Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Feminismos é Igualdade

06
Jul19

A mulher e a (hetero)sexualidade


umarmadeira

ARTIGO DE VALENTINA SILVA FERREIRA

sdr_arte-site

Vivemos numa sociedade patriarcal. A forma como esse patriarcado influencia a sexualidade da mulher está patente nos mais diversos preconceitos a que esta é submetida ao longo da vida. Desde logo porque o homem tem elevadas as suas prioridades, interesses e necessidades. Ao homem é dado o benefício de maior vontade sexual e, consequentemente, de poder usufruir em pleno as suas vontades. À mulher são, implicitamente, anexados os rótulos de, por ser mulher, ter pouco apetite sexual, de, por ser mulher, saber controlar os seus impulsos sexuais. A isto alia-se a ideologia da educação, em que as meninas são ensinadas, desde cedo, a acreditar que são diferentes e, por isso, a expressão, o comportamento e as vivências corporais delas devem ser controladas, educadas e polidas segundo os padrões da sociedade. A forma de manifestar o erotismo, pela mulher, é, assim, moldada pelo código erótico do homem, a quem, dentro da normalidade – retire-se aqui, portanto, as chamadas parafilias – tudo é permitido, enquanto à mulher é ensinado o que é desejável, fazendo-a enclausurar o seu desejo e o seu prazer.

O machismo afeta a sexualidade. O machismo afeta a sexualidade feminina quando coloca, na mulher, a culpa pelos abusos que ela sofre. Esta culpabilização percorre uma linha no tempo. Repare-se que, durante o período da inquisição, o desejo sexual era encarado como algo satânico e as mulheres, por serem bonitas e sedutoras, eram rotuladas como tentações do diabo. Muitas dessas mulheres, inclusive, foram queimadas sob o pretexto da bruxaria. No século XIX, então, a atividade sexual ficou marcada, predominantemente, para a reprodução sexual, deslocando o prazer e a autodescoberta para o canto obscuro do pecado. A atividade sexual da mulher casada restringia-se à maternidade e à satisfação do marido. A atividade sexual das mulheres socialmente rejeitadas servia, única e exclusivamente, para usufruto do homem que, não podendo esgotar a sua satisfação com as esposas, procuravam outros corpos para isso. Tanto a umas, quanto às outras era interdita a realização sexual plena. Este binómio sexualidade-reprodução, anexado à sexualidade feminina, é fortemente exponenciado até finais do século XIX, altura em que os estudos de Freud começaram a introduzir a ideia da sexualidade como algo fundamental na vida humana, potenciando discussões sobre sexo e respetivas técnicas, anatomia genital femininas e masculina e formas de prazer feminino. A revolução industrial colocou a mulher no mercado de trabalho, afastando-a da exclusividade – mas sem o deixar de fazer - do trabalho doméstico e dos papéis enquanto esposa e mãe. Ainda assim, até meandros dos anos 50, a sexualidade feminina continuou relacionada à procriação e ao casamento. A introdução da pílula anticoncecional foi um verdadeiro movimento feminista, dando à mulher a livre escolha da maternidade e uma nova e tão ansiada liberdade sexual.

O movimento feminista de emancipação aliou a todos os direitos de igualdade pretendidos, a igualdade de conduta sexual, um fenómeno que se determinou na última década do século passado, com a tentativa de destronamento de vários preconceitos, nomeadamente o da necessidade da mulher chegar ao casamento virgem – ao contrário do homem que deveria ser dotado de uma experiência sexual prévia.

No entanto, apesar da evidente evolução, a sexualidade feminina continua a ser apontada, pela sociedade, como algo menor e desmerecedor de atenção e compreensão e, consequentemente, a satisfação sem culpa ainda é condicionada por aspetos sociais e psicológicos. Os meios de comunicação retratam a mulher como objeto sexual. As campanhas publicitárias aliam, aos seus produtos, imagens de mulheres de corpos esculturais e despidos. A mulher passou de um extremo ao outro: da repressão total à exploração desenfreada da sua imagem sexual. E, pelo meio, não houve tempo para o autoconhecimento corporal, para a exploração das vontades e para a consciência de que a mulher é, tal como o homem, um corpo e uma cabeça feitos de desejo e fantasias.

bannerValentina

 

22
Jun19

Empatia: Um mundo melhor depende de si


umarmadeira

ARTIGO DE JOANA MARTINS

empatia

Empatia é a capacidade psicológica para sentir o que sentiria uma outra pessoa, caso estivéssemos na mesma situação vivenciada por ela. Consiste em tentar compreender sentimentos e emoções, procurando experimentar de forma objetiva e racional o que sente outra pessoa. Por vezes, sentimos empatia sem sequer sabermos o que isso significa. Mas, nos dias de hoje, com a proliferação da comunicação virtual e distante nas redes sociais, em vez da comunicação presencial “olhos nos olhos”, numa sociedade cada vez mais individualista e competitiva, a empatia começa a rarear. E o que acontece sem empatia? Proliferam a intolerância, o bullying, todos os tipos de violência.

