Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Feminismos é Igualdade

07
Set20

Avanço ou retrocesso?


umarmadeira

ARTIGO DE GUIDA VIEIRA

futuro-pos-pandemia

Este ano de 2020 está a colocar desafios novos em todos os sentidos. Ou em nome da pandemia que percorre o mundo, devido a um vírus para o qual não foi encontrada a cura, se aceita retroceder nas liberdades, direitos e garantias, das e dos cidadãos ou, então, levantamos a cabeça, arregaçamos as mangas e não deixamos que isso aconteça.

Eu opto sempre pelo caminho de agir e não deixar de trabalhar naquilo em que acreditamos. Se achamos que o mundo continua desigual no que toca aos direitos das mulheres e de todas as pessoas que se sentem discriminadas ou marginalizadas por serem diferentes, quer seja na cor, orientação sexual, deficiência, etc., temos que continuar o nosso trabalho.

Não pode ser como era antes da pandemia; então, encontremos as novas formas de comunicar com a sociedade, mas vamos à luta que já se faz tarde. Não deixemos que este problema sanitário nos retire os recursos para fazermos o nosso trabalho na prevenção de todas as formas de violência e discriminação contra as mulheres e todos os seres humanos. Continuemos a exigir que o tema da importância da igualdade de género não saia das agendas de quem tem o poder nas mãos, porque são eles que também têm os recursos para apoiar quem trabalha nesta área.

Neste momento, a Região não tem nenhum plano aprovado contra a violência doméstica. O anterior já caducou com o governo que antecedeu. No entanto, os casos aumentam e, agora, de forma mais sorrateira, vão surgindo notícias de espancamentos de mulheres, de entradas nas urgências sem nunca mencionar o termo violência doméstica. Noticiam: “Uma mulher foi brutalmente agredida”; “Uma mulher foi às urgências com vários ferimentos na cara e no corpo”, etc., nunca mencionando o que causou essa situação. Fica nos segredos das quatro portas, para dentro, para onde estão e voltam a estar as mulheres.

Não há pandemia que possa parar o que tem que ser feito. Tenho ouvido muitas reivindicações, mas ainda não ouvi quem fale na necessidade de não baixar a guarda sobre este grave flagelo. Os Governos, Central e Regional, têm que colocar na agenda a prevenção e a ação contra a violência, como uma prioridade muito importante da sociedade. As Associações que trabalham nesta área não podem ficar despidas de recursos, porque o seu trabalho é uma ajuda fundamental para a efetivação dos direitos humanos que, se saiba, não foram suspensos devido à pandemia.

O trabalho voluntário das Associações tem limites, em vários sentidos. Os recursos humanos estão mais limitados, sobretudo das pessoas consideradas de risco, e há trabalho que tem que ser mesmo remunerado porque toda a gente precisa de ter recursos financeiros para viver.

Todo o trabalho na defesa dos direitos humanos devia ser considerado um investimento primordial dos orçamentos governamentais e devia ser distribuído por quem faz um verdadeiro trabalho para que a sociedade se torne mais tolerante, respeitadora, em que todos os seres humanos possam ser felizes e iguais. Alguns/umas continuam a dizer que isto é uma utopia, mas eu acredito piamente nela e agarro-me a ela para continuar a lutar por um mundo melhor e mais justo.

bannerGuidanovo

 

08
Jun20

E agora, como vais fazer?


umarmadeira

ARTIGO DE MARGARIDA PACHECO

violencia-domestica-1555342031177_v2_900x506

Estamos a passar uma fase de mudança em todo o mundo. Com a pandemia, o medo, a angústia e a incerteza face ao futuro levaram a mudanças na escola, na família, no trabalho, nas relações interpessoais e na forma como entendemos a nossa realidade.              

