, diz que o deputado é um troglodita, ou algo assim, não me lembro bem. É logo invetivado em alta vozearia pelo grupo do PSD, sobre quem é ele para dizer uma coisa dessas! Do lado do PSD fui questionada sobre o que faz a vereadora com o pelouro da igualdade quando uma junta de freguesia do Funchal tem uma maioria de homens no seu elenco. Quando questionado sobre o que faz ele junto do seu partido que está no poder há mais de 40 anos e não aplica a lei da paridade no parlamento regional, não responde. Lembro que estávamos a falar de um direito previsto na Constituição da República Portuguesa, mas que parece não valer nada aos olhos de muitas pessoas com responsabilidades políticas, servindo só para chacota e enxovalho.

Anotei duas coisas durante esse debate (devo dizer que anotei mais umas, mas não as vou explanar aqui…):

1 - que efetivamente as questões da igualdade não estão confinadas a um setor político. Foram defendidas nessa mesma Assembleia Municipal pela deputada da CDU, Herlanda Amado, pela deputada do CDS, Carla Batista, pela deputada do PS do Grupo Municipal Confiança, Elisa Seixas e pelo grupo municipal da Confiança;

2 – que efetivamente muitas pessoas e partidos políticos consideram que a igualdade entre homens e mulheres é um frete que por enquanto terão de engolir, mas que esperam ver desaparecer brevemente.

Vivemos numa sociedade machista e patriarcal. Aquilo a que assistimos na Assembleia Municipal do Funchal, que tem todos os partidos lá representados, foi uma eloquente amostra. Só com uma ação conjunta e determinada de homens e mulheres é que poderemos defender a construção de um país gerido de forma paritária e que enquadre na sua gestão uma visão do mundo em que os valores da igualdade e da não discriminação estejam presentes em todos os momentos. O direito à igualdade só é um direito adquirido até o dia em que desaparece. E isso pode acontecer. Por isso, no fim de mais um ano, apetece-me agradecer a quem luta diariamente por um mundo em que homens e mulheres são tratados de forma igual e que lutam pela não discriminação. Vou mencionar algumas mulheres neste final do ano de 2020. Os homens são muito importantes nesta causa, mas vou só nomear algumas mulheres. Eles que me desculpem. E as que não estão aqui nomeadas, que me perdoem.

Obrigada, Elisa Seixas, Carla Batista, Herlanda Amado, Guida Vieira, Carla Abreu, Conceição Pereira. Obrigada, Rosa Monteiro, Graça Freitas e Marta Temido. Obrigada Maria Velho da Costa, Helena Ferro de Gouveia, Bárbara Reis, Maria João Marques. Obrigada, Catarina Ferreira, Sandra Nóbrega, Catarina Faria, Luísa Paolinelli, Paula Erra, Violante Saramago Matos, Cátia Pestana. Obrigada, Ana Gomes e Marisa Matias. Obrigada, Angela Merkel, Kamala Harris, Ruth Bader Ginsburg, Karima Baloch. Obrigada, UMAR Madeira. Obrigada, Mulheres Socialistas. Obrigada blogs e páginas de feministas e de direitos humanos. Obrigada a todas as mulheres anónimas que no seu espaço nunca desistem e não se calam, lutando para que a sua ação não seja tornada invisível e anulada. Precisamos de todas! Bom 2021!!!

bannerMadalenanovo

 

07
Dez20

Sou mulher, e a minha cabeça não é uma máquina!


umarmadeira

ARTIGO DE VALENTINA SILVA FERREIRA

Sem Título

Apesar de os problemas mentais serem bastante elevados em ambos os géneros, vários estudos feitos nos últimos anos apontam que é a mulher quem sofre mais desse flagelo.

Às meninas, desde cedo, é impingido que o modelo de perfeição são as princesas representadas nos desenhos animados e as bonecas, nomeadamente a famosa Barbie, que apresenta um corpo de medidas surreais e inalcançáveis. Para além disso, a maioria dessas figuras reproduzem “mulheres” brancas e de cabelos lisos, com muita valorização para os contornos harmoniosos do rosto e do corpo, a pele perfeita e roupas caras. Esta imagem de esmero persegue as jovens na pré e na adolescência, e não são raras as vezes que, em conversa com meninas, muitas referem que querem seguir a carreira de modelo. Que cabeça aguenta isto?