Quando não gastamos nem um segundo para imaginar como a outra pessoa se sente, de onde vem, o contexto onde está inserida e o que passou, sem se lembrar que cada pessoa tem a sua história de vida, e sem tentar perceber como é estar na pele da outra pessoa, surgem as discussões acaloradas (e que normalmente não levam a lado nenhum) nas redes sociais, surge o fim de relacionamentos (familiares, amizades, etc), os crimes de ódio, a violência de género. Sem empatia, é impossível perceber que, em muitas situações, não existe uma verdade absoluta. Existem verdades, que dependem do ponto de vista de cada pessoa. No entanto, existem valores transversais a qualquer verdade. E esses são os direitos humanos (https://dre.pt/declaracao-universal-dos-direitos-humanos).

Existem inúmeros exemplos de falta de empatia, e os estereótipos e preconceitos resumem isso mesmo. Quando alguém diz que uma mulher “pôs-se a jeito” para ser violada porque usou uma “saia curta”. Quando alguém não se coloca no lugar de um(a) jovem, para tentar perceber de onde veio e porque exibe determinados comportamentos, e toca a rotulá-lo(a) de incompetente. Quando se culpabiliza quem sai fora dos padrões, dizendo que só é gordo(a) quem quer e quem é desleixado(a). Quando se diz à boca cheia que não existem padrões para as mulheres, que a beleza é diversificada e, mal viram as costas, toca a criticar quem não se encaixa nesses padrões – ou porque é muito magra, ou muito gorda, ou a roupa não lhe fica bem, ou devia ter o cabelo assim ou assado, etc. Quando se encaixam rótulos ridículos em mulheres por serem louras, por terem tatuagens, por se vestirem de forma diferente, por terem uma personalidade diferente, por amarem mulheres, por não gostarem das coisas que a maioria das mulheres “deveria” gostar. Quando se diz que uma mulher tirou o homem do sério, por isso quase que “mereceu” ser vítima de violência. Quando se diz que os(as) refugiados(as) vêm “roubar” os nossos postos de trabalho e dinheiro, e ainda que são “terroristas”. Quando se alcunha os(as) desempregados(as) de “vadios(as)”, sem tentar perceber a história individual de cada pessoa. Quando não se percebe que a outra pessoa não pode, nem vai sempre fazer todas as nossas vontades e agir sempre daquela maneira que desejamos – a minha liberdade termina quando começa a do(a) outro(a). Quando se dá mais valor ao seguidismo do que à liberdade de pensamento.

Sem empatia, tornamo-nos egoístas e caímos no julgamento superficial e errado sobre as pessoas. Sem empatia, não é possível sentir compaixão. Sem empatia, proliferam os estereótipos e a hipocrisia. A falta de empatia é também responsável pelos danos que temos causado no nosso planeta. Não é, nem deve ser, apenas direcionada para a espécie humana.

Muitas décadas de abuso e ignorância, em relação à Natureza, trouxeram-nos a este século, onde o futuro da Humanidade está em cheque. Perante tudo isto, vamos continuar a tirar selfies com “sorrisos colgate”, a publicar “postas de pescada” nas redes sociais, e a ignorar o que se passa no mundo? A seguir modas e heróis/heroínas, em vez de fazer mudanças reais e permanentes no nosso estilo de vida? Vamos continuar a competir por bens materiais supérfluos, a tomar decisões sem ter em conta um todo, a mentir descaradamente quanto à falta de direitos humanos essenciais – como a saúde – sem assumir os erros e agir para corrigi-los? Vamos continuar a tapar o sol com uma peneira, a ver se passa por si só? É demasiado tarde para isso. A empatia é tramada. Trabalhar a empatia custa muito, dói cá dentro. Rebenta com o ego. Mas sem empatia, estamos a nos tornar uma espécie mais insensível, superficial e imediatista. Vamos acordar enquanto é tempo? Vamos praticar a empatia “à séria” e transformar o nosso bocadinho de Terra num lugar melhor? Bora lá.

bannerJoana

 

26
Fev19

Há que viver e escangalhar o telemóvel...


umarmadeira

ARTIGO DE PAULO SOARES D'ALMEIDA

conanosiris

Corria o ano de 1993 e Anabela, com apenas 16 anos, vencia o Festival da Canção com o icónico tema “A cidade (até ser dia)”. Em segundo lugar ficaria o autodenominado “mãe do rock português” José Cid em parceria com Paulo Bragança. O jovem fadista era uma figura controversa na época: as suas roupas, as junções musicais que fazia ou o (hoje tão comum) facto de cantar descalço chocaram com o meio mais conservador do panorama musical do país. Cid chegou mesmo a criticar publicamente a sua indumentária, afirmando que os risos e comentários que provocou fizeram com que o público se distraísse da canção.

Anos depois, o “anjo caído do fado” – alcunha dada por Fernando Ribeiro – abandona o país e a sua carreira musical. O descontentamento com a indústria e os lobbies que ajudavam a construir/destruir um artista, conjugado com tormentas pessoais, foram as razões que o levaram em busca de um mundo novo. Andou pelo Leste da Europa, por Inglaterra e, finalmente, estabeleceu-se em Dublin a trabalhar como funcionário público. Conheceu o luxo. Chegou, efectivamente, a ser sem-abrigo em Londres, onde foi espancado por ter um cartão melhor para dormir. Na Irlanda, acabou por estudar filosofia e dar aulas. Em 2017, a convite dos Moonspell regressou a Portugal e ao mundo da música, depois de mais de uma década de exílio.

Passados 26 anos, temos no palco do festival outra figura diferenciada. Vestido com um robe preto e com uma máscara dourada na face. A seu lado tem um dançarino em tronco nu, coberto de brilhantes a condizer com a joia facial do cantor que faz uma dança que é um mesclado de vários estilos. Ele canta sobre telemóveis – ou não - no concurso, mas também já dedicou músicas a borregos, à celulite ou à pastelaria. Mistura fado com música dos Balcãs, ritmos africanos, árabes, eletrónicos ou qualquer outro som, às vezes inesperado como um microondas, que se esbarre com ele no dia-a-dia. Tal como António Variações, Paulo Bragança ou qualquer outro que trouxe algo de novo, foi ostracizado. Mas são precisos mais como ele. Não só artistas, mas como pessoas: talentosas, genuínas, singulares e luminosas.

O seu nome artístico provém da série japonesa "Conan, o Rapaz do Futuro", do lendário Hayao Miyazaki, e do deus egípcio. E, talvez, seja mesmo o protótipo de ser humano do futuro que todos procuramos: sermos nós próprios e viver a fazer o que realmente gostamos.

bannerPaulo

22
Fev19

Fazer Acontecer


umarmadeira

ARTIGO DE MADALENA SACRAMENTO NUNES

oratória-falar-público-microfone

Já alguma vez experimentaram dar a vossa opinião numa reunião ou conversa e ninguém parecer ligar? Já se deram conta de que, passado pouco tempo, ouvem alguém a repetir o que vocês disseram, como se a ideia tivesse partido de si e não de vocês, sendo então essa ideia altamente aplaudida? Grrrrrr!!!!!

Já alguma vez se deram conta de que quando estão a expor um conceito ou ideia, outra pessoa vos interrompe, afirmando que explicam melhor, voltando a dissertar sobre o que vocês tinham estado a comunicar e retirando-vos o uso da palavra? Buuuffffff!!! Grrrrrrrr!!!

Já alguma vez experimentaram estar a falar e serem constantemente interrompidas ou interrompidos, sentindo que são sistematicamente ignoradas ou ignorados? Arre!!!! Buuufffff!!! Grrrrrr!!!!!

Já alguma vez saíram de uma reunião, com um sentimento de frustração monumental, sentindo que se estivessem num filme de desenhos animados as vossas orelhas deveriam estar a emitir um fumo explosivo e uns sons estridentes, tipo apito de um comboio? Humpffff!!! @#$#@$%$#!!!

Já alguma vez tiveram vontade de esbofetear alguém no fim de uma reunião ou de um grupo de conversa, mesmo que vocês se considerem pessoas do bem? 💣 💣 💣 ☠ ☠ ☠ 💣 💣 💣!!!!

Bem-vindos e bem-vindas ao mundo diário das pessoas mais tímidas, mas maioritariamente, ao mundo das mulheres. Sei como se sentem. Espero que também vocês percebam como eu me encontro muitas vezes… Se acham que isto vos acontece com alguma regularidade, não desistam de intervir e vejam algumas formas que podem ajudar a ultrapassar estas situações:

- Se forem vocês a conduzir uma reunião, não aceitem que as pessoas sejam interrompidas quando estão a usar da palavra;

- Se estão a usar da palavra e alguém decidir meter a colher, não o permitam. Continuem a falar, falem mais alto, ou interrompam e digam que poderão intervir quando vocês tiverem acabado;

- Preparem as vossas intervenções, evitando usar pausas longas. Alguém vai logo interromper, de certeza. Não lhes dêem essa oportunidade;

- Usem um tom de voz confiante, seguro e audível. Se for preciso treinem em casa, ou gravem com o telemóvel a vossa intervenção de preparação e… critiquem-se sem piedade, tentando perceber como podem melhorar a vossa exposição;

- Se tiverem pessoas na reunião que se sentem também ignoradas, ultrapassadas e forçadas a ouvir os outros, sendo-lhes retirada visibilidade, montem uma estratégia de solidariedade, como as mulheres na Casa Branca de Obama usaram – amplifiquem o que foi dito por um ou uma de vocês. Isto é: combinem antes que, quando alguma das pessoas do vosso grupo apresentar uma ideia, a outra pessoa a usar da palavra reforça o que foi dito, mencionando o nome do autor ou da autora da ideia;

- Não aceitem, de modo nenhum, ser interrompidas ou interrompidos. Façam-no com educação e algum humor, se conseguirem. Caso não consigam, deixem-se de pruridos, usem a assertividade e deem um “Chega p’ra lá!”

- Se queremos que a mudança aconteça, temos de fazer por isso. Tomem consciência da descriminação de que se sentem vítimas e pensem que deve haver outras pessoas a sentir o mesmo. Conversem, troquem ideias, mas não se fiquem pelos lamentos.

Arranjem aliadas e aliados. Façam diminuir a desigualdade e a descriminação todos os dias, em todos os pequenos e grandes momentos.

29537534707_f8c4a99c4e

07
Fev19

Responsabilidades Parentais e Género: o problema de um sistema judiciário machista


umarmadeira

ARTIGO DE VALENTINA SILVA FERREIRA

87644312

A parentalidade e as responsabilidades parentais parecem-me influenciadas por uma cultura machista e patriarcal. A forma como a sociedade encara o papel da mulher, enquanto mãe, e do homem, enquanto pai, é bastante díspar. Os processos de regulação das responsabilidades parentais materializam um rol de estereótipos que têm contribuído para essa realidade, qual bola de neve. A ver: à mãe são dados os sinónimos de colo e ternura, garantia de cuidados e proteção, a que trata da casa e da família; ao pai são apontados os momentos de brincadeira, um maior desapego afetivo e o sustento financeiro.

Foi assim durante imensas décadas; ainda o é hoje, apesar das magníficas mudanças que têm acontecido, nomeadamente no que respeita à distribuição de tarefas domésticas e cuidados com os/as filhos/as, nos casais mais jovens. Acontece que, no âmbito da atribuição das responsabilidades parentais, em processos de divórcio, a criança é praticamente reduzida a um objeto de processo judicial e deixa, nesse momento, de ter direito a uma mãe e a um pai, na sua total amplitude. O “superior interesse da criança”, mormente citado no decorrer destes processos, surge, quanto a mim, como um conceito extremamente vago. A mulher dificilmente atingirá plena igualdade de direitos e oportunidades no trabalho enquanto a ela estiver garantida, de forma quase exclusiva, o cuidar dos filhos. Mais acrescento: tendo em conta a maior debilidade socioeconómica das mulheres numa situação de separação e ficando estas com maior sobrecarga com o sustento das crianças e dependentes do cumprimento das prestações alimentares a cargo dos progenitores, mantem-se o ciclo de subalternização do seu papel na família e na sociedade.

O feminismo em que eu acredito, e pelo qual ativamente batalho, combate pela entrada em condições de igualdade do homem nas tarefas parentais, isto é, a criança tem o mesmo direito a ter mãe e pai, incluindo situações de atribuição de responsabilidades parentais. Em Portugal, num estudo feito por Maria Francisca Cunha (2015), para analisar as razões que levam os/as magistrados/as a definir a guarda das crianças, as hipóteses apresentadas pelo leque de participantes foram as seguintes: “A criança deverá ficar a residir com a mãe e ter fins-de-semana alternados com o pai” (46,9%) e “parecem estar reunidas as condições para se fixar um regime de residência alternada”(53,1%). Repare-se que residir com o pai, com fins-de-semana alternados com a mãe, não foi colocado como hipótese. Em relação à relevância dos critérios para a tomada destas decisões, foi concluído que o critério que teve maior importância foi “cuidados básicos prestados pelos progenitores” (53,1%). No que concerne às questões do género – ser pai e mãe – os/as participantes centraram um maior número de respostas (40,6 %) na opinião “nada relevante”.

São dados interessantes mas que não apontam para uma explicação, então, de ser, quase sempre, a mãe a indicada como a que melhor provém os cuidados básicos à criança. Este estudo também analisou que o sexo dos/as magistrados/as não conduz a diferenças significativas na acuidade atribuída a nenhum dos critérios de tomada de decisão. O estudo aponta, ainda, a algumas crenças que juízes apresentam na justificação da sentença, tais como, “é normal e natural que uma criança com apenas 2 anos de idade tenha uma ligação mais próxima com a mãe do que com o pai, pois é a mãe que ao longo desse tempo, em princípio, lhe tem dispensado mais atenção” e “As mães têm muita dificuldade em cortar o cordão umbilical o que dificulta muito a saída da criança do seu ninho”. Será mesmo assim? Será que mães e pais não terão, se assim for construído desde o nascimento, a mesma ligação com a criança? Será que mães e pais não terão a mesma apetência para garantir os cuidados básicos? E, mais importante que tudo, não deveria ter a criança, em situação de divórcio, já por si avassaladora, a garantia da presença de ambos? Claro que cada caso é um caso – e cada casa é uma casa. Repare-se em duas situações em que as coisas devem ser ponderadas de forma especialmente complexa: quando existe forte e persistente conflito entre os progenitores; e quando foram feitas queixas de violência doméstica e/ou abuso sexual de menores.

Porém, tirando estas duas exceções, dentro das paredes da sala de tribunal as decisões são tomadas de forma realmente apartada das questões de género? O que consigo concluir é que o género resulta da estruturação do funcionamento da sociedade, consequentemente da ideologia dos/as magistrados/as e da forma como interpretam as leis.

Está mais que na hora de se começar a alterar a existência dos estereótipos do pai provedor e da mãe cuidadora. Está mais que na hora de se olhar para a criança enquanto ser individual e não como mero objeto judicial.

bannerValentina

28
Jan19

Cromo-determinismo


umarmadeira

ARTIGO DE CLÁUDIO PESTANA

damares

Segundo a nova ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos do Brasil, Damares Alves, iniciou-se uma nova era naquele país de língua oficial portuguesa, uma era em que o menino vestirá azul e a menina vestirá cor-de-rosa. Este cromo-determinismo (escusam de procurar no dicionário) à brasileira é sinónimo do iluminismo democrático em que tendencialmente os vencedores eleitorais se julgam donos da verdade e representantes de Deus na terra e vai daí toca a desbobinar ideias mirificas e incutir os seus respectivos ideais nos seus países condenando os homens, mulheres e crianças às loucuras doentias com que diariamente vivem. Da minha parte, no caso de lá viver, já estaria a fazer contas à vida. Isto porque tenho três camisas cor-de-rosa das quais não gostaria de me desfazer nem ter de as tingir de azul.

Ironias à parte, ainda me lembro de ouvir o Maduro dizer que falou com um passarinho e este lhe disse que era a reencarnação de Hugo Chávez e eu, sendo inocente como sou, acredito cegamente que um povo deve ser liderado por gente desta índole, gente que fala com pássaros, gente que retrocede os avanços na igualdade de género e gente que rejeita as evidências.

Afinal de contas, sejamos pragmáticos, Deus enviou os dez mandamentos pela mão de Moisés e não pela mão de Darwin e isto só me diz que eu devo confiar cegamente nos enviados de Deus e não nos errantes deste mundo cruel e mortal.

Ora, eu sei que Bolsonaro foi enviado dos céus para melhorar o estilo de vida do Brasil e impor a ordem “em nome da moral e dos bons costumes” mas determinar uma criança a uma cor por causa do seu género é retroceder cem anos de avanços e conquistas feministas.

Passámos décadas a tentar erradicar o preconceito em relação ao género para agora nos cair dos céus esta gente que não se sabe bem se já nasceram assim ou se foram modificados geneticamente para se tornarem numa espécie de antimatéria humanística contrariando o sentido da maré. O menino não tem que vestir azul nem tem que ser ensinado a ser bruto como um homo sapiens; a menina não tem que vestir rosa nem tem que ser submetida à vontade do menino.

Como em todo o lado há sempre um saudosista que se recorda dos “bons” velhos tempos em que o género era um determinismo o que só nos deve relembrar que a liberdade nunca é uma garantia mas sim um motivo para continuar a lutar.

Com um eminente triunfo dos porcos à escala mundial protagonizado por Bolsonaros, Damares, Trumps, Maduros, Machados, Le Pens entre outros resta-me esperar que tudo tenha um fim e concluir o meu artigo da mesma forma que Dostoiévski concluiu o seu “Jogador”: “Amanhã, amanhã acabará tudo!”

bannerclaudio

18
Jan19

Situação das mulheres pelo mundo...


umarmadeira

ARTIGO DE CONCEIÇÃO PEREIRA

GettyImages_1083137570.0

Rahaf Mohammed Al-Qunun está está neste momento sob a protecção do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, uma vez que fugiu da sua família que a obrigava a casar sem o seu consentimento. Ela pediu protecção porque, segundo a mesma, os pais a matariam por ter fugido de um casamento que a família planeou para ela. Quem tem uma família destas tem de fugir para bem longe e procurar a sua libertação.

O casamento por obrigação foi instituído há muitos milhares de anos, quando os humanos começaram a cultivar terras e os homens sentiram necessidade de deixar os seus bens aos seus descendentes. Daí se constituíram contratos de casamento, combinados entre os pais dela e dele, cujo fim prioritário era ser exclusiva daquele homem e dar-lhe filhos, que mais tarde seriam os seus herdeiros. O marido não tinha nada que respeitar essa exclusividade e poderia ter encontros sexuais com outras mulheres.

Passados tantos milhares de anos, ainda há sociedades em que os casamentos são arranjados pelos pais, com carácter obrigatório. Mais; Segundo notícias vindas a público, há famílias que vendem meninas, às vezes com menos de 10 anos, para receberem dinheiro e satisfazerem manias sexuais de homens monstruosos, que chegam a matá-las sob os seus actos sexuais. Em muitos países do mundo as meninas são submetidas à mutilação sexual e, se não morrerem dessa intervenção bárbara, terão muitos problemas quando derem à luz os seus filhos.

Já estamos a viver no Séc XXI, os humanos elevaram os seus inventos às mais diversas áreas, até no espaço, têm feito descobertas impensáveis nas áreas tecnológicas, por exemplo e, ao mesmo tempo, ainda subsistem mentalidades tão absurdas, muitas lavradas em leis, como obrigar raparigas a casar, vender meninas com 8 anos de idade, proibir raparigas de frequentarem a escola, como a Iala e por aí adiante.

Porquê? Como é que as mulheres, constituindo metade da Humanidade, promotoras da vida e, em grande parte, responsáveis pela educação dos filhos e filhas, ainda não foram capazes de se libertar, não apenas algumas em nome individual, mas em conjunto desfazerem as muitas tradições que permitem os maus tratos, violações e muitas outras barbaridades bastante arreigadas nas mentes de tanta gente?

Estão a aparecer alguns sinais que podem constituir uma brecha por onde se possa entrar e abrir caminho. Na Índia, país dividido por castas e tantas tradições maléficas e opressoras, mulheres manifestaram-se, cerca de 5 milhões, formando um cordão de muitos quilómetros. Nós, mulheres ocidentais, que já adquirimos mais direitos cívicos e sociais que as mulheres indianas, devemos apoiá-las e divulgar as suas lutas.

Em França, depois das manifestações dos coletes amarelos (homens) que assustou o Governo Francês, manifestaram-se mulheres de coletes amarelos, lutando como os homens, mas com uma grande diferença: não se confrontaram com a polícia nem causaram destruições. Uniram-se, manifestaram-se e apresentaram as suas reivindicações.

Estamos a viver momentos muito difíceis: racismo, discriminações várias, desigualdades profundas, violências dos mais fortes contra os mais fracos, as corrupções surgem diariamente donde menos se esperava, os salários mais baixos são muitíssimos distantes dos mais altos, a pobreza agrava-se cada vez mais porque os poderosos açambarcam tudo o que podem e o que não podem, deixando grande parte da humanidade desamparada.

E que fazemos nós, mulheres comprometidas por uma sociedade mais justa, equilibrada, sem machismo e onde todos e todas possam ser felizes? Se houver vontade, determinação, união de esforços, construiremos esse mundo onde possamos viver em PAZ, TRANQUILIDADE e AMOR entre os seus humanos. Vamos começar a construir esse mundo neste ano de 2019.

bannerConceição

11
Jan19

Star Wars e o Feminismo


umarmadeira

ARTIGO DE JOANA MARTINS

06.jpg

A minha infância foi fortemente influenciada por filmes icónicos de ficção científica, aventura e fantasia, que o meu pai partilhava comigo. Dos quais, tenho que salientar a saga Star Wars, ou Guerra das Estrelas. Vi os primeiros três filmes em cassete VHS, alugada no clube de vídeo mais próximo de casa, pela primeira vez, quando tinha apenas 6 anos. Resta acrescentar que as cassetes pouco pararam no clube de vídeo durante alguns meses…

Perguntar-se-ão, o que tem a ver Star Wars com o feminismo e a igualdade de género? Algumas pessoas dirão que as personagens principais, da saga mais antiga, eram homens. Sim, é verdade. Mas uma personagem feminina destacou-se, sendo a única mulher num trio de protagonistas. Falo da Princesa Leia, ou Leia Organa. Em primeiro lugar, a Leia não representava em nada o estereótipo duma princesa. A sua personagem era uma mulher independente, empoderada, revolucionária. Levava consigo uma arma, que utilizava sempre que necessário para se defender e aos seus companheiros. Era “senhora do seu nariz”, uma General lutando pelo seu povo, contra um Império Galático ditatorial, feito apenas de homens, tenebroso e terrorista.