Durante a quarentena confrontamo-nos com a história da Valentina, uma criança que morreu vítima de maus tratos por parte do seu pai. Devido a este caso, a preocupação com a negligência e com a violência contra as crianças (que sempre esteve presente), ecoou novamente na sociedade portuguesa. Já em fase de desconfinamento, enquanto que em Portugal nos deparávamos com o femicídio da Beatriz, nos Estados Unidos da América as pessoas revoltavam-se com o assassinato de George Floyd. Após dias de protestos, muitas iniciativas e milhares de pessoas nas ruas em vários países do mundo contra o racismo, recebemos a notícia do Brasil, da morte do Miguel, uma criança de 5 anos que morreu vítima de negligência por parte da proprietária da casa onde a sua mãe trabalhava.

Será que podemos ligar o homicídio da Valentina, o femicídio da Beatriz, o assassinato do George Floyd nos Estados Unidos da América e a morte do Miguel no Brasil? Uma coisa é certa, não se pode pensar nestes casos como isolados. Agora, mais do que nunca, o feminismo é chamado a refletir sobre todas as formas de violência de uma forma interseccional. Cada uma destas pessoas morreu porque foi vítima de um sistema patriarcal, sexista, misógino, racista, heteronormativo e classista, que assenta numa matriz de dominação de diversos grupos sociais e, como tal, constitui-se como um fenómeno transversal aos vários contextos de vida de crianças, adolescentes e adultos/as.

As diferentes formas de violência presentes nestes casos mais mediáticos são exemplos que constituem dimensões específicas da violência estrutural, cultural e simbólica. Estas mortes decorreram da estrutura social que posiciona diferentes grupos em termos de poder e privilégios. Esta divisão é exercida através de várias formas de dominação, discriminação, opressão, exclusão, preconceito e desvantagem. O privilégio que uma parte da sociedade tem em relação a outra é indiscutível. Mas como podemos usar esse privilégio para promover a igualdade, liberdade e prevenir a violência, a opressão, o preconceito e a discriminação? Cada pessoa luta à sua maneira, com as suas possibilidades e as suas escolhas, seja pelas redes sociais, nas ruas, na hora de votar, na conversa com amigos/as e familiares ou no seu local de trabalho. Não há uma forma mais correta de ativismo do que outra. O mais importante é que não fiquemos calados/as, que não sejamos indiferentes, que não continuemos a fingir que à nossa volta está tudo bem e que não nos pronunciemos só quando acontece connosco ou com pessoas que nos são próximas. Todas as desigualdades têm um impacto na vida de todos/as nós e na sociedade em geral. 

Na fase de maior incerteza pela qual o mundo já passou, em que milhares de pessoas continuam a morrer todos os dias e outras estão nas ruas a lutar pelas suas e pelas nossas vidas, é tempo de nos educarmos, exigirmos de nós e dos outros/as mais e melhor, exigirmos os direitos de todas as pessoas e pensarmos criticamente sobre os problemas sociais. 

Enquanto mulher, feminista, ativista e educadora estou na luta por um mundo mais igualitário e menos violento. E agora, como vais fazer?

bannerMargarida

 

23
Nov19

Violência sobre as mulheres: A sociedade está errada!


umarmadeira

ARTIGO DE CÁSSIA GOUVEIA

5-yasindaki-cocuga-cinsel-istismar-iddiasi-h1556078467-6eedc1

Na próxima segunda-feira, dia 25 de novembro, assinala-se o Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres, e em um país onde mais da metade da população é constituída por mulheres, será que somos só nós, feministas, que reconhecem a nossa sociedade como errada?

Ora vejamos: se todos os anos continuamos a evocar este dia e a homenagear as dezenas de mulheres assassinadas, a sociedade está errada e estamos a falhar.

O ano de 2019 está manchado por uma onda de sangue: 28 mulheres foram assassinadas. É esta a triste realidade do nosso país. Entre 2004 e 2019, 531 mulheres perderam a vida às mãos de assassinos.

A verdade é que a violência doméstica é um problema grave que afeta mais mulheres do que as estatísticas revelam. As vítimas não são simples números, são mulheres que não têm a proteção devida das leis existentes. Temos urgentemente que acabar com esta violência que atinge as mulheres dentro da própria casa.

A sociedade está errada quando silencia os gritos que ouve, a sociedade está errada quando diz que entre marido e mulher ninguém mete a colher “porque os problemas são deles, eles que resolvam”. Não! O problema não é deles, é nosso, é de todos e todas, e metam sim a colher! A violência doméstica é um crime público e a sociedade está errada quando ignora e não denuncia.

A sociedade está errada quando desculpa a violência doméstica com o desemprego, com o alcoolismo, com a toxicodependência, com problemas mentais, com o ciúme, entre muitas outras justificações que se vão ouvindo aqui e acolá.

Que forma de ignorância é esta? A violência não é exclusiva de certas classes sociais, a violência é transversal a qualquer classe e a qualquer idade! Que sociedade é esta, que insiste em inferiorizar as mulheres? Que sociedade é esta, que permite que uma mulher seja agredida e insultada? O que acontece com as queixas que são feitas? Que modelo social pretendemos, quando o agressor é levado a julgamento e o juiz atenua a pena, ou na maioria das vezes nada acontece e é a vítima que tem de fugir apenas com a roupa do corpo? Ou, por exemplo, quando um juiz cita a Bíblia para desvalorizar as vítimas de alegada violência doméstica, e quando um juiz afirma que "uma simples ofensa à integridade física, está longe de poder considerar-se uma conduta maltratante suscetível de configurar violência doméstica", aqui percebemos o quanto ainda há por fazer, aqui percebemos o quanto a nossa sociedade está errada.

A sociedade está errada, quando não é capaz de entender que as mulheres têm os mesmos direitos, que podem decidir sobre o seu corpo, que podem lutar por uma vida sem medos. A sociedade está errada, quando não aceita o empoderamento das mulheres.

É urgente a mudança de mentalidades, é urgente lembrar a cada instante o primeiro artigo da Declaração Universal dos Direitos Humanos “Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade”. Enquanto este artigo não passar do papel à prática, continuaremos a viver numa sociedade machista, numa sociedade errada.

Enquanto a lei não for praticada pelos tribunais, continuaremos a ter vítimas silenciosas nesta sociedade errada que olha para o lado, insensível à dura realidade de mulheres magoadas e sem ajuda.

A sociedade precisa aceitar que temos um grave problema em mãos e que precisamos de agir. E não é depois, é já!

bannerCassianovo

 

16
Nov19

Um mundo de desigualdades, onde são as mulheres e crianças quem mais sofre, onde crescem as ameaças aos direitos das mulheres


umarmadeira

ARTIGO DE MANUELA TAVARES

charge-desigualdades-sociais128550

 

Assistimos a momentos políticos e sociais muito preocupantes.

Perante um mundo de desigualdades crescentes, crescem as forças populistas de extrema direita que representam uma ameaça às liberdades, à democracia e aos direitos das mulheres.

Sabemos que os gritos de revolta de quem é espezinhado, de quem não tem casa para viver ou pão para comer são aproveitados por quem quer impor ditaduras disfarçadas de resolução dos problemas prementes.

As mulheres e as crianças são quem mais sofre com este cenário político e social.

As forças fascizantes envolvem os seus discursos de que os feminismos dão cabo das famílias, que não garantem os direitos destas. O que se passa é que essas forças defendem que as mulheres se devem dedicar totalmente aos maridos e filhos, deixem de ser elas próprias, tal como acontecia na ditadura salazarista de triste memória.

A extrema-direita em Espanha, que cresceu imenso nas últimas eleições, quer eliminar as leis de proteção às mulheres vítimas de violência. Para eles, a violência não significa morte, assassinatos. Significa apenas “arrufos” entre marido e mulher e querem voltar ao antigamente que “entre marido e mulher que ninguém meta a colher”.

Estas forças ultraconservadoras querem também dominar as escolas. Querem que qualquer programa de prevenção da violência ou de promoção da igualdade seja analisado por comissões de encarregados da educação. A escola, os/as professores/as, os estudantes não têm opinião para essa gente que veio para fazer com que as conquistas civilizacionais voltem para trás.

Quanto mais as desigualdades e a pobreza crescem, mais estas forças ganham terreno.

Lutar para a eliminação das desigualdades que geram pobreza e falta de direitos é uma obrigação de cada um/a de nós.

As feministas têm nesta luta um papel fundamental.

bannerManuelanovo

 

11
Fev19

A pobreza, a exposição à violência e as leis que não saem do papel


umarmadeira

ARTIGO DE LUÍSA PAIXÃO

pobreza

O risco de pobreza que atinge a nossa sociedade é escandaloso e constitui uma das maiores provas da crueldade humana, sobretudo porque faz as suas vítimas entre os grupos mais frágeis, nos quais se incluem aqueles que sofrem todo o tipo de violência, nomeadamente a violência doméstica, que, em Portugal, continua a alastrar de forma assustadora, apesar de todos as batalhas travadas, e de toda as leis criadas, pois a aplicação das mesmas esbarra, sistematicamente, com a força dos modelos tradicionais da sociedade patriarcal que continua a dominar.

É essa tradição secular que castiga duplamente as vítimas, que deveriam encontrar segurança e proteção no sistema judicial para prosseguirem as suas vidas, mas, em vez disso têm de lutar para se defenderem de um sistema que as fragiliza ainda mais, deixando-as em risco.

Num contexto de violência doméstica, não podemos negar que a pobreza está maioritariamente associada ao desemprego das mulheres, resultante da pressão social que as levou a optarem pela vida familiar em detrimento de uma carreira profissional; às desigualdades salariais, resultantes de discriminações várias, e à grande injustiça que é a não contabilização do trabalho doméstico para a economia familiar e do país, nomeadamente o papel de cuidadoras, que é automaticamente atribuído às mulheres, dentro do universo familiar e que as impede, tantas vezes, de desenvolver uma carreira.

Todas estas situações contribuem para os riscos de pobreza das vítimas, entre as quais, não esqueçamos, se incluem os filhos. No entanto, mesmo quando o contributo das mulheres para a economia familiar em termos monetários é preponderante, continuam as ser elas e as suas crianças que correm mais riscos de pobreza, pois, em qualquer uma das situações o/a agressor/a fica na casa de família, perpetuando, assim, o poder que tem sobre a vítima.

Mau grado esta realidade com que nos deparamos todos os dias, a luta pela igualdade continua a ter um papel secundário em todas as organizações, com a perigosa e falaciosa constatação de que o tratamento desigual está a desaparecer.

Se dúvidas houver do quanto há ainda a fazer, olhemos à nossa volta. No nosso país, onde vigora uma democracia, baseada numa constituição recheada de leis que nos deviam defender, a violência doméstica mata, o machismo mata. Mas o mundo é uma aldeia, lancemos também o olhar para longe, para outros países e veremos o assalto ao poder daqueles que defendem um retrocesso nos direitos alcançados, pondo em causa direitos que levaram séculos a conseguir, e veremos que a luta continua a ser urgente e necessária, sobretudo por uma intervenção judicial que não desvalorize a violência doméstica ou qualquer outra forma de violência com base em preconceitos ou estereótipos.

bannerLuisa

18
Jan19

Situação das mulheres pelo mundo...


umarmadeira

ARTIGO DE CONCEIÇÃO PEREIRA

GettyImages_1083137570.0

Rahaf Mohammed Al-Qunun está está neste momento sob a protecção do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, uma vez que fugiu da sua família que a obrigava a casar sem o seu consentimento. Ela pediu protecção porque, segundo a mesma, os pais a matariam por ter fugido de um casamento que a família planeou para ela. Quem tem uma família destas tem de fugir para bem longe e procurar a sua libertação.

O casamento por obrigação foi instituído há muitos milhares de anos, quando os humanos começaram a cultivar terras e os homens sentiram necessidade de deixar os seus bens aos seus descendentes. Daí se constituíram contratos de casamento, combinados entre os pais dela e dele, cujo fim prioritário era ser exclusiva daquele homem e dar-lhe filhos, que mais tarde seriam os seus herdeiros. O marido não tinha nada que respeitar essa exclusividade e poderia ter encontros sexuais com outras mulheres.

Passados tantos milhares de anos, ainda há sociedades em que os casamentos são arranjados pelos pais, com carácter obrigatório. Mais; Segundo notícias vindas a público, há famílias que vendem meninas, às vezes com menos de 10 anos, para receberem dinheiro e satisfazerem manias sexuais de homens monstruosos, que chegam a matá-las sob os seus actos sexuais. Em muitos países do mundo as meninas são submetidas à mutilação sexual e, se não morrerem dessa intervenção bárbara, terão muitos problemas quando derem à luz os seus filhos.

Já estamos a viver no Séc XXI, os humanos elevaram os seus inventos às mais diversas áreas, até no espaço, têm feito descobertas impensáveis nas áreas tecnológicas, por exemplo e, ao mesmo tempo, ainda subsistem mentalidades tão absurdas, muitas lavradas em leis, como obrigar raparigas a casar, vender meninas com 8 anos de idade, proibir raparigas de frequentarem a escola, como a Iala e por aí adiante.

Porquê? Como é que as mulheres, constituindo metade da Humanidade, promotoras da vida e, em grande parte, responsáveis pela educação dos filhos e filhas, ainda não foram capazes de se libertar, não apenas algumas em nome individual, mas em conjunto desfazerem as muitas tradições que permitem os maus tratos, violações e muitas outras barbaridades bastante arreigadas nas mentes de tanta gente?

Estão a aparecer alguns sinais que podem constituir uma brecha por onde se possa entrar e abrir caminho. Na Índia, país dividido por castas e tantas tradições maléficas e opressoras, mulheres manifestaram-se, cerca de 5 milhões, formando um cordão de muitos quilómetros. Nós, mulheres ocidentais, que já adquirimos mais direitos cívicos e sociais que as mulheres indianas, devemos apoiá-las e divulgar as suas lutas.

Em França, depois das manifestações dos coletes amarelos (homens) que assustou o Governo Francês, manifestaram-se mulheres de coletes amarelos, lutando como os homens, mas com uma grande diferença: não se confrontaram com a polícia nem causaram destruições. Uniram-se, manifestaram-se e apresentaram as suas reivindicações.

Estamos a viver momentos muito difíceis: racismo, discriminações várias, desigualdades profundas, violências dos mais fortes contra os mais fracos, as corrupções surgem diariamente donde menos se esperava, os salários mais baixos são muitíssimos distantes dos mais altos, a pobreza agrava-se cada vez mais porque os poderosos açambarcam tudo o que podem e o que não podem, deixando grande parte da humanidade desamparada.

E que fazemos nós, mulheres comprometidas por uma sociedade mais justa, equilibrada, sem machismo e onde todos e todas possam ser felizes? Se houver vontade, determinação, união de esforços, construiremos esse mundo onde possamos viver em PAZ, TRANQUILIDADE e AMOR entre os seus humanos. Vamos começar a construir esse mundo neste ano de 2019.

bannerConceição

14
Dez18

Preconceito e Realidade


umarmadeira

ARTIGO DE ASSUNÇÃO BACANHIM

4-Álcool-Natal-1200x675_c

O período que estamos a viver é do de preparação para o Natal. Mas, por outro lado, temos um grave problema que assola a nossa Região, a violência de género, que voltou a agravar-se no presente ano. Embora as entidades oficiais digam estar a fazer tudo o que está ao seu alcance para minimizar o problema, ela está presente todos os dias, em todos os lugares, nas famílias, na rua, no desporto, no trabalho, na política, na comunicação social, em todas as classes sociais, enfim, em todas as vivências sentimos e pressentimos violência. Ela aparece e reaparece, como um incêndio em dia de vento.

Tudo serve de pretexto para incriminar, agredir, acusar, despedir e explorar. E as principais vítimas são, na sua maioria, as mulheres e as crianças. A violência doméstica, em muitos casos, tem uma ligação estreita com outras expressões de violência, directa e indirecta contra as mulheres, desenvolve-se em todas as vertentes sociais, entram facilmente nas famílias através do tradicional machismo, alimentado sobretudo pelo álcool e outras substâncias. O desemprego, a perda de trabalho, os baixos salários, a precaridade elevada e a pobreza laboral, continuam a empobrecer e são as mulheres que continuam a auferir maioritariamente o salário mínimo e a receber as mais baixas pensões de reforma. São ainda vítimas de pressão e intimidação e sujeitas as diversas formas de assédio no trabalho, bem como a algumas doenças profissionais, que efecta maioritariamente as mulheres.