Ao longo da vida, o desejo pela vida perfeita, pela família exemplar, pelo corpo padrão, pelo cumprimento de objetivos como se a vida fosse uma meta a alcançar – impostos pela sociedade! - pode levar, assim, ao desenvolvimento de problemas mentais, como a ansiedade, ataques de pânico, depressões, esgotamentos e, muitas vezes, a um cocktail de várias doenças psiquiátricas, outras ainda mais graves. Que cabeça aguenta isto?

A mulher, ao entrar no mercado de trabalho, enfrenta mais uma série de contrariedades: ganha, em média, menos que os homens, mesmo que tenha igual função e produtividade; é vítima de assédio sexual e moral e corre o risco de não alcançar os seus objetivos profissionais caso engravide. Que cabeça aguenta isto?

Elas são sobrecarregadas com o trabalho, com as lides domésticas, com os problemas familiares, com os problemas do mundo e com os seus próprios dilemas pessoais, numa avalanche de acumulações que vão pesando ao longo da vida. Que cabeça aguenta isto?

A maternidade não é o mar de rosas que a sociedade insiste em promover. A gravidez é, normalmente, apreciada como um período de bem-estar emocional para a mulher. Porém, para muitas delas, a gravidez e a maternidade são momentos de maior vulnerabilidade a distúrbios psiquiátricos, como a depressão pós-parto. Que cabeça aguenta isto?

E para as que não querem engravidar aparecem os dedos apontados, as insinuações, as insistências e as acusações. Que cabeça aguenta isto?

A mulher idosa enfrenta questões relacionadas ao preconceito, à marginalização e à subalternidade. Não bastando o ato de envelhecer ser, para quase todos/as, um processo de autorreconhecimento, aceitação e algum sofrimento, envelhecer, para a mulher, acresce o cunho histórico do patriarcado que afeta, fortemente, esta fase da vida. A acentuação das diferenças em papéis de género origina, assim, estereótipos de masculinidade e feminilidade, assentes em diversos pressupostos: a própria personalidade – condicionada pela sociedade -; os papéis desempenhados pela mulher no trabalho e no lar, a identidade sexual, fortemente influenciada pelo dogma masculino; as histórias de vida que figuram um momento sócio histórico; as vis representações do corpo e as pressões da publicidade no que diz respeito à estética do envelhecer e à busca da juventude. O corpo feminino, na sua juventude, é encarado como local sagrado da conceção. A menopausa encerra esse ciclo e, ao mesmo tempo, parece marcar um fim: é como se apontássemos o dedo à mulher e lhe disséssemos que a sua própria sexualidade deverá ser aposentada a partir desse momento, mas, ao mesmo tempo,  à mulher é imposta uma obrigação de salvamento do corpo jovem e belo, para que esta não sofra uma rejeição social. Que cabeça aguenta isto?

O machismo latente na sociedade é consequência para a prevalência de doenças psiquiátricas nas mulheres (e pelo abafamento, diga-se, desses mesmos problemas no sexo masculino, porque o homem ainda está colado à imagem de força e independência, sendo olhado como fraco e inferior caso não obedeça a esse padrão social). A doença psiquiátrica, seja ela qual for, é, admitamos, um grave problema do século XXI, destruindo a qualidade de vida de quem a sofre e dos seus pares.

Somos mulheres e a nossa cabeça não é uma máquina. Desconstruamos esse pensamento e abracemos com empatia, respeito e consideração aquelas (e aqueles!) que passam por momentos destes, independentemente do que despoletou, oferecendo a nossa ajuda e compreensão.   

bannervalentina1

 

 

Sobre nós

foto do autor

Pesquisar

Siga-nos

Iniciativas diversas

Debate "A Nutrição e as Mulheres" 05/11/2018

Todas as fotografias aqui

Tertúlia "O impacto do 25 de Abril de 1974" 28/04/2019

Todas as fotografias aqui

Passeio de Verão UMAR Madeira 14/07/2019

Todas as fotografias aqui

Semana das Artes EcoFeministas, de 15 a 19/07/2019

Todas as fotografias aqui

43º Aniversário da UMAR 13/09/2019

Todas as fotografias aqui

Tertúlias Literárias

I Passeio dos Livros nos Jardins do Lido 03/08/2018

Todas as fotografias aqui

II Passeio dos Livros no Jardim de Santa Luzia 28/09/2018

Todas as fotografias aqui

III Passeio dos Livros na sede da UMAR Madeira 10/03/2019

Todas as fotografias aqui

Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub