Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Feminismos é Igualdade

13
Abr20

Os lutos não reconhecidos de que somos feitas/os


umarmadeira

ARTIGO DE VALENTINA SILVA FERREIRA

morte-separação

A dor de quem fica quando alguém parte é algo extremamente pessoal. O luto é, de facto, vivido de forma bastante solitária. No entanto, é no (a)braço dos/as outros/as que a pessoa enlutada pode encontrar algum conforto. Porém, quantas vezes a sociedade não reconhece alguns lutos como reais? Quantas vezes o luto é um processo ainda mais doloroso quando mascarado de invisibilidade? A isto chamou Doka (1898) de “luto não reconhecido” e acontece, precisamente, quando uma pessoa experimenta uma perda que não pode ser expressa abertamente e não é socialmente suportada. Ilse (1982) referia que “a sociedade mede a dor pelo tamanho do caixão”.

Há lutos censurados internamente. São os lutos de pessoas que sabem da partida de uma ex relação ou de uma ex amizade, de um pai que o/a abandonou ou de uma mãe negligente. São lutos que ninguém entende porque, até se separaram, até brigavam imenso, até nem se podiam ver à frente, até sofreu por causa dele/a, até… até… até… Mas fica a tristeza pelo que foram, um dia, pelo que tiveram, pelo que significavam, pelo que poderiam ter sido. E essa tristeza pela partida do que foi, um dia, mesmo que já não o seja, é legítima, tanto quanto as outras.

Há lutos de maternidades interrompidas na gravidez. O luto gestacional é uma dor sem memórias, porque a mãe e o bebé nem sequer tiveram oportunidade de construir uma história. É um luto vazio, muitas vezes acompanhado pela culpa, num momento que deveria ser de vida e de alegria. A sociedade não entende e carrega a mãe de frases nada empáticas, pois “Deus assim quis” e “Vais logo engravidar outra vez”. O luto é negado e os sonhos são suspensos. E se for a mulher a decidir interromper a gravidez, por qualquer motivo que só a ela diga respeito, é melhor que se cale, que engula as lágrimas, que nem sequer abra a boca. Aqui o luto é ainda mais reprimido.

Há lutos masculinizados. Isto significa que, aos homens, é dado um peso diferente no tamanho do sofrimento e, sobretudo, na demonstração dessa dor. Parece que, por um lado, a sociedade formou os homens para não expressarem os sentimentos. Por outro, é a própria sociedade que não deixa espaço para a existência da vulnerabilidade no homem. O machismo desencoraja o homem a desabafar, a chorar, a desesperar, a falar sobre o que o magoa. A experiência de luto no homem é vista como uma falha na sua masculinidade.

Há o luto pelos animais de estimação. As famílias são, cada vez mais, multiespécie e o animal faz parte da dinâmica e da rotina familiar. A perda de um animal ainda não é reconhecida pela sociedade como algo que nós, seres humanos, cada qual com a sua intensidade, passamos. Perder um animal é sofrer pela perda de uma companhia muito próxima, que não tem ambivalências. Aqueles que não vivem com animais têm uma enorme dificuldade em perceber o sentimento de perda e o sofrimento a ele inerente. A dor é censurada e, com isso, aumenta a sensação de vergonha nas pessoas que perderam o animal e que acabam por sofrer em silêncio.

Há o luto pelas pessoas que nem conhecemos, mas admiramos. Como explicar a tristeza que sentimos quando as notícias dizem que aquela pessoa morreu? Como explicar que doa, que fiquemos abatidas/os e que o dia se torne cinzento? Como fazer a sociedade entender que aquela pessoa, que nunca ouviu falar da nossa existência, tem, no entanto, uma importância em nós? Talvez, o que fica a sobrar dessas mortes é a consciência exata de que todos/as vão, até os “imortais”, e de que um dia serão os nossos e seremos nós.

E há, neste momento, o luto pelo que o nosso mundo foi. Um mundo imperfeito, cheio de pessoas imperfeitas, cheio de erros, mas o NOSSO mundo. Estamos, em sintonia, todas e todos, em casa, a viver o luto pelo que podíamos fazer há um mês, pelo que desperdiçamos, pelo que deixamos passar, pelo que não nos aventuramos a sentir, pelo que dissemos e pelo que não dissemos. Estamos de luto e é bom que estejamos. É bom que repensemos e que soframos a(s) partida(s). Chega de ser a sociedade a impor normas, implícitas ou explícitas, de quando, quem, por quem, onde e de que forma o luto pode acontecer. Até porque, eu acho, haverá forma mais empática que se aproximar do/a outro/a que a morte?