O álcool também contribui para uma guerra permanente em casa de muitas famílias madeirenses e a destruir muita gente. Um dia destes dizia-me um jovem: eu queria que o meu o pai deixasse de fumar e de beber e que acabasse a guerra entre pais e filhos. Dei por mim a pensar onde está a origem de tanta violência, porque sempre houve pessoas violentas, mas hoje os problemas atingem maior dimensão. A qualquer momento podemos ser agredidas, assaltadas, a insegurança é uma constante no mundo actual.

Há quem diga que é necessário humanizar as famílias. Mas como? Com esmolas e trabalho sem direitos? Com um ensino que está a deixar à margem os filhos dos mais pobres, os menos inteligentes e pouco motivados? Numa sociedade baseada nos valores do lucro, onde os donos do dinheiro apenas se preocupam em ganhar dinheiro e os governantes apenas governam ao sabor desses interesses financeiros, naturalmente que tudo fica desumanizado, dentro e fora das famílias. É preocupante a desenfreada promoção das bebidas alcoólicas, do aumento de bares, esplanadas e tabernas junto de Escolas e até de Igrejas, nesta quadra para atrair fiéis é com comes e bebes.

Enquanto isso, muitas mulheres têm sido remetidas para casa, perdendo a sua capacidade económica e tornando-se cada vez mais pobres e dependentes dos seus familiares, tornando-se cada vez mais pobres e a terem que estender a mão à caridade pública e outras a venderem o seu próprio corpo para sobreviverem. Temos o dever de ajudar a prevenir a violência e de exigira protecção adequada às mulheres vítimas de violência. As Instituições devem contribuir para a mudança de mentalidades que é necessária na nossa sociedade, em que ainda se legitima muita violência que se abate sobre a mulher, particularmente na nossa Região, mesmo sendo crime público.

Há que intervir para uma mudança de mentalidades e no respeito dos Direitos Humanos, que muitos ou quase todos dizem defender, mas que uma larga maioria os viola todos os dias, a começar pelo aconchego do próprio lar.

bannerassuncao

23
Nov18

Violência, um problema cultural de mentalidades...


umarmadeira

ARTIGO DE GUIDA VIEIRA

1555618434-hermanas-mirabal

Todos os anos, por altura do 25 de Novembro, lá estamos a falar da violência contra as Mulheres. É verdade que este dia não surgiu por acaso. Que foi deliberado pela ONU em 1999 quando já era evocado na América Latina desde os acontecimentos de 1960, quando três irmãs, Las Mariposas, foram assassinadas, na República Dominicana, às ordens do ditador Rafael Trujillo, quando iam visitar os seus maridos na prisão. Lutavam contra a ditadura e foram um grande exemplo para a história dos Povos.

Mais tarde quando a sua história percorreu o mundo neste dia falamos do pesadelo da violência contra as mulheres, a todos os níveis da sociedade, mas que actualmente é mais preocupante em casos de violência doméstica. Hoje é em casa onde a mulher é mais violentada e agredida. Dizem as estatísticas que a esmagadora maioria dos casos de violência acontecem entre as paredes da casa, de forma isolada e muitas vezes pela calada da noite onde a maioria das pessoas já dormem.

Desde que este dia é evocado em Portugal que as mortes por violência doméstica têm vindo a aumentar. Este ano já foram assassinadas 21 mulheres. As queixas também têm vindo a aumentar desde que o crime por violência é considerado um crime público e qualquer pessoa pode denunciar. Mas o que tem acontecido com essas queixas? Na maioria dos casos não acontece nada aos agressores porque existem muitas maneiras dos mesmos darem a volta, com a cumplicidade de muita gente, e acabam por ver os seus processos arquivados.