Não era uma princesa a precisar de alguém que a salvasse – de facto, ela própria ironiza com isso no Episódio IV. Leia salvou-se a si própria em imensas situações, assim como aos seus companheiros. Até nos filmes se defendeu de assédio do seu futuro companheiro, Han Solo, e só quando quis, é que permitiu a sua aproximação. Ajudou a liderar uma rebelião – que, por sua vez, tinha como líder também uma mulher, a Mon Mothma.

Cresci com a Leia no meu imaginário, chegando a reproduzir em mim os seus célebres penteados. Inspirava força a meninas como eu, a crescer sem baixar a cabeça, a lutar por ideais, a não seguir estereótipos. Apesar disso, a indústria cinematográfica, habituada às típicas donzelas à espera de serem resgatadas por príncipes encantados, às mulheres estereotipadas, ainda fez com que Leia tivesse que vestir um biquíni dourado ao ser escravizada pelo infame Jabba the Hutt no Episódio VI. Aparentemente, teria havido uma cedência. Mas, no alto do seu biquíni dourado, Leia mata Jabba, estrangulando-o com a corrente que a prendia. E logo, consegue se libertar. Quebrando o estereótipo da mulher frágil, fraca, à espera de ajuda.

Ao descobrir, pela primeira vez, que a Força também estava presente nela, e não apenas em personagens masculinas, fiquei feliz da vida. Porque brincava de Jedi com paus de vassoura no quintal da minha avó, imaginando se também haveria alguma mulher Jedi. Ao longo de anos, fui imaginando uma continuação da história de Star Wars, onde Leia se tornaria uma poderosa Jedi, o que foi até retratado em alguns livros que saíram posteriormente aos filmes. Infelizmente, a Disney escolheu outro caminho para Leia.

Não podemos menosprezar a ficção, porque esta tem um grande alcance, e transmite mensagens que influenciam positiva ou negativamente várias gerações, tal como servem de espelho para o que se passa no mundo, contemporaneamente. Com a quebra de tantos paradigmas, Leia tornou-se um ícone feminista. Foi, sem dúvida, a personagem feminina com mais impacto em Star Wars – sem menosprezar a sua mãe, a Senadora Padmé Amidala, ou a atual protagonista, Rey. Porque foi uma mulher/personagem à frente do seu tempo e mostrou ao mundo, em 1977, que as mulheres são capazes de tudo o que quiserem.

Infelizmente, a atriz Carrie Fisher faleceu consequência dum ataque cardíaco em 2016. Fica aqui a minha homenagem, tardia, e gratidão por ter encarnado Leia, uma personagem que tanto marcou a minha infância e juventude.

bannerJoana

17
Dez18

A Mulher e o Humor


umarmadeira

ARTIGO DE PAULO SOARES D'ALMEIDA

MRSM_S1_Hero._CB514743414_SX1080_

Estes dias, assisti à segunda temporada da maravilhosa série The Marvelous Mrs. Maisel. Passada no final dos anos 50, em Nova Iorque, o enredo acompanha o percurso de Midge, dona de uma vida bastante confortável: tinha dinheiro, dois filhos catitas e um homem que provocava inveja. Para a época, isso era o socialmente exigido às mulheres.

Tudo muda, no entanto, quando a protagonista experimenta fazer stand-up. A família não aceita ver uma mulher ter aquela postura, citando ser “inadequada e vergonhosa”. Os seus companheiros lidam muito mal com o facto de um ser-humano-não-portador-de-pénis ser melhor que eles. Mas Midge vai atrás do seu sonho, com a sua tresloucada agente, ignorando os julgamentos a que é sujeita. Para os maiores fãs de comédia, temos também um easter egg, que é Lenny Bruce. Sim, o lendário e corrosivo humorista é representado na trama e é um dos grandes aliados da personagem principal.

Na história do humor há uma prevalência enorme no número de homens comparativamente ao de mulheres. As razões já foram muito discutidas: há quem diga que se deve ao facto de a mulher ter que ser mais séria para a terem em consideração devido à máxima do “muito riso, pouco sizo”; para outros deve-se a que quando uma menina, na escola, brinca muito é excluída por ser a “palhacinha” - mesmo por outras mulheres.

Também há quem afirme que as que conseguem alguma visibilidade, perdem o interesse do público porque falam muito de “assuntos de mulheres”, que os homens têm menos medo de se submeter ao ridículo e, outros, como Hitchens, afirmam que o humor é desenvolvido como arma de sedução e, segundo ele, as mulheres têm outras armas para isso, ficando os homens com essa tarefa para cativar o sexo oposto.

Em Portugal, sempre tivemos excelentes actrizes de comédia, como Ivone Silva, Maria Matos, Mirita Casimiro, Maria Rueff, Ana Bola, entre outras tantas. Actualmente, há um grande leque de humoristas, com diversos estilos e capacidades, seja stand-up comedians, argumentistas ou locutoras, como Cátia Domingues, Joana Marques, Mariana Cabral, Joana Gama, Catarina Matos, Susana Romana ou Marta Bateira, que se juntam às últimas duas citadas. Felizmente, temos cada vez mais mulheres a fazer humor. Mais e melhor.

bannerPaulo

14
Dez18

Preconceito e Realidade


umarmadeira

ARTIGO DE ASSUNÇÃO BACANHIM

4-Álcool-Natal-1200x675_c

O período que estamos a viver é do de preparação para o Natal. Mas, por outro lado, temos um grave problema que assola a nossa Região, a violência de género, que voltou a agravar-se no presente ano. Embora as entidades oficiais digam estar a fazer tudo o que está ao seu alcance para minimizar o problema, ela está presente todos os dias, em todos os lugares, nas famílias, na rua, no desporto, no trabalho, na política, na comunicação social, em todas as classes sociais, enfim, em todas as vivências sentimos e pressentimos violência. Ela aparece e reaparece, como um incêndio em dia de vento.

Tudo serve de pretexto para incriminar, agredir, acusar, despedir e explorar. E as principais vítimas são, na sua maioria, as mulheres e as crianças. A violência doméstica, em muitos casos, tem uma ligação estreita com outras expressões de violência, directa e indirecta contra as mulheres, desenvolve-se em todas as vertentes sociais, entram facilmente nas famílias através do tradicional machismo, alimentado sobretudo pelo álcool e outras substâncias. O desemprego, a perda de trabalho, os baixos salários, a precaridade elevada e a pobreza laboral, continuam a empobrecer e são as mulheres que continuam a auferir maioritariamente o salário mínimo e a receber as mais baixas pensões de reforma. São ainda vítimas de pressão e intimidação e sujeitas as diversas formas de assédio no trabalho, bem como a algumas doenças profissionais, que efecta maioritariamente as mulheres.

O álcool também contribui para uma guerra permanente em casa de muitas famílias madeirenses e a destruir muita gente. Um dia destes dizia-me um jovem: eu queria que o meu o pai deixasse de fumar e de beber e que acabasse a guerra entre pais e filhos. Dei por mim a pensar onde está a origem de tanta violência, porque sempre houve pessoas violentas, mas hoje os problemas atingem maior dimensão. A qualquer momento podemos ser agredidas, assaltadas, a insegurança é uma constante no mundo actual.

Há quem diga que é necessário humanizar as famílias. Mas como? Com esmolas e trabalho sem direitos? Com um ensino que está a deixar à margem os filhos dos mais pobres, os menos inteligentes e pouco motivados? Numa sociedade baseada nos valores do lucro, onde os donos do dinheiro apenas se preocupam em ganhar dinheiro e os governantes apenas governam ao sabor desses interesses financeiros, naturalmente que tudo fica desumanizado, dentro e fora das famílias. É preocupante a desenfreada promoção das bebidas alcoólicas, do aumento de bares, esplanadas e tabernas junto de Escolas e até de Igrejas, nesta quadra para atrair fiéis é com comes e bebes.

Enquanto isso, muitas mulheres têm sido remetidas para casa, perdendo a sua capacidade económica e tornando-se cada vez mais pobres e dependentes dos seus familiares, tornando-se cada vez mais pobres e a terem que estender a mão à caridade pública e outras a venderem o seu próprio corpo para sobreviverem. Temos o dever de ajudar a prevenir a violência e de exigira protecção adequada às mulheres vítimas de violência. As Instituições devem contribuir para a mudança de mentalidades que é necessária na nossa sociedade, em que ainda se legitima muita violência que se abate sobre a mulher, particularmente na nossa Região, mesmo sendo crime público.

Há que intervir para uma mudança de mentalidades e no respeito dos Direitos Humanos, que muitos ou quase todos dizem defender, mas que uma larga maioria os viola todos os dias, a começar pelo aconchego do próprio lar.

bannerassuncao