Que este luto seja de renascimento para um mundo melhor. Que este luto seja de reconhecimento de todos os lutos. Que sejamos mais humanos amanhã.

bannervalentina1

 

14
Dez19

Abuso sexual de crianças e jovens


umarmadeira

ARTIGO DE VALENTINA SILVA FERREIRA

image_content_2584560_20191109093826

O abuso sexual de crianças/jovens decorre da exposição de uma criança ou jovem a estímulos sexuais inapropriados ao seu desenvolvimento físico, psicológico, social e moral. É frequente, nos media e em conversas de café, confundirmos os termos “abusador sexual” e “pedófilo”, muitas vezes tidos como sinónimos. No entanto, algumas particularidades fazem com que seja necessário distingui-los. Os abusadores sexuais não se sentem sexualmente atraídos por crianças. O abuso decorre, não de uma atração, mas por qualquer outro motivo, tais como, a necessidade de poder, vinganças, delinquências, uso de drogas ou álcool. Alguns estudos revelam que ¾ dos abusadores sexuais de menores foram ou são casados. O abuso pode ocorrer dentro da própria família. O incesto é o tipo de abuso mais comum e é mais frequente ser entre pai e filha, onde esta ocupa o lugar da mãe, num casamento que pode estar deteriorado. No entanto, o abusador pode vitimizar crianças fora de casa e, ainda, violar mulheres. Não recorrem a estratégias de sedução e, na maioria das vezes, agem por impulso. São relações sexuais rápidas, sem aproximação sentimental com a vítima, apenas com o intuito de satisfazer alguma necessidade sexual, emocional, psicológica ou social. A pedofilia é, segundo a Classificação de Transtornos Mentais e de Comportamento da CID-10, um transtorno de personalidade e comportamentos em adultos. É, mais concretamente, uma parafilia. O termo, em latim, significa “amante de crianças”, ou seja, a atração sexual de um pedófilo é dirigida primariamente para crianças. As suas condutas compulsivas são consequência de um desejo sexual por menores e não despoletadas por situações de stress. É importante salientar que há pedófilos que nunca abusaram sexualmente (no termo estrito da palavra) de crianças, recorrendo a fotografias pornográficas infantis, conversas de teor sexual com pré-adolescentes, visualização de crianças a brincarem em parques infantis ou na praia, para satisfazerem as suas fantasias.

Embora a tendência seja para fugir a essa verdade, o facto é que as crianças são seres sexuados e, por isso, o seu amadurecimento sexual é feito ao longo dos anos através da informação que vão recebendo durante o seu desenvolvimento. Um ambiente seguro proporciona a confiança suficiente para aprender e compreender o sexo de maneira estável e benéfica e, aqui, os adultos são os maiores responsáveis por essa direção.

Para diversos especialistas, não há um perfil do abusador infantojuvenil, mas, em muitos casos, o machismo pode ser observado no comportamento de quem subjuga crianças e adolescentes. "É machismo. O homem tem a filha como se fosse a sua propriedade", aponta a advogada Leila Paiva, coordenadora do Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes, no Brasil. "O corpo da mulher foi encarado o tempo todo como propriedade”. A cultura do machismo foi apontada como responsável pela exploração sexual de crianças e adolescentes, em audiência pública realizada na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH). A avaliação foi feita pelo coordenador do Centro de Referência, Estudos e Ações sobre Crianças e Adolescentes (Cecria), Vicente Faleiros, que referiu ser preciso entender a exploração de crianças e adolescentes no contexto do mercado do sexo, tratando-se uma atividade fundamentalmente económica, e esse serviço sexual é tolerado pela sociedade porque está vinculado à cultura do machismo, à ideia de que se pode usar o corpo da mulher. Para além disso, estudos comprovam que há uma tendência a se subestimar o problema da violência sexual contra meninos pelo facto de o tema ser visto como um grande tabu na sociedade. Flávio Debique, gerente técnico de proteção infantil da ONG Plan International Brasil, refere que "Tanto os meninos quanto as meninas têm bastante dificuldade de falar sobre isso. Mas os meninos chegam aqui muito mais constrangidos, apreensivos. Vivemos numa cultura que 'homem não chora' e 'sabe se defender sozinho'. Admitir uma fraqueza é difícil, então, se ele for abusado por uma mulher e reclamar disso, será conotado como gay, e se for abusado por um homem e denunciar, também pode ser considerado gay". Para Debique, a "cultura machista é a grande vilã" na maior parte dos casos de assédio ou abuso sexual de crianças, porque é ela que estabelece o "poder" do homem com relação à mulher e que determina que o homem não pode assumir a condição de vítima, ele precisa ser "durão".

No fundo, tudo começa na forma como assumimos o que é ser homem e o que é ser mulher, a desvantagem que as meninas têm, e as aparentes vantagens que os meninos têm. As desigualdades de género afetam as pessoas de maneira diferente mas, no final da equação, todos/as sofrem as suas consequências.

bannervalentina1

 

05
Out19

O Feminismo e o Machismo


umarmadeira

ARTIGO DE CONCEIÇÃO PEREIRA

6-11

Muita gente pensa que o feminismo é o contrário de machismo. Se o machismo é um modo de pensar em que os homens são superiores às mulheres e mandam nelas, o feminismo seria as mulheres a mandarem nos homens. Nos anos 60 do século passado, Maria Lamas, grande lutadora pelos direitos das mulheres (e não só), escreveu um artigo para o jornal Comércio do Funchal com o título MULHERES CONTRA HOMENS? Nesse artigo ela explicava que o feminismo era apenas uma luta pela igualdade de direitos e não para as mulheres se revoltarem contra os homens. O feminismo luta por uma sociedade equilibrada, mais justa, em que as mulheres usufruem dos direitos sociais, tal qual os homens. Somos todos humanos, vivemos no Planeta Terra e todos nós, homens e mulheres, de todas as raças, temos o direito de usufruir dos recursos naturais e civilizacionais.

