Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Feminismos é Igualdade

15
Jun20

Lutar contra a invisibilidade do Bem, vencer o mal


umarmadeira

ARTIGO DE LUÍSA PAIXÃO

103901949_3007410516021536_2057928899490050971_o

«Sonhei um dia perseguir a utopia

Trilhar caminhos nunca dantes percorridos

Atingir e semear a alegria»

Conceição Pereira, in A Vida em Movimento

 

Este é o primeiro texto publicado no Blog da UMAR Feminismos é Igualdade que não será lido pela nossa companheira Conceição Pereira, mas é pensando nela que o escrevo, no que ela disse e no que diria destes tempos conturbados em que todas as desigualdades se agudizam. Tempos que ela presenciou e em cuja resolução estava, de certeza, pronta para participar, como sempre esteve ao longo da sua vida, com coragem e determinação.

No dia 24 de abril, num poema publicado no Diário de Notícias, falava da alegria e emoção trazidas pela conquista da liberdade, que só não tocou “os duros de coração”. Também na página do SPM, como homenagem ao 25 de Abril, ficará para sempre o seu maravilhoso contributo para o PROF#fica em casa, no qual, com a magia da sua escrita, homenageia as palavras de Zeca Afonso, Martins Júnior, Adriano Correia de Oliveira e Luís Cília.  Deste texto, escolho o registo da tomada de consciência, pelo povo, dos seus direitos, que foi uma das conquistas da liberdade. Com a emoção que lhe era habitual, recorda que nem as bombas da FLAMA e os ataques dos saudosistas da ditadura fizeram desaparecer essa consciência.

Fala-se na Conceição e pensamos logo na voz dos Invisíveis, na Liberdade, na Justiça, na luta pela Dignidade Humana, em todas as suas vertentes. Uma voz que se erguia pelo povo e para o povo.

O que nos diria a Conceição das últimas manifestações racistas, prova evidente de que, nem mesmo com a ameaça da sua destruição os tais “duros de coração” conseguem encontrar uma forma de viver em igualdade, no respeito pelo outro. Triste prova de que os direitos humanos continuam a ser uma utopia! Até quando?

Mal começou o período de desconfinamento e, ainda com a ameaça de novo{s) confinamento(s), os sentimentos xenófobos e racistas voltam a lançar as suas sementes e abrem caminho a outras violências.

Pelo caminho, outras injustiças se cometem, sem dúvida, e são todas condenáveis. Mas não podemos usar esses efeitos colaterais para o apagamento do sofrimento que dura há séculos. Fingir que partimos todos do mesmo patamar, independentemente da cor da pele, da origem, da religião, da orientação sexual ou da sua aparência física, entre outras diferenças, será perpetuar e validar esses comportamentos discriminatórios a que, eventualmente, nenhum de nós escapará, desde que a sua vida deixe de se enquadrar dentro das «normas» aceites numa determinada organização social, imposta pelos grupos que detêm o poder.

Os mais otimistas viram no isolamento social uma oportunidade para a humanidade repensar a sua atuação no planeta. Os realistas consideraram que a Pandemia não era democrática.

Neste momento, o que se conclui é que o confinamento foi, sem dívida uma necessidade, mas o reverso da medalha é demasiado doloroso para ser ignorado. Não tenhamos dúvidas de que foi e é um terreno fértil para o exacerbamento das desigualdades, das injustiças, da violência e da solidão. São estas feridas, agora mais profundas, que começam a sangrar e que, com urgência, é necessário curar.

A história mostra-nos que as crises são momentos propícios para regimes totalitários, para ondas de pânico que levam a que a domine a lei do mais forte, daqueles que se apresentam como “salvadores”, escolhendo culpar um grupo «incómodo» que será o alvo da perseguição. É isto que começa a acontecer pelo mundo, mesmo na tão aclamada cultura ocidental, e as vítimas estão aí à vista de todos. Se não houver um verdadeiro movimento de todas as forças humanistas, podemos ficar nas mãos destes movimentos populistas, que farão retroceder todas as vitórias pela dignidade humana que foram alcançadas, a conta gotas, nas últimas décadas.

Não podemos esquecer que, ao longo dos tempos, o mal, sempre, contou com a timidez do Bem para vencer.

Não deixaremos que, desta vez, isso aconteça, com a certeza de que a nossa companheira Conceição Pereira continuará presente em todas as nossas lutas.

bannerLuisanovo

 

08
Jun20

E agora, como vais fazer?


umarmadeira

ARTIGO DE MARGARIDA PACHECO

violencia-domestica-1555342031177_v2_900x506

Estamos a passar uma fase de mudança em todo o mundo. Com a pandemia, o medo, a angústia e a incerteza face ao futuro levaram a mudanças na escola, na família, no trabalho, nas relações interpessoais e na forma como entendemos a nossa realidade.              

Durante a quarentena confrontamo-nos com a história da Valentina, uma criança que morreu vítima de maus tratos por parte do seu pai. Devido a este caso, a preocupação com a negligência e com a violência contra as crianças (que sempre esteve presente), ecoou novamente na sociedade portuguesa. Já em fase de desconfinamento, enquanto que em Portugal nos deparávamos com o femicídio da Beatriz, nos Estados Unidos da América as pessoas revoltavam-se com o assassinato de George Floyd. Após dias de protestos, muitas iniciativas e milhares de pessoas nas ruas em vários países do mundo contra o racismo, recebemos a notícia do Brasil, da morte do Miguel, uma criança de 5 anos que morreu vítima de negligência por parte da proprietária da casa onde a sua mãe trabalhava.

Será que podemos ligar o homicídio da Valentina, o femicídio da Beatriz, o assassinato do George Floyd nos Estados Unidos da América e a morte do Miguel no Brasil? Uma coisa é certa, não se pode pensar nestes casos como isolados. Agora, mais do que nunca, o feminismo é chamado a refletir sobre todas as formas de violência de uma forma interseccional. Cada uma destas pessoas morreu porque foi vítima de um sistema patriarcal, sexista, misógino, racista, heteronormativo e classista, que assenta numa matriz de dominação de diversos grupos sociais e, como tal, constitui-se como um fenómeno transversal aos vários contextos de vida de crianças, adolescentes e adultos/as.

As diferentes formas de violência presentes nestes casos mais mediáticos são exemplos que constituem dimensões específicas da violência estrutural, cultural e simbólica. Estas mortes decorreram da estrutura social que posiciona diferentes grupos em termos de poder e privilégios. Esta divisão é exercida através de várias formas de dominação, discriminação, opressão, exclusão, preconceito e desvantagem. O privilégio que uma parte da sociedade tem em relação a outra é indiscutível. Mas como podemos usar esse privilégio para promover a igualdade, liberdade e prevenir a violência, a opressão, o preconceito e a discriminação? Cada pessoa luta à sua maneira, com as suas possibilidades e as suas escolhas, seja pelas redes sociais, nas ruas, na hora de votar, na conversa com amigos/as e familiares ou no seu local de trabalho. Não há uma forma mais correta de ativismo do que outra. O mais importante é que não fiquemos calados/as, que não sejamos indiferentes, que não continuemos a fingir que à nossa volta está tudo bem e que não nos pronunciemos só quando acontece connosco ou com pessoas que nos são próximas. Todas as desigualdades têm um impacto na vida de todos/as nós e na sociedade em geral. 

Na fase de maior incerteza pela qual o mundo já passou, em que milhares de pessoas continuam a morrer todos os dias e outras estão nas ruas a lutar pelas suas e pelas nossas vidas, é tempo de nos educarmos, exigirmos de nós e dos outros/as mais e melhor, exigirmos os direitos de todas as pessoas e pensarmos criticamente sobre os problemas sociais. 

Enquanto mulher, feminista, ativista e educadora estou na luta por um mundo mais igualitário e menos violento. E agora, como vais fazer?

bannerMargarida

 

27
Abr20

Feminismo na era do confinamento viral


umarmadeira

ARTIGO DE GUIDA VIEIRA

wecan

Estamos a viver um momento extraordinário das nossas vidas. De repente, sem termos aviso prévio, ficamos confinadas/os em isolamento social sem podermos contatar, pessoalmente, familiares e amigos/as e, sobretudo, sem poder sair à rua quando nos apetece, só porque sim.

Este corte de liberdade, aquela liberdade tão primária que é caminhar na rua, ver pessoas, conversar, olhar o mar, as árvores, as flores da primavera, foi-nos cortada tão bruscamente que até parece que estamos a viver um filme de ficção. Não podemos cumprimentar as pessoas de quem gostamos e amamos, com um simples aperto de mão, com um abraço e, muito menos, com beijos. Agora até nos dizem que, quando voltarmos à rua, será com máscara e mantendo distanciamento social de dois metros em relação a cada pessoa, mesmo as mais próximas da nossa família com quem nos queiramos encontrar. Não há cafés nem restaurantes abertos e não sabemos quando vão reabrir, nem em que condições o farão. Não haverá praias abertas até quase o fim do verão. Não há eventos culturais com ajuntamentos de pessoas, não haverá vida para além das nossas casas e das ruas confinadas ao distanciamento social. Que situação tão estranha numa era que devia ser cada vez mais dos afetos. Que poder tem um “microrganismo desconhecido” nesta era da globalização? Que implicações irá ter no futuro das nossas vidas?

Numa situação mais dolorosa encontram-se os/as doentes e internados/as em lares, ou noutras casas de saúde, que nem visitas podem receber. Algumas pessoas morrem, numa imensa solidão, sem perceber porque, de repente, ficaram sem ver os entes mais queridos.

Vivemos uma época que mais parece um filme de terror. E nesta situação, como fica o trabalho feminista da UMAR? Estávamos a iniciar um ano promissor em termos de iniciativas. Fizemos uma importante Assembleia de Associadas em Janeiro que aprovou um plano e orçamento que, neste momento já está desatualizado em alguns aspetos. Estávamos muito entusiasmadas com iniciativas originais que iríamos promover e, de repente, está tudo em stand by.

Lançámos o concurso de Artesanato e Artes Plásticas “Feminismos é Liberdade”, que se mantém com a entrega de prémios em Julho. Esperemos que seja presencialmente. Divulgámos, com muito êxito, os resultados distritais do Estudo Nacional da Violência no Namoro. Fizemos ações nas escolas. Lançamos um livro com a primeira coletânea dos artigos deste blogue que, entretanto, recomeçou a sua atividade no início de abril, já em pleno estado de emergência.

Estávamos a desenvolver o Projeto ART’THEMIS+ nas escolas com muito êxito, onde já estavam a ser preparados os produtos finais que seriam apresentados num seminário em Maio. Mesmo com as dificuldades atuais, esse trabalho vai continuar em outros moldes e os trabalhos serão apresentados noutra altura, assim esperamos.

A feira semanal que organizávamos está suspensa por orientação da edilidade do Funchal, colocando várias das nossas associadas numa situação de grande precariedade pessoal. Já deliberámos alguma ajuda, mas temos plena consciência que a situação é muito difícil para as famílias que dependem da realização das feiras para poderem sobreviver.

Vivemos tempos difíceis que nos colocam desafios incríveis, e ainda estamos a aprender como continuar a trabalhar em prol da igualdade nesta era do vírus invisível, que é a maior das ameaças à humanidade desde a minha existência. Mas as feministas, ao longo da História, nunca desistiram nos momentos mais difíceis, e nós também não o vamos fazer. Até porque velhos problemas se vão agudizar e direitos que estavam assegurados já começam a ficar em causa, como o direito ao trabalho e ao emprego com direitos. Já dizia Simone de Beauvoir ”É pelo trabalho que a mulher vem diminuindo a distância que a separava do homem, somente o trabalho poderá garantir-lhe uma independência concreta”.

Ora, é exatamente isso que nos começa a preocupar. Quando o trabalho falta às mulheres, a sua independência fica em causa e, com essa falta de independência, volta tudo atrás na História. Muita coisa vai acontecer, e temos, de certeza, muito trabalho pela frente, até porque na semana passada comemorámos o 25 de Abril, que também significou a liberdade da mulher portuguesa sair de casa e conquistar direitos de cidadania, que nenhum vírus pode colocar em causa.

Podemos ainda continuar confinadas por mais algum tempo, mas não deixaremos de estar atentas a tudo o que se passa à nossa volta. Mesmo com muitas dificuldades, a vida vai continuar e cá estaremos para intervir na defesa dos nossos direitos, a todos os níveis. Tenhamos saúde para isso.

bannerGuidanovo

 

13
Abr20

Os lutos não reconhecidos de que somos feitas/os


umarmadeira

ARTIGO DE VALENTINA SILVA FERREIRA

morte-separação

A dor de quem fica quando alguém parte é algo extremamente pessoal. O luto é, de facto, vivido de forma bastante solitária. No entanto, é no (a)braço dos/as outros/as que a pessoa enlutada pode encontrar algum conforto. Porém, quantas vezes a sociedade não reconhece alguns lutos como reais? Quantas vezes o luto é um processo ainda mais doloroso quando mascarado de invisibilidade? A isto chamou Doka (1898) de “luto não reconhecido” e acontece, precisamente, quando uma pessoa experimenta uma perda que não pode ser expressa abertamente e não é socialmente suportada. Ilse (1982) referia que “a sociedade mede a dor pelo tamanho do caixão”.

Há lutos censurados internamente. São os lutos de pessoas que sabem da partida de uma ex relação ou de uma ex amizade, de um pai que o/a abandonou ou de uma mãe negligente. São lutos que ninguém entende porque, até se separaram, até brigavam imenso, até nem se podiam ver à frente, até sofreu por causa dele/a, até… até… até… Mas fica a tristeza pelo que foram, um dia, pelo que tiveram, pelo que significavam, pelo que poderiam ter sido. E essa tristeza pela partida do que foi, um dia, mesmo que já não o seja, é legítima, tanto quanto as outras.

Há lutos de maternidades interrompidas na gravidez. O luto gestacional é uma dor sem memórias, porque a mãe e o bebé nem sequer tiveram oportunidade de construir uma história. É um luto vazio, muitas vezes acompanhado pela culpa, num momento que deveria ser de vida e de alegria. A sociedade não entende e carrega a mãe de frases nada empáticas, pois “Deus assim quis” e “Vais logo engravidar outra vez”. O luto é negado e os sonhos são suspensos. E se for a mulher a decidir interromper a gravidez, por qualquer motivo que só a ela diga respeito, é melhor que se cale, que engula as lágrimas, que nem sequer abra a boca. Aqui o luto é ainda mais reprimido.

Há lutos masculinizados. Isto significa que, aos homens, é dado um peso diferente no tamanho do sofrimento e, sobretudo, na demonstração dessa dor. Parece que, por um lado, a sociedade formou os homens para não expressarem os sentimentos. Por outro, é a própria sociedade que não deixa espaço para a existência da vulnerabilidade no homem. O machismo desencoraja o homem a desabafar, a chorar, a desesperar, a falar sobre o que o magoa. A experiência de luto no homem é vista como uma falha na sua masculinidade.

Há o luto pelos animais de estimação. As famílias são, cada vez mais, multiespécie e o animal faz parte da dinâmica e da rotina familiar. A perda de um animal ainda não é reconhecida pela sociedade como algo que nós, seres humanos, cada qual com a sua intensidade, passamos. Perder um animal é sofrer pela perda de uma companhia muito próxima, que não tem ambivalências. Aqueles que não vivem com animais têm uma enorme dificuldade em perceber o sentimento de perda e o sofrimento a ele inerente. A dor é censurada e, com isso, aumenta a sensação de vergonha nas pessoas que perderam o animal e que acabam por sofrer em silêncio.

Há o luto pelas pessoas que nem conhecemos, mas admiramos. Como explicar a tristeza que sentimos quando as notícias dizem que aquela pessoa morreu? Como explicar que doa, que fiquemos abatidas/os e que o dia se torne cinzento? Como fazer a sociedade entender que aquela pessoa, que nunca ouviu falar da nossa existência, tem, no entanto, uma importância em nós? Talvez, o que fica a sobrar dessas mortes é a consciência exata de que todos/as vão, até os “imortais”, e de que um dia serão os nossos e seremos nós.

E há, neste momento, o luto pelo que o nosso mundo foi. Um mundo imperfeito, cheio de pessoas imperfeitas, cheio de erros, mas o NOSSO mundo. Estamos, em sintonia, todas e todos, em casa, a viver o luto pelo que podíamos fazer há um mês, pelo que desperdiçamos, pelo que deixamos passar, pelo que não nos aventuramos a sentir, pelo que dissemos e pelo que não dissemos. Estamos de luto e é bom que estejamos. É bom que repensemos e que soframos a(s) partida(s). Chega de ser a sociedade a impor normas, implícitas ou explícitas, de quando, quem, por quem, onde e de que forma o luto pode acontecer. Até porque, eu acho, haverá forma mais empática que se aproximar do/a outro/a que a morte?

Que este luto seja de renascimento para um mundo melhor. Que este luto seja de reconhecimento de todos os lutos. Que sejamos mais humanos amanhã.

bannervalentina1

 

23
Dez19

Vamos abrir as portas e janelas para a Igualdade entrar


umarmadeira

ARTIGO DE GUIDA VIEIRA

noetic_group_gender_equality_workplace

Vivemos um ano muito rico em termos da igualdade de género. Muitas instituições, associações, escolas, partidos, e pessoas individualmente, têm demonstrado um interesse maior sobre esta questão tão vital para conseguirmos um mundo mais justo e equilibrado a todos os níveis.

Quando falamos em igualdade, estamos a falar de direitos humanos. Estamos a dizer que, todas as pessoas, independentemente do seu sexo, orientação sexual, credo religioso, partido político, filiação sindical, gosto musical ou teatral, têm direitos iguais.

Há, no entanto, quem ainda pense que isto de direitos iguais, tem muito que se lhe diga, pois o homem é mais forte fisicamente e, logo, há profissões que são "só" deles. Que a mulher é mais frágil e sensível, e há profissões que são "só" delas. Aqui justifica-se muita da discriminação salarial que continua a existir, colocando a maioria das mulheres a ocupar os lugares mais baixos da hierarquia do trabalho. Já não é apenas “a trabalho igual, salário igual”, mas outra coisa discriminatória fundamentada na força física.

Cada vez mais mulheres desmentem esta teoria quando já são motoristas de pesados, pilotam aviões, gerem grandes empesas, são trabalhadoras da estiva, são prémios Nobel nas ciências e nas artes, na literatura, etc, etc,…e ainda continuam a gerar os filhos nos seus ventres, que são os continuadores da humanidade enquanto a terra resistir e existir.

A luta para que o Feminismo seja encarado como o direito a ser igual ainda não é entendida assim. Continuam a existir pessoas que dizem que as mulheres querem ser as dominadoras do mundo, ocupando o lugar que os homens ocupam há séculos. A história ensina-nos que nem sempre foi assim, mas, independentemente dos dados históricos, o que interessa é entender que a nossa luta é para que não sejamos tratadas como seres inferiores e frágeis, que só queremos “miminhos” nos dias assinalados. Sim, também gostamos de mimos, assim como os homens também gostam. Somos seres humanos e, como tal, gostamos de amar e ser amadas/os. Mas gostamos de ter direitos e ser respeitadas com dignidade, em direitos plenos de cidadania.

Infelizmente, não é assim que acontece ainda em muitas situações. Há homens que ainda pensam que a mulher é sua propriedade e que as podem maltratar e até matar como aconteceu este ano, onde foram assassinadas 32 mulheres, sendo uma da Madeira. Nos últimos 15 anos foram 503 as mulheres que foram mortas, sendo 14 da Madeira. São aos milhares as queixas de mulheres que sofrem violência doméstica, com todas as implicações com os filhos que acabam por sofrer, muitas vezes, sem poderem expressar esse sofrimento que vai marcar para sempre as suas vidas.

Há quem ainda falte aos eventos que assinalam estes problemas, dizendo que são secundários e que há outras coisas mais importantes para se preocuparem. Há muita falta de noção que, quando a igualdade está em causa, tudo está errado. Nada pode bater certo. É como tapar o sol com a peneira. Há grupos que se fecham apenas nos seus problemas específicos, pensando que resolvem os mesmos sem participarem na luta mais geral para que o mundo seja realmente equilibrado e justo. Há pessoas que acham que, ao fazer dois ou três eventos por ano, já cumpriram o seu papel e ficam com a consciência tranquila. “Eu já fiz a minha parte, o resto façam elas”…

ELAS, que devem também ser ELES, como podemos ver com a participação de alguns artigos deste blogue, são fundamentais para continuar a lutar por um mundo mais justo, mais igualitário e mais humano. Os homens também podem ser feministas: basta defenderem direitos iguais e serem coerentes na sua prática com essa maneira de pensar.

Mesmo com a existência de muitos problemas, hoje, o respeito por esta causa da igualdade é muito maior. Sem dúvida. Mesmo os meios de comunicação denotam algum interesse que gostaria de realçar e oxalá que prossigam neste caminho. Em todo o mundo vêm-se notícias de mulheres que saltam para as ruas, lutando e cantando, por este mundo sem violações aos direitos humanos e sem violadores de mulheres.

As escolas estão mais abertas ao tema. Muitas crianças e jovens estão a aprender a ser seres humanos de corpo inteiro, justos e alegres. Precisamos de alegria. Precisamos que as artes tratem deste tema. Obrigada a todas e a todos que, este ano, partilharam os seus talentos evocando a causa da igualdade. Foi muito bonito e gratificante ver a exposição de artistas plásticos e as peças no Balcão de Cristal e da OLHO_TE. Precisamos de continuar neste caminho e que venham muita gente a festejar todos os avanços para enfrentar os problemas que ainda faltam resolver.

A luta vai continuar. É um chavão mas é a verdade. Que venham muitas e muitos mais pois precisamos que este mundo onde vivemos seja mais justo e igualitário. Eu acredito que já começa a ser um pouco melhor e será muito mais se continuarmos a abrir as portas e as janelas para que a igualdade entre em todas as casas. Sem violência, com muito mais amor e respeito. Temos muito trabalho pela frente mas isso nunca nos assustou, porque quando as causas são justas, ninguém nos para.

bannerGuidanovo

 

31
Out19

A bruxa: o ícone feminista mais antigo


umarmadeira

ARTIGO DE JOANA MARTINS

13598502._SX540_

O espectro da bruxa abrange factos e ficção. Uma mulher velha, enrugada, a segurar uma maçã envenenada na mão direita, ansiosa por se vingar de uma bela jovem. Uma solteirona experiente casada com os seus livros, e conhecedora das propriedades mágicas de muitas plantas. Uma mulher extremamente bela à custa de feitiços sombrios, extremamente sedutora com os seios praticamente à mostra e um olhar hipnótico, que controla e manipula os homens que quiser…

A bruxa personifica o medo, porque controla forças que transcendem o corpo mortal e encarna uma feminilidade poderosa, livre da influência masculina ou, simplesmente, uma mulher livre. Ao longo da História, a figura da bruxa desafiou narrativas patriarcais personificando o poder das mulheres, tornando-a num dos ícones feministas mais duradouros de todos os tempos.

A figura da bruxa tem origem nas deusas da mitologia de diversas civilizações, com um legado que se estende até há milhares de anos atrás, desde o mito de Inanna, a irmã do deus-sol Utu na mitologia Suméria, às histórias hindus da deusa Kali e mitologia celta da deusa Brigit, ambas personificando a Mãe Natureza, e os contos da deusa Hécate na Grécia Antiga, associada à magia e bruxaria. Estas deusas tinham a capacidade de gerar e tirar a vida, e eram adoradas por isso. Ainda assim, as suas capacidades eram sempre alvo de dúvidas. À medida que as religiões monoteístas foram se expandindo e ganhando poder, as crenças foram se consolidando em torno de uma divindade onipotente masculina, havendo uma maior secundarização das mulheres em todos os aspetos.

Entre os séculos XIV e XVIII na Europa, milhares de pessoas acusadas de bruxaria foram torturadas e mortas pela Inquisição, um grupo de instituições dentro do sistema jurídico da Igreja Católica Romana, com o objetivo de “combater a heresia”. Embora alguns homens também tivessem sido apanhados na confusão deste pânico em massa – muitos deles, visionários e cientistas – a maioria das pessoas horrivelmente torturadas, abusadas sexualmente e queimadas na fogueira eram mulheres. Curandeiras e parteiras com grande conhecimento sobre a reprodução e o corpo humano, que ameaçavam educar e ensinar uma população altamente – e convenientemente, para a igreja – ignorante. Mulheres que eram alvo de suspeita por possuírem “demasiadas” terras, riqueza ou influência. Eram mães, irmãs e filhas, que estavam no lugar errado à hora errada. E foram, pura e simplesmente, castigadas por isso.

À medida que as bruxas foram capturando a imaginação do público nos livros e nos ecrãs, o seu retrato sempre se baseou no medo dos homens da sexualidade feminina, ou na representação simplista de mulheres velhas, ciumentas e invejosas, revoltadas contra mulheres mais novas, ingénuas e “bonitinhas”. Os exemplos de histórias da cultura popular onde as bruxas são assim retratadas, par a par com inúmeros estereótipos para catalogar as “princesas boazinhas” e “normalizar” a violência doméstica, são inúmeros. Alguns exemplos: Cinderela, Bela Adormecida, A Bela e o Monstro, Branca de Neve, Rapunzel.

À medida que o movimento feminista foi ganhando visibilidade, a representação da bruxa foi se tornando cada vez mais complexa. A narrativa deixou de ser escrita apenas por homens, e a sua história foi reformulada por mulheres. Um exemplo recente é a escritora J. K. Rowling e a sua saga “Harry Potter”, que descreve o quanto é necessário o estudo para se tornar num/a bruxo/a, e desafia estereótipos como, por exemplo, na sua representação de Hermione Granger. Ao mesmo tempo, a argumentista Linda Woolverton atualizou a história de “Bela Adormecida” para humanizar a bruxa, no filme de 2014 “Maléfica”, numa tentativa de acabar com as personagens exclusivamente más ou boas.

Ainda assim, tanto em séries como em filmes, ainda estão presentes perigosos estereótipos, para vender uma versão menos política e mais consumível da bruxa, mas a expansão do feminismo na cultura popular tornou estas escolhas menos viáveis. Desde “As bruxas de Eastwick”, passando por “Penny Dreadful” e “American Horror Story: Coven”, os novos retratos das bruxas abriram, simultaneamente, velhas feridas na história da opressão das mulheres, e ajudaram a despertar as pessoas para as injustiças que as mulheres sofreram ao longo da História – muitas das quais continuam até aos dias de hoje.

As acusações de bruxaria foram, outrora, utilizadas para controlar o comportamento das mulheres (e ainda são, num número impressionante de países em todo o mundo), mas agora, mais do que nunca, as bruxas tornaram-se em símbolos de mulheres que desafiam dificuldades e obstáculos. Uma vez que os direitos reprodutivos, a igualdade salarial, a liberdade sexual e a luta contra a violência sobre as mulheres continuam a ser alguns dos objetivos principais da luta feminista, a bruxa vai permanecer como uma representação das nossas frustrações e da nossa luta pela igualdade e poder, para além do patriarcado.

bannerJoana1

 

15
Out19

15, 16 e 17 de outubro. Três dias para lembrar. Três dias para exigir Direitos


umarmadeira

unnamed

15, 16 e 17 de outubro são dias que se entrelaçam na defesa dos direitos das mulheres.

Declarado pelas Nações Unidas como Dia Internacional das Mulheres Rurais, o 15 de outubro, faz-nos lembrar que as mulheres rurais representam mais de um terço da população mundial e são afetadas de forma desproporcional pela insegurança alimentar e a pobreza.

O dia 16 de outubro, como Dia Mundial pela Alimentação, lembra-nos que o acesso à alimentação é um direito humano, que não pode ser ignorado e que as mulheres que constituem 43% da mão-de obra agrícola, desde que apoiadas com recursos, podem contribuir para uma diminuição substancial da população subnutrida.

17 de outubro, o Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza, lembra-nos que 1,2 biliões de pessoas ainda vivem em extrema pobreza sendo a maioria mulheres e crianças.

A FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura) tem vindo a propor um conjunto de iniciativas e programas que apostando no apoio às mulheres rurais se possa evoluir no combate à pobreza e à desnutrição.

Quando se vive num país europeu como o nosso, há tendência para que estas realidades nos passem ao lado, apesar de sabermos que muitas e muitas das aldeias do interior do país, quase desertificadas e sem esperança de desenvolvimento, serem constituídas fundamentalmente por mulheres, a maior parte idosas, porque as mais jovens tendem a migrar.

A UMAR - União de Mulheres Alternativa e Resposta, como associação que entende que os feminismos não podem ser só urbanos e que as mulheres das zonas rurais não podem ficar esquecidas, considera que no Estatuto da Pequena Agricultura Familiar já previsto governamentalmente, se deve dar particular relevo aos direitos das mulheres rurais em termos de apoios efetivos para iniciativas de emprego, formas coletivas de produção, redes de mulheres inter-aldeias valorizando aquilo que elas produzem em termos de cultura e artes locais, de aproveitamento dos recursos naturais e paisagísticos para um turismo de proximidade, suficientemente atrativo para o envolvimento de jovens nas suas aldeias.

Lisboa, 13 de outubro de 2019
A direção da UMAR

05
Out19

O Feminismo e o Machismo


umarmadeira

ARTIGO DE CONCEIÇÃO PEREIRA

6-11

Muita gente pensa que o feminismo é o contrário de machismo. Se o machismo é um modo de pensar em que os homens são superiores às mulheres e mandam nelas, o feminismo seria as mulheres a mandarem nos homens. Nos anos 60 do século passado, Maria Lamas, grande lutadora pelos direitos das mulheres (e não só), escreveu um artigo para o jornal Comércio do Funchal com o título MULHERES CONTRA HOMENS? Nesse artigo ela explicava que o feminismo era apenas uma luta pela igualdade de direitos e não para as mulheres se revoltarem contra os homens. O feminismo luta por uma sociedade equilibrada, mais justa, em que as mulheres usufruem dos direitos sociais, tal qual os homens. Somos todos humanos, vivemos no Planeta Terra e todos nós, homens e mulheres, de todas as raças, temos o direito de usufruir dos recursos naturais e civilizacionais.