Ainda há dias o Juiz Presidente da Comarca da Madeira, em resposta a Deputados/as de uma Comissão parlamentar, que está a acompanhar este problema, disse que, entre Janeiro e Junho deste ano tinham dado entrada nos tribunais da Madeira 406 processos por violência doméstica, mas, 300 dos mesmos tinham sido arquivados porque os “atacantes” tinham tido “internamento compulsivo” por motivos de alcoolismo. Disse ainda que eram os próprios que pediam esse internamento e que por isso mesmo esses casos se passavam à margem dos tribunais.

E nós perguntamos: mas quem decide esse internamento não é o sistema de saúde? Na Madeira só existe dois estabelecimentos psiquiátricos disponíveis, um para homens e outro para mulheres. Ninguém pode ser internado sem que um/a médico/a tenha deliberado esse internamento. O que acontece depois desses “atacantes” terem alta? Que se saiba voltam a casa sem que nada lhes aconteça e vai voltar tudo ao mesmo.

Esta impunidade e ligeireza tem levado a que muitas mulheres mesmo depois de fazerem a denúncia, e quando os processos vão ter a julgamento fiquem em silêncio e têm medo de falarem. Também este silêncio tem levado a que muitos atacantes, provadamente agressores, vejam os processos arquivados porque as vítimas mantiveram-se em silêncio. E nós perguntamos, se existem provas, se a vítima falou no acto de denúncia, se o crime é público, porque é que elas têm de falar no julgamento? Porque é que, quem está a dirigir o julgamento mesmo tendo todas as provas manda arquivar o processo sem que nada aconteça ao agressor.

Na Madeira conhecemos vários casos denunciados pela própria comunicação social, em que até houve tentativa de homicídio, mas só porque a vitima ficou em silêncio o homicida foi considerado “inocente”. Já não basta a maioria das vítimas terem que fugir das suas casa para casas de abrigo, muitas vezes levando consigo os seus filhos, tendo de mudar toda a sua rotina e os agressores ficarem em casa como se eles é que fossem as vítimas.

Enquanto a lei não for totalmente clara e ficar estipulado que quem agride é que tem que sair de casa e estar com vigilância policial electrónica para não se aproximar da vítima, como já acontece em outros países Europeus, as vítimas nunca vão ficar descansadas.

A violência é acima de tudo um problema de mentalidade machista possessiva que enquanto não for banida da sociedade o dia 25 de Novembro vai continuar a ser evocado. Precisa-se de uma mudança cultural de atitudes e de mentalidades. Todos os Seres Humanos nascem Iguais com os mesmos Direitos. Assim deve ser em todas as esferas da vida.

bannerGuida

19
Nov18

Quem tem medo do feminismo?


umarmadeira

ARTIGO DE LUÍSA PAIXÃO

feminismo-e-femismo-og

Esta pergunta já não deveria fazer sentido, em pleno século XXI, num país democrático como o nosso, mas, infelizmente, ainda se impõe fazê-la, pois falar de feminismo leva-nos, invariavelmente, a uma discussão que termina com a necessidade de desconstruir argumentos tão falaciosos como os exageros de que são acusadas as mulheres na luta pelos seus direitos, em vez de operarem uma espécie de «milagre das rosas moderno», que levasse os homens a aceitarem a igualdade sem se sentirem ameaçados.

Como podemos verificar, enfrentar séculos de supremacia masculina e contrariar a tradição de uma sociedade patriarcal e heteronormativa é difícil, principalmente quando essa luta não encontra eco nas instituições que têm o poder de a efetivar. Mas quem a faz tem a seu favor a coragem inabalável e a força do amor pela humanidade, por isso não podemos permitir que os passos dados nesta viagem, que traz em si todas as cores do arco-íris, sejam dados na sombra. Afinal, esse tem sido o destino das mulheres ao longo dos séculos e é contra essa imposição que devemos agir.

Desta forma, é muito importante o empoderamento da Mulher, não para ser superior ao Homem, mas para sermos todos mais felizes. As quotas, que começaram na política, têm de ser alargadas à cultura, às artes, ao desporto e a todas as vertentes da educação, desde a ciência e investigação até a aspetos tão práticos como a organização dos manuais escolares.

Conseguiram-se os direitos no “papel”, falta conquistar a sua aplicação nas nossas vivências, promovendo uma educação para a igualdade de género que não se fique pelas normas e pelos documentos oficiais emanados pela tutela. Há sempre um enquadramento geral que torna secundária a igualdade entre mulheres e homens, com a desculpa de que já é um facto consumado. No entanto, quando, de repente, nos deparamos com a notícia de que o número de mulheres vítimas de violência doméstica voltou a aumentar, abrimos os olhos para esta realidade, momentaneamente, até que algum escândalo menos doloroso ocupe o seu lugar.

Lamentavelmente, a sociedade prefere continuar a olhar para o lado. Afinal, que razões podem existir para que alguém tenha medo de un(s) movimento(s) que luta(m) diariamente contra todos os tipos de violência, de discriminação, de segregação e de exploração, recusando os preconceitos e estereótipos? Talvez o medo seja outro. Talvez seja medo de olhar para as “feridas” que podem encontrar na porta ao lado, na esquina mais próxima, tão próxima que não poderão olhar para o lado.

bannerLuisa

31
Out18

Basta de violência contra as mulheres...


umarmadeira

ARTIGO DE MANUELA TAVARES

basta-mulher-violencia-contra-2

Aproxima-se o 25 de Novembro, o Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres. Este dia surgiu para não esquecer o assassinato das irmãs Mirabal – las Mariposas – vítimas da ditadura de Trujillo no dia 25 de Novembro de 1960. É um dia em que as mulheres em todo o mundo saem à rua dizendo: Basta de Violência.

Em Portugal, nos últimos 14 anos, foram assassinadas cerca de 500 mulheres às mãos de maridos, namorados, ex-companheiros. Este ano já foram assassinadas 21 mulheres. Esta catástrofe acontece porque as mulheres são consideradas como seres subalternos, propriedade dos homens com quem vivem ou viveram e não como seres humanos que merecem respeito. Por sua vez, os homens são educados segundo um modelo de masculinidade que lhes impõe determinada forma de ser e de agir, porque se assim não for não são “verdadeiramente homens”.

Trata-se de um problema estrutural na sociedade que exige alteração de mentalidades, mas que não pode esperar para que elas mudem. Tem de se agir, desde já! Denunciando, fazendo com que a justiça funcione no respeito pelos direitos das mulheres. Não podemos aceitar que acórdãos de tribunais em Portugal dêem sinais contrários à sociedade e às mulheres, desculpabilizando os agressores. Não queremos esta justiça penalizadora das mulheres que, por exemplo, face à agressão de uma mulher com uma moca cheia de pregos a decisão dos juízes seja a pena suspensa do agressor. Ou, mais recentemente que existam atenuantes para o crime de violação de uma mulher inconsciente.

Vivemos dias difíceis em que o avanço das ideias conservadoras e fascizantes no mundo podem levar ao recuo dos direitos das mulheres, assim como dos direitos humanos em geral, com agressões a pessoas com diferente orientação sexual, de diferentes etnias, imigrantes e todos os grupos mais vulneráveis socialmente.

Resistir e defender direitos é um lema que nos deve orientar neste tempo histórico, tal como outras mulheres o fizeram ao longo dos tempos.

bannerManuela

Sobre nós

foto do autor

Pesquisar

Siga-nos

Iniciativas diversas

Debate "A Nutrição e as Mulheres" 05/11/2018

Todas as fotografias aqui

Tertúlia "O impacto do 25 de Abril de 1974" 28/04/2019

Todas as fotografias aqui

Passeio de Verão UMAR Madeira 14/07/2019

Todas as fotografias aqui

Semana das Artes EcoFeministas, de 15 a 19/07/2019

Todas as fotografias aqui

43º Aniversário da UMAR 13/09/2019

Todas as fotografias aqui

Tertúlias Literárias

I Passeio dos Livros nos Jardins do Lido 03/08/2018

Todas as fotografias aqui

II Passeio dos Livros no Jardim de Santa Luzia 28/09/2018

Todas as fotografias aqui

III Passeio dos Livros na sede da UMAR Madeira 10/03/2019

Todas as fotografias aqui

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D