Segundo uma corrente de pensamento, o machismo nasceu com a sedentarização dos povos. Deixaram a vida nómada, tinham propriedades e os homens, sendo mais fortes fisicamente, impuseram a sua autoridade. Exigiram contrato de casamento e fidelidade das mulheres para terem a certeza que as crianças que elas punham no mundo eram efectivamente seus filhos, que haviam de herdar os seus bens. O problema maior é que a mulher não escolhia marido, a família negociava o casamento, ela deixou de ter qualquer poder, se não tivesse filhos era repudiada, jogada ao abandono e o marido ia buscar outra que lhe desse herdeiros. Esta teoria percorreu milénios, foram criando regras opressoras, inventou-se doutrinas perversas e a mulher continuou a ser humilhada e maltratada. Inventou-se a Eva que pecou e por causa dela os humanos foram expulsos do paraíso e herdaram o pecado original. O antigo testamento trata as mulheres pior que os animais. O apedrejamento, defendido na bíblia e praticado pelos seus seguidores, é um castigo que nem se aplica a animais e ainda bem.

Dando um grande salto no tempo, chegámos ao século XVIII, em que na Europa surgem grandes pensadores que defenderam uma outra ordem social. Rosa Montero, escritora espanhola, afirma que o filósofo Locke, defensor da liberdade natural do homem, dizia que nem os animais nem as mulheres participavam dessa liberdade, pois tinham de estar subordinadas ao homem. Rousseau dizia que uma mulher sábia era um castigo para o esposo, para os filhos, para toda a gente. Kant afirmava que o estudo laborioso e árduas reflexões, inclusivamente quando uma mulher tinha êxito nesse aspecto, destruíam os méritos próprios do seu sexo.

Como é que podemos acreditar que pessoas inteligentes e sábias, grandes pensadores da época, acreditavam mesmo no que diziam sobre as mulheres? Em minha opinião, eles ficaram assustados quando viram que, apesar da opressão sobre as mulheres, inclusive ao nível da educação, em que as meninas das classes superiores (os pobres não iam à escola) frequentavam escolas onde apenas aprendiam a ler e algumas a escrever e pouco mais, enquanto os rapazes eram enviados para escolas mais evoluídas e para as universidades. Mesmo assim, algumas começaram a afirmar-se como escritoras e a defender os seus direitos em obras publicadas. O Feminismo começou a nascer e muitos homens sentiram que algo estava a mudar nas relações entre mulheres e homens e sentiram-se desconfortáveis.

As feministas eram apelidadas de loucas e infelizes. Sempre citando Rosa Montero, em 1908, em Espanha, o Jesuíta Alarcón escreveu num livro que “a emancipação da mulher é aberrante e que essas Euménides têm de ser encerradas em casas de correcção ou nos manicómios”. E em 1927, a revista Iris da Paz insurgia-se, dizendo que a “sociedade faria muito bem encerrando as feministas como loucas e criminosas”. E nós sabemos que muitas mulheres foram encerradas em manicómios por quererem impor a sua vontade e não seguir a vontade do pai ou do marido. Maria Adelaide Coelho da Cunha, uma senhora da alta sociedade lisboeta, foi encerrada num manicómio, onde passou cerca de quatro anos. Quando lá chegou, encontrou uma ala do manicómio composta de outras mulheres como ela, no gozo das suas faculdades mentais, mas tinham cometido o pecado de não obedecerem aos maridos, aos pais ou outros homens da família.

Ainda hoje o feminismo é mal visto ao ponto de ouvirmos mulheres a dizerem: Eu defendo os direitos das mulheres, mas não sou feminista. De modo que uma das tarefas da UMAR é reabilitar o feminismo, mostrar que somos feministas porque lutamos pela igualdade de género e por um mundo justo e igualitário em direitos e deveres.

bannerconceicao

 

Sobre nós

foto do autor

Pesquisar

Siga-nos

Iniciativas diversas

Debate "A Nutrição e as Mulheres" 05/11/2018

Todas as fotografias aqui

Tertúlia "O impacto do 25 de Abril de 1974" 28/04/2019

Todas as fotografias aqui

Passeio de Verão UMAR Madeira 14/07/2019

Todas as fotografias aqui

Semana das Artes EcoFeministas, de 15 a 19/07/2019

Todas as fotografias aqui

43º Aniversário da UMAR 13/09/2019

Todas as fotografias aqui

Tertúlias Literárias

I Passeio dos Livros nos Jardins do Lido 03/08/2018

Todas as fotografias aqui

II Passeio dos Livros no Jardim de Santa Luzia 28/09/2018

Todas as fotografias aqui

III Passeio dos Livros na sede da UMAR Madeira 10/03/2019

Todas as fotografias aqui

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D