Segundo uma corrente de pensamento, o machismo nasceu com a sedentarização dos povos. Deixaram a vida nómada, tinham propriedades e os homens, sendo mais fortes fisicamente, impuseram a sua autoridade. Exigiram contrato de casamento e fidelidade das mulheres para terem a certeza que as crianças que elas punham no mundo eram efectivamente seus filhos, que haviam de herdar os seus bens. O problema maior é que a mulher não escolhia marido, a família negociava o casamento, ela deixou de ter qualquer poder, se não tivesse filhos era repudiada, jogada ao abandono e o marido ia buscar outra que lhe desse herdeiros. Esta teoria percorreu milénios, foram criando regras opressoras, inventou-se doutrinas perversas e a mulher continuou a ser humilhada e maltratada. Inventou-se a Eva que pecou e por causa dela os humanos foram expulsos do paraíso e herdaram o pecado original. O antigo testamento trata as mulheres pior que os animais. O apedrejamento, defendido na bíblia e praticado pelos seus seguidores, é um castigo que nem se aplica a animais e ainda bem.

Dando um grande salto no tempo, chegámos ao século XVIII, em que na Europa surgem grandes pensadores que defenderam uma outra ordem social. Rosa Montero, escritora espanhola, afirma que o filósofo Locke, defensor da liberdade natural do homem, dizia que nem os animais nem as mulheres participavam dessa liberdade, pois tinham de estar subordinadas ao homem. Rousseau dizia que uma mulher sábia era um castigo para o esposo, para os filhos, para toda a gente. Kant afirmava que o estudo laborioso e árduas reflexões, inclusivamente quando uma mulher tinha êxito nesse aspecto, destruíam os méritos próprios do seu sexo.

Como é que podemos acreditar que pessoas inteligentes e sábias, grandes pensadores da época, acreditavam mesmo no que diziam sobre as mulheres? Em minha opinião, eles ficaram assustados quando viram que, apesar da opressão sobre as mulheres, inclusive ao nível da educação, em que as meninas das classes superiores (os pobres não iam à escola) frequentavam escolas onde apenas aprendiam a ler e algumas a escrever e pouco mais, enquanto os rapazes eram enviados para escolas mais evoluídas e para as universidades. Mesmo assim, algumas começaram a afirmar-se como escritoras e a defender os seus direitos em obras publicadas. O Feminismo começou a nascer e muitos homens sentiram que algo estava a mudar nas relações entre mulheres e homens e sentiram-se desconfortáveis.

As feministas eram apelidadas de loucas e infelizes. Sempre citando Rosa Montero, em 1908, em Espanha, o Jesuíta Alarcón escreveu num livro que “a emancipação da mulher é aberrante e que essas Euménides têm de ser encerradas em casas de correcção ou nos manicómios”. E em 1927, a revista Iris da Paz insurgia-se, dizendo que a “sociedade faria muito bem encerrando as feministas como loucas e criminosas”. E nós sabemos que muitas mulheres foram encerradas em manicómios por quererem impor a sua vontade e não seguir a vontade do pai ou do marido. Maria Adelaide Coelho da Cunha, uma senhora da alta sociedade lisboeta, foi encerrada num manicómio, onde passou cerca de quatro anos. Quando lá chegou, encontrou uma ala do manicómio composta de outras mulheres como ela, no gozo das suas faculdades mentais, mas tinham cometido o pecado de não obedecerem aos maridos, aos pais ou outros homens da família.

Ainda hoje o feminismo é mal visto ao ponto de ouvirmos mulheres a dizerem: Eu defendo os direitos das mulheres, mas não sou feminista. De modo que uma das tarefas da UMAR é reabilitar o feminismo, mostrar que somos feministas porque lutamos pela igualdade de género e por um mundo justo e igualitário em direitos e deveres.

bannerconceicao

 

Sobre nós

foto do autor

Pesquisar

Siga-nos

Iniciativas diversas

Debate "A Nutrição e as Mulheres" 05/11/2018

Todas as fotografias aqui

Tertúlia "O impacto do 25 de Abril de 1974" 28/04/2019

Todas as fotografias aqui

Passeio de Verão UMAR Madeira 14/07/2019

Todas as fotografias aqui

Semana das Artes EcoFeministas, de 15 a 19/07/2019

Todas as fotografias aqui

43º Aniversário da UMAR 13/09/2019

Todas as fotografias aqui

Tertúlias Literárias

I Passeio dos Livros nos Jardins do Lido 03/08/2018

Todas as fotografias aqui

II Passeio dos Livros no Jardim de Santa Luzia 28/09/2018

Todas as fotografias aqui

III Passeio dos Livros na sede da UMAR Madeira 10/03/2019

Todas as fotografias aqui

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D