Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Feminismos é Igualdade

30
Mar19

Ter tempo para o tempo...


umarmadeira

ARTIGO DE JOANA MARTINS

tempo

Vivemos tempos complexos, onde o imediatismo é a palavra de ordem. O tempo deixou de ser suficiente para tudo, pois andamos sempre a correr contra o tempo. Existem à nossa volta, constantemente, mil e uma informações a circular, e outras tantas solicitações e afins para dar conta. JÁ, AGORA. Se não soubermos colocar limites ou estabelecer prioridades, deixamo-nos afogar nessa espiral, acabando por não ter tempo para o tempo. O passado é habitualmente deixado de parte (ou pesquisado no Dr. Google), e vivemos sempre para o futuro.

Esta cultura iniciou-se com a expansão das redes sociais e internet. Há uma ansiedade generalizada de “ter que dar conta do recado, senão serei uma pessoa fracassada. Tenho que estar informada, ou serei vista como descuidada e ficarei desintegrada do resto da sociedade.” Correr contra o tempo está a nos transformar em pessoas mais ansiosas e angustiadas. Reservar um tempo para nós é quase visto como egoísmo.

As tecnologias rasgaram a relação espaço-tempo, deixou de haver tempo para pensar no tempo. Esperar passou a ser sinónimo de perder tempo. “Não há tempo a perder”, é o slogan impresso em todo o lado. Passou a ser tudo uma questão de velocidade. As pessoas querem tudo para ontem: a realização de sonhos, de objetivos, de metas. Graças à pressa, estamos a nos tornar mais virtuais do que reais – paremos um pouco para olhar à nossa volta e refletir sobre isso. Andamos mais cansados/as, por vezes mais desorientados/as. E, muitas vezes, mais infelizes.

Eu pertenço à geração de transição entre um mundo menos virtual e menos globalizado, para o que temos atualmente. E tenho a dizer que há, também, diversas vantagens neste novo mundo. A informação está muito mais acessível. Através dum click, podemos ter acesso a formações, livros, matérias-primas e afins vindas do outro lado do mundo. Comunicar e se fazer ouvir nunca esteve tão facilitado. É possível influenciar o mundo inteiro sem sair de casa. Mas, parece não haver tempo para se pensar no tempo.

Esta globalização e imediatismo têm levado a que desenvolvamos, cada vez mais, um estilo de vida insustentável. Compramos o que está na moda, sem pensar se, realmente, precisamos daquela peça. Desperdiçamos imenso, em tudo, sem pensar nas consequências a médio e longo prazo. Depois, como num piscar de olhos, aparece uma iniciativa promovida por alguém, mediática, in, e lá vamos clicar e partilhar nas redes sociais, expressando o nosso apoio de forma efusiva. De repente, a consciência fica um bocadinho mais leve. Até podemos participar na iniciativa, e durante algum tempo, até podemos fazer umas mudanças de vida. Mas, muitas vezes (e é isso que me preocupa), passando o mediatismo da causa, tornamos aos velhos hábitos, e os problemas da falta de sustentabilidade mantêm-se.

Valoriza-se, muitas vezes, o imediato e mediático, e desvaloriza-se a prevenção primária de tudo. Como a da violência de género. Aquele “trabalhinho difícil” que precisa ser feito continuamente, a longo prazo, para ir lançando sementinhas de mudança por todo o lado. Aquele trabalho não visível a olho nu, à primeira vista, mas o qual vai influenciando, devagarinho, muitas pessoas. Ao mesmo tempo, há aquelas pessoas que trabalham para manter vivas as memórias de como tudo aconteceu e como chegamos aqui, para informar e fazer com que haja reflexão no presente, sobre o futuro e o que se poderá perder do passado. Como a luta dos direitos das mulheres, a cronologia que ilustra o caminho de conquista de direitos que os homens sempre tiveram, mas que às mulheres eram negados – e que ainda são negados em muitos países. Estimular o pensamento crítico. Pessoas que não se deixam cegar pelos holofotes e vão, com persistência e resiliência, fazendo o seu caminho. Pessoas que lutam pelas mesmas causas há muitos anos, como a igualdade de género, e que não desistem enquanto houver ainda algo a melhorar, a fazer, independentemente se “está in ou out”. Pessoas que valorizam e reinventam métodos do passado, mais sustentáveis. Pessoas que, efetivamente, melhoraram a vida de muitas outras pessoas. Acredito que são essas pessoas que serão, para sempre, recordadas por muitas outras pessoas, e tento seguir o seu exemplo.

Apesar de pertencer a uma geração de transição, oscilando entre o tempo do presente e o tempo do passado, revejo-me mais na tal persistência e resiliência, e menos no imediatismo. Para tudo, há que haver um equilíbrio. Saibamos utilizar as ferramentas que temos à nossa volta para lutar pelo que acreditamos. Sem perdermos o tempo para pensar no tempo.

bannerJoana

Sobre nós

foto do autor

Pesquisar

Siga-nos

Iniciativas diversas

Debate "A Nutrição e as Mulheres" 05/11/2018

Todas as fotografias aqui

Tertúlia "O impacto do 25 de Abril de 1974" 28/04/2019

Todas as fotografias aqui

Passeio de Verão UMAR Madeira 14/07/2019

Todas as fotografias aqui

Semana das Artes EcoFeministas, de 15 a 19/07/2019

Todas as fotografias aqui

43º Aniversário da UMAR 13/09/2019

Todas as fotografias aqui

Tertúlias Literárias

I Passeio dos Livros nos Jardins do Lido 03/08/2018

Todas as fotografias aqui

II Passeio dos Livros no Jardim de Santa Luzia 28/09/2018

Todas as fotografias aqui

III Passeio dos Livros na sede da UMAR Madeira 10/03/2019

Todas as fotografias aqui